Por Aldeias de Xisto

Penela_04
Uma rua em Gondramaz

Como já referi em vários posts anteriores, este ano vai ser a oportunidade de ir para fora cá dentro. No fim de semana passado os planos eram passar pelo Porto para ver a exposição de Miró em Serralves que já vos tinha sugerido aqui, e depois rumar até Bragança para passarmos uns dias imersos no Parque Natural de Montesinho, sítio onde estive há alguns anos atrás e onde desejo muito voltar.

Infelizmente uma crise muito grande de coluna há umas semanas deixou-me imprópria para consumo, caminhadas longas, e longos percursos de carro. Aliás, até bem perto do fim de semana nem sabia se conseguiria sair da cama, mas finalmente, com ajuda de muitos analgésicos lá voltei ao mundo da mobilidade e fomos até Penela, para um hotel já nosso conhecido, para uns dias de descanso à beira duma piscina rodeada por rãs verdes e momentos de zen.

No primeiro dia resolvemos ir explorar um bocadinho a região e fomos dar a uma aldeia de xisto próximo de Miranda do Corvo, mesmo no cimo duma encosta da Serra da Lousã, chamada Gondramaz. Muito diferente das aldeias que eu conheço na zona, principalmente pela cor do xisto que aqui é mais avermelhado, é uma aldeia encantadora, super arranjadinha, cheia de percursos pedestres e mesmo um centro de BTT. E, apesar de muito pequenina, tem dois turismos rurais com um ar muito interessante.

Mas nós fomos até lá para eu apanhar um bocadinho de sol e ar de montanha depois de tanto tempo fechada em casa, e ao mesmo tempo para almoçarmos num sítio catita, porque andamos sempre à cata de sítios onde se coma bem com boa vista. No final da aldeia temos o Pátio do Xisto, restaurante pequeno e com ementa exclusivamente feita de pratos do dia. É preciso ir de mente aberta para este restaurante. A senhora tem o que eu chamaria de “simpatia serrana”. Eu, que passei os verões na Serra do Açor, mesmo ali ao lado, estou perfeitamente habituada a ouvir comentários como: não queria a tua saia nem dada para ir ao mato, de pessoas da minha família, por isso os modos directos da dona do restaurante não nos chocaram minimamente, mas pude ver pelos comentários do trip advisor que algumas pessoas ficaram mais melindradas.

A chanfana foi das melhores que já comi num restaurante e sinceramente fez-me lembrar a da minha avó. A única diferença é que a caçoila não era de barro preto mas vermelho. Mas sinceramente quando me lembro ainda me cresce água na boca. A sopa era normal, e as sobremesas também não estavam mal. Com tanta medicação apenas bebi uma águinha, mas ouvi dizer que os vinhos eram bons. Sinceramente, só aconselho a quem esteja alojado na aldeia, porque a estrada sinuosa precisa dos sentidos bem alerta. E no final a conta foi muito simpática.

O resto da tarde foi passada à beira da piscina a aproveitar o sol que fez o fim de semana passado envergonhar este. Não consegui não ficar enervada por ver 2 pessoas a tarde toda a guardar 9 cadeiras de piscina, não deixando mais nenhuma vaga para as pessoas que chegavam, e para pessoas fantasma que nunca chegaram a aparecer. Sinceramente não percebo a fobia que os portugueses têm a ficar uns minutos sem cadeiras. Sempre nestas situações, ou em centros comerciais cheios, acumulam cadeiras como se fosse um bem precioso que fosse acabar a qualquer momento e que toda a humanidade dependesse disso, e eles, machos e fêmeas alfa e muito mais espertos que os outros mortais, sobrevivessem rodeados de cadeiras vazias.

Enfim, normalmente ter-me-ia sentado no chão sem problema, mas as costas não mo permitiram. Felizmente apanhamos um casal a ir embora quando saímos da piscina e pudemos sentar-nos tranquilamente sem ter de perturbar os acumuladores e tudo terminou em bem.

O resto do fim de semana foi passado em serena tranquilidade Penelense, entre piscina com relas e D. Sesnando, como quem revê velhos amigos. É sempre um prazer voltar e ser tão bem recebido.

Penela_02
Mesmo à entrada da aldeia de Gondramaz está esta casa de sonho, com um poço e tudo. 
Penela_07
As casas do largo
Penela_03
Um pouco por toda a aldeia podemos encontrar estas esculturas nas paredes das casas.
Penela_05
A vista do Pátio do Xisto
Penela_06
Chanfana… hum…
Penela_01
A piscina das relas no Duecitânia… 

Anúncios

Dias da Música 2017

Dias da Musica 2017

No próximo dia 29 começa mais uma edição dos Dias da Música em Belém no CCB, evento a que eu gosto muito de assistir, este ano sob o tema “As Letras da Música”, tema bastante literário é que tem muito a ver com o Peixinho.

Olhando para o programa consigo ver já imensos concertos aos quais gostava de assistir, até porque o ambiente no CCB durante estes dias é muito descontraído e contagiante, mas ainda não sei se vou conseguir ir este ano, que tem sido um bocadinho conturbado.

No entanto deixo-vos algumas ideias de coisas que se eu pudesse não perderia com certeza:

Sexta, 28 de Abril às 21:00 – JP Simões: Buarque, Bloom e Outras Canções (A2)

Sábado, 29 de Abril às 14:00 – Orquestra Sinfónica Ensemble: Sedução e Amores Proibidos (B2)

Domingo, 30 de Abril às 13:00 – DSCH – Schostakovich Ensemble: O Carnaval dos Animais (C10)

Espero que gostem.

Mitos do Norte

Norse Mythology

American Gods é uma série que está mesmo quase a estrear (dizem que dia 30 de Abril num canal de cabo americano), e só isso já seria razão suficiente para pegar num livro do Neil Gaiman (outro, para além do Sandman que tenho andado a ler por aqui). Claro que a escolha óbvia seria o homónimo, mas não consegui resistir a este Norse Mythology, acabadinho de sair, que ainda por cima vem complementar lindamente a outra série que ando a acompanhar, Vikings.

Foi por essa razão que os nomes dos deuses e deusas estavam frescos na minha memória, e isso ajudou muito a relacionar as histórias e os mitos. A mitologia nórdica, apesar de grandemente perdida no tempo, é muito rica em personagens e histórias, e talvez seja essa a razão que me levou a achar este um dos livros mais fracos do autor. Normalmente, ele costuma deslumbrar-nos com a riqueza das suas personagens, o envolvimento das suas narrativas, ao ponto de nos sentirmos parte do mundo fantástico que ele criou para nós em cada livro. Neste o começo foi um pouco confuso, como se o autor tivesse de condensar muita informação logo de início para conseguirmos abarcar o mundo todo, mas à medida que íamos progredindo nos contos, o génio contador de histórias de Neil Gaiman ia vindo progressivamente ao de cima. No entanto, nunca me consegui sentir verdadeiramente envolvida no mundo e nas descrições, sempre me senti como se fossem apenas contos avulsos, mal ataviados uns aos outros, sem continuidade, sem aquela sensação de saga que eu estava à espera.

No final de tudo, o meu conto preferido foi o Ragnarok, ou a descrição do final dos tempos e o seu renascimento, que é suposto encher-nos de temos e esperança ao mesmo tempo, e que deixa no ar a questão se já terá ou não sucedido com o final da era desses personagens distantes.

Ler este livro despertou-me a vontade de voltar a ouvir os velhinhos Amorphis, uma banda finlandesa cujos primeiros álbuns eram inspirados na Kalevala, um poema épico finlandês fundamental no desenvolvimento da identidade deste povo, pleno de histórias, mitologia e sagas. Um cheirinho aqui.

E pronto, a caminho do próximo livro, que espero me entusiasme mais.

Goodreads Review

 

Bookcrossing e Cabify

Cabify

Se há coisa que o Peixinho gosta são ideias novas de partilhar livros. O Bookcrossing não é de todo uma ideia nova, o conceito original já existe desde 2001, mas desde aí já muitas variações foram sendo criadas.

Há uns tempos falei aqui de várias bibliotecas de partilha de livros que existem um pouco por toda a Lisboa e ainda há pouco tempo libertei um livro numa aqui perto de casa.

Ora, de dia 23 a 28 a Cabify e a Saida de Emergência juntaram-se para fazer uma iniciativa semelhante. Sempre que andar num Cabify pode levar um livro dos seus e trocar por um livro daquela editora, segundo o que eu recebi deles e em baixo partilho.

Ainda esta semana andei a deslocar-me várias vezes para o centro de saúde e fazer raio-x de Uber e Cabify, portanto uma iniciativa destas teria dado jeito, para renovar o stock que tenho cá em casa, mas fica a dica para a próxima semana.

Adira ao bookcrossing Cabify & Saída de Emergência, a troca de livros em movimento na sua cidade.

No próximo dia 23 de Abril, celebra-se o Dia Mundial do Livro. E haverá melhor forma de viajarmos do que lermos uma boa história? Celebre connosco e junte-se ao movimento de bookcrossing que vamos promover em parceria com as edições Saída de Emergência! 

O que é o bookcrossing? 

O Bookcrossing é um conceito norte-americano que define a prática de deixar um livro num local público para ser trocado por outro livro, e assim sucessivamente.

A partir de domingo, 23 de abril, e até 28 de abril todos os veículos Cabify terão a bordo um livro das edições Saída de Emergência para troca, ou seja, para levar o livro que se encontrar disponível no automóvel o utilizador tem de deixar um para o próximo utilizador, deixando-o partir na sua próxima grande aventura.

Se vai pedir um Cabify, traga um livro consigo.

Boas viagens,

A equipa Cabify

A Fortaleza Impossível

Impossible Fortress

Esta Páscoa, altura que costumo gostar tanto, está a ser um bocadinho diferente das anteriores. Basicamente dei um grande jeito às costas e encontro-me quase imobilizada. Até as tarefas mais básicas são uma dificuldade neste momento (como por exemplo estar no computador a dar os retoques finais neste post que escrevi maioritariamente no telefone), e neste momento só espero que o fim de semana prolongado seja suficiente para recuperar. Aceitam-se dicas de bons acunpuntores na zona de Lisboa.

Mas, por outro lado, e como há limites para a má televisão que se vê, os meus livros vão de vento em popa. E terminei mais um oferecido pelo Netgalley. Este, na realidade, já o tinha pedido há tantos meses como “desejo” que até me tinha esquecido dele, mas veio em boa altura. Um livro ligeiro passado em 1987 e totalmente imerso na cultura dos anos 80. Apesar de eu não ser uma saudosista e preferir até coisas viradas para o futuro, este livro trouxe-me alguns sorrisos e algumas recordações engraçadas, e creio que fará o mesmo a todos os que cresceram neste década.

A história centra-se num rapazinho que é um ás da programação no seu Commodore 64, e tem como sonho fazer jogos de computador, ter a sua própria empresa e ser famoso. Creio que isso será comum a muitos milhares de rapazinhos que viveram aqueles anos, a diferença é que o Billy conheceu uma rapariga à altura, e juntos embarcam numa aventura que os leva a criar a Fortaleza Impossível, o melhor jogo criado até à data.

Tudo isto no meio do que é crescer naquela década, com toda a pressão dos amigos para fazeres parte dos fixes, coisa que se perpetua até hoje.

Uma leitura fácil, simples, mas que entretém e nos deixa com um sorriso, mesmo o que eu estava a precisar nesta altura. Se forem à página do autor aqui, podem jogar o jogo num emulador do Commodore 64.  Eu já o fiz e disse-me que eu era “Just OK”.

Goodreads Review

A Vida no Castelo

shirley jackson

Este foi mais um dos livros que estavam na calha e que resolvi pegar agora. Era relativamente curto e foi sugerido por uma amiga que já não via há algum tempo, mas com quem tinha o hábito de partilhar sugestões de leitura, sem nunca ficar desiludida.

Shirley Jackson foi também uma estreia para mim e, até este livro, era uma ilustre desconhecida mas acabou por ser uma agradável surpresa.
A história gira à volta de duas irmãs e um tio que vivem uma rotina rígida numa casa de família desde que o resto da família morreu envenenada 6 anos antes. A história está muito bem contada e é bastante gótica e cinematográfica. Passei todo o livro a lembrar-me da série American Horror Story. Na realidade não fiquei surpreendida quando mais tarde descobri que já há um filme baseado neste livro prestes a sair.

Mas por baixo duma história por vezes claustrofóbica há um subtexto muito interessante, que é o poder e a força das massas. Seja numa pequena cidade norte-americana, numa grande capital europeia, num estádio ou nas redes sociais, a mob mentality é perigosa e poderosa e põe pessoas que noutras circunstâncias seriam consideradas normais a fazer coisas indescritíveis, E isso foi o que eu achei mais bem explorado neste livro.

De resto, a história está muito bem contada, e se mais ou menos a meio eu já previa o desfecho, a mestria das palavras não retirou em nada o prazer de ler a história.

Aconselho a todos os que gostam de histórias diferentes, passadas em cidades pequenas, mas que podiam ser no nosso prédio.

Goodreads Review

A Páscoa

broa

Amanhã é Domingo de Ramos e entramos oficialmente na semana da Páscoa. A Páscoa é sem dúvida das minhas épocas favoritas do ano e a festa que mais gosto. Ao contrário do Natal, ainda não foi tomada de assalto por campanhas de marketing publicitário. Pelo menos em Portugal o coelhinho não tem tanta força como o Pai Natal. Por isso, para quem não celebra é só mais um fim de semana grande, e quem celebra, como eu, está mais descontraído.

Por outro lado o Natal é chuva, frio e escuridão. Admito que para quem tenha lareira e goste da nostalgia invernal, isso possa ter algum encanto, mas para mim nem por isso. A Páscoa é renovação, sol e primeiros dias de calor. Pássaros a cantar e flores que voltaram. Há uma alegria inerente à Páscoa que me enche de boa disposição.

Depois a logística natalícia sempre foi pesada. Onde ficam os avós este ano? Passam a meia noite cá ou lá? E o ano novo? E como é o almoço? E compra-se presente para este, ou só nos vamos ver em Agosto e por isso não vale a pena?

A Páscoa sempre foi leve. No fim de semana anterior há a Missa dos Ramos, depois as celebrações pascais propriamente ditas. Quando era mais nova, como teria ainda uma semana de férias antes de retomar os estudos, normalmente punha a mochila às costas e partia para a terra, ter com a avó e com os amigos que lá estivessem para uma semana de descanso e natureza.

E era uma semana maravilhosa, recheada de livros (pelo menos quantos os que eu conseguisse carregar na mochila, porque tinha de apanhar duas camionetas e ainda era coisa para me pesar nas costas), amigos e petiscos que a minha avo fazia, como broa, bola de carne, peixe assado na “patusca”. Na quinta feira íamos de táxi até à feira de Arganil, porque a minha avó gostava de passear comigo.

No Domingo a seguir à Páscoa (a Pascoela) o prior da freguesia ia até à aldeia e entrava em todas as casas para as abençoar, e nós andávamos atrás dele. Para os mais novos era uma diversão, para os mais velhos uma missão, para todos um sentido de comunidade. Ao fim do dia regressava a Lisboa.

Muitos anos se passaram, e a vida de todos nós é hoje muito diferente. Uns ficaram, a maioria partiu. As memórias são boas, e a Páscoa continua a ser a minha altura favorita do ano, e chegando a este fim de semana, uma alegria tranquila entra no meu coração.

Boa Páscoa a todos.

Passeata na Tapada

Tapada04

Pois quem anda pelo Peixinho já percebeu que isto é tanto um blog de livros como de passeata, e foi isso que aconteceu mais uma vez este Domingo. Depois de alguns fins de semana mais caseiros por causa duma constipação/asma que teimavam em não me deixar em paz, este Domingo resolvi que, mesmo que tossisse os pulmões para fora do peito, estava na altura de caminhar na natureza.

Conseguimos um voucher do Sapo para a Tapada de Mafra, sítio onde marcamos o ponto pelo menos uma vez por ano, e que dava direito a um percurso 360º, incluindo um atelier de apicultura, uma demonstração de aves de rapina e um percurso pedestre.

A ideia inicial era fazer um percurso de 8km, mas como eu queria terminar ainda com pulmões, e eventualmente vir dormir a casa, tivemos de optar por uma solução de compromisso, e dar uma volta a pé pelos caminhos principais, menos íngremes, mas não menos interessantes. No final do passeio o podómetro do Peixinho Vermelho marcava um pouco mais de 7km, por isso parece-me missão cumprida. O meu podómetro marca 12km, mas sendo do chinês tenho as minhas dúvidas.

O melhor da Tapada, para além de ser pouco humanizada e dar para fazer uns percursos pedestres engraçados como se estivéssemos no meio do mato, é que se formos silenciosos (coisa difícil para a maioria das famílias com que nos cruzamos, facto) conseguimos ver imensa fauna, porque os senhores do parque alimentam-nos perto do caminho. Ontem vimos um gamo, veados e javalis. Os machos são muito engraçados e olham-nos duma distância considerável, a tentar perceber se vão investir ou passar ao largo. Felizmente para nós, até hoje optaram sempre pela segunda opção, e ficaram a comer alegremente, sempre de olho em nós não fosse necessário tomar medidas a qualquer momento. Era mútuo, nós também não tirámos os olhos deles e das hastes do senhor veado, que aquilo ainda tem ar de poder aleijar.

Final do passeio ainda teve direito a paragem na Malveira para comer umas trouxas do Oeste, que há que repor as calorias gastas a caminhar. A Tapada é daqueles tesouros mesmo à porta de casa, que por uns tostões nos providencia horas de contacto com a Natureza. Vale a pena.

Tapada01
Os veados no ínicio da refeição

Tapada02

Tapada03
Uma ponte para um dos caminhos secundários que não pudemos seguir
Tapada05
Calmamente a ruminar depois do almoço
Tapada06
As trouxas do Oeste. Alguém comeu duas, mas não fui eu 😉

Páscoa Feliz

Pascoa Feliz

Nada mais apropriado a este tempo de Quaresma que um livro com este título. No entanto devo começar por dizer que a felicidade estava mesmo só no título já que todo o desenrolar desta história é difícil e pesado. Mas vamos por partes e comecemos do inicio.

Este era um dos livros que estava na calha, e foi um presente de aniversário duma amiga, a mesma que me apresentou a vários poetas e ao João Sem Medo, portanto as expectativas eram altas. E posso dizer que não ficaram defraudadas.

O livro está muito bem escrito e esta edição (d’A Bela e o Monstro Edições Lda) é deliciosa. Desde a fonte até à grafia, tudo emula a primeira edição de 1932 e sentimo-nos a viajar no tempo. Por outro lado este é outro daqueles autores que, não sendo hermético e quase místico na sua escrita, tem sido bastante esquecido pelos nossos fazedores de listas de melhores livros, que tendem a premiar escritores mais complexos e no geral mais difíceis de ler.

No entanto, através da simplicidade se consegue transmitir muita beleza, e este livro foi uma vertiginosa viagem dentro da mente dum homem condenado que nos vai contar a sua história. Acho sempre impressionante como um autor consegue transmitir no papel o que é viver dentro duma realidade de loucura duma maneira que pareça verossímil, e já o tinha sentido quando li “A Loucura” de Mário de Sá Carneiro algures em 2015. Este livro pareceu-me mais consistente, e fiquei muitas vezes agarrada à história na antecipação do seu desfecho, que nos é entregue de modo velado e temos nós o ónus de o desvendar de modo satisfatório.

Gostei muito, fiquei com vontade de ler mais coisas deste autor, de o investigar (como faço sempre para ter algum contexto sobre as coisas que leio, nesse aspecto a internet veio enriquecer bastante a experiência de leitura), e tenho pena que seja um semi desconhecido no nosso panteão.

Recomendo a todos os que queiram ler mais autores portugueses.

Goodreads Review

Eu já sofri. Já fui um revoltado, um criminoso, se quiserem. Hoje, vivo serenamente. A serenidade é a maior virtude da inteligência.

Mas porque penso eu no mundo? É um hábito que fica. Detesto a vida activa. Os gestos que faço, os passos que dou, perturbam-me a vida interior, que é o meu prazer. Esquecimento, quietação! Doutor, não me pregunte mais nada!… Tenho amor a esta casa onde adquiri a certeza de que existo, porque penso.