Finalistas Booker Prize 2022

booker 2022

Depois de ter estado de férias em Agosto e início de Setembro, volto para vos dizer que no passado dia 6 foram anunciados os finalistas do prémio Booker deste ano. A principal surpresa é que não aparece The Colony, que era dado quase como certo nesta lista. Por outro lado aparece o único que eu já tinha lido, Oh William!, que confesso que não estava à espera, apesar de ter gostado bastante do livro e me ter feito querer ler mais coisas da autora. 

Deixo aqui novamente a lista dos nomeados, e as minhas impressões sobre eles. Neste momento  não tenho ideia nenhuma de quem será o vencedor, mas nesta lista encontra-se o autor mais velho a ser nomeado, e o vencedor será anunciado no dia em que ele faz 87 anos, por isso pode ser que lhe estejam a preparar uma prendinha. 

Glory de NoViolet Bulawayo – O que se segue num país quando um líder ditatorial de longa data finalmente é afastado? E se essa nação for no reino animal? Esta é a premissa desta sátira à queda de Mugabe no Zimbabwe em 2017. Parece ser um livro muito interessante, e esta autora já não é nova nestas andanças de ser nomeada para os Booker. 

Small Things Like These de Claire Keegan – Mais um livro passado na Irlanda, em 1985, sobre Bill Furlong, um homem normal com uma vida banal, mas que tem a oportunidade de fazer uma coisa extraordinária. Esta sinopse dá-me imensa vontade de pegar já no livro, e o facto de ser só 118 páginas ajuda muito também. 

Treacle Walker de Alan Garner – Este livro tem críticas excelentes, mas devo dizer que mesmo após ter lido a sinopse, não sei bem do que se trata. A amizade entre um rapaz e um caminhante, imersa em mitos e lendas rurais, pelo que percebi. Não está na minha lista de prioritários para ler. 

The Trees de Percival Everett – Uma série de assassinatos estranhos no Mississipi são difíceis de ser investigados por pouca colaboração da polícia local, mas quando se começa a perceber as ramificações, percebe-se que estamos perante algo muito estranho. Esta é a premissa inicial dum livro que é muito estranho e muito actual, já que se foca nas tensões raciais na América, que continuam a ser ainda tema corrente. Parece-me uma boa aposta!

Seven Moons of Maali Almeida de Shehan Karinatilaka – Tendo a personagem principal um apelido tão maravilhoso, obviamente que este livro tem que ser lido. Quero também realçar que tem sido delicioso ver vídeos sobre os nomeados de booktubers anglófonos, e ver como tentam pronunciar isto. That being said, o autor é do Sri Lanka e a trama passa-se na sua capital, Colombo. Maali Almeida aparece morto e tem sete luas para conseguir descobrir como isso aconteceu. Parece-me delicioso, e está no topo da minha lista de livros a ler. 

Oh William! de Elizabeth Strout – O único livro desta lista que eu já li, há precisamente 1 ano, cortesia do Netgalley. É com personagens de livros anteriores, nomeadamente Lucy Barton, mas mesmo se não leram não perdem nada, porque a autora explica tudo o que é necessário, que é pouco. Gostei bastante, é  um livro que se lê muito rápido, e Lucy Barton é uma personagem deliciosa com a qual nos identificamos muito. Não deve ser o vencedor, porque há outros nomeados que são mais falados, mas é um livro que vale a pena ler. 

Já leram algum, têm previsões? Digam-me tudo e até lá Boas Leituras!

Nomeados Booker 2022

booker 2022

Saiu na passada terça-feira dia 26 a lista dos nomeados para o prémio Booker deste ano. São 13 e, ao contrário de anos anteriores, há na lista um que já li em pré-venda, graças ao Netgalley. Como habitual, vou mostrar-vos em baixo a lista dos nomeados com algumas consideraçãos minhas baseadas nas sinopses.

The Colony de Audrey Magee – Este foi o livro que vi mais vezes citado nas fontes que leio como um possível candidato, e que parece reunir mais consenso. Passa-se numa ilha irlandesa remota, em 1979, que vai ser visitada por um italiano e um francês que têm visões radicalmente diferentes sobre o que deve ser o destino da ilha. Ao mesmo tempo, os seus habitantes também querem ter uma palavra a dizer. Este livro parece-me interessante, até porque junta a isto a pano de fundo que se vivia na Irlanda nesta altura, fiquei com vontade de ler!

After Sapho de Selby Wynn Schwartz – Este é um livro sobre mulheres que quebraram padrões e que forçaram barreiras nos inícios do século XX. Tem excelentes críticas no Goodreads, mas não parece ser muito ao meu gosto. 

Glory de NoViolet Bulawayo – O que se segue num país quando um líder ditatorial de longa data finalmente é afastado? E se essa nação for no reino animal? Esta é a premissa desta sátira à queda de Mugabe no Zimbabwe em 2017. Parece ser um livro muito interessante, e esta autora já não é nova nestas andanças de ser nomeada para os Booker. 

Small Things Like These de Claire Keegan – Mais um livro passado na Irlanda, em 1985, sobre Bill Furlong, um homem normal com uma vida banal, mas que tem a oportunidade de fazer uma coisa extraordinária. Esta sinopse dá-me imensa vontade de pegar já no livro, e o facto de ser só 118 páginas ajuda muito também. 

Nightcrawling de Leila Mottley – a história de dois irmãos adolescentes que moram em Oklahoma City e que precisam de sobreviver sozinhos num mundo complicado e cheio de dificuldades. O retrato da probreza, da adversidade que podemos encontrar em grandes centros urbanos. Pareceu-me muito interessante e fiquei com imensa vontade de ler, apesar de pressentir que vai ser bastante difícil. Esta foi a autora mais nova de sempre a ser nomeada, com 20 anos. 

Maps of Our Spectacular Bodies de Maddie Mortimer – Este é um título fabuloso para um livro, e só por aí já chama a atenção. Conta-nos a história de Lia, o seu marido e a sua filha adolescente, e o seu percurso após Lia ser diagnosticada com cancro terminal. Se alguém ler, que me diga se é tão bom como parece. Não está na minha lista de livros para ler, porque nesta altura do campeonato tento proteger-me de sofrimento desnecessário.  

Case Study de Graeme Macrae Burnet – Este livro mistura realidade com ficção, já que um dos personagens, o Dr. Collins Braithwaite, existiu mesmo e tem uma história curiosa. Neste livro a nossa personagem principal acha que a irmã cometeu suicídio depois de ser paciente de Braithwaite, e assume uma nova identidade para se tornar também ela paciente e tentar descobrir o que aconteceu com a irmã. A premissa parece-me muito interessante, quase um thriller, e fiquei definitivamente curiosa por ler. Vai para a lista. 

Treacle Walker de Alan Garner – Este livro tem críticas excelentes, mas devo dizer que mesmo após ter lido a sinopse, não sei bem do que se trata. A amizade entre um rapaz e um caminhante, imersa em mitos e lendas rurais, pelo que percebi. Não está na minha lista de prioritários para ler. 

The Trees de Percival Everett – Uma série de assassinatos estranhos no Mississipi são difíceis de ser investigados por pouca colaboração da polícia local, mas quando se começa a perceber as ramificações, percebe-se que estamos perante algo muito estranho. Esta é a premissa inicial dum livro que é muito estranho e muito actual, já que se foca nas tensões raciais na América, que continuam a ser ainda tema corrente. Parece-me uma boa aposta!

Trust de Hernan Diaz – Ficção histórica sobre um casal dos anos 20 do século passado, que enriquece  imensamente sem se saber bem como. Não me pareceu muito o meu género, não me parece que vá ler. 

Booth de Karen Joy Fowler – Mais uma ficção histórica, desta vez sobre a família de John Wilkes Booth, antes e depois dele ter assassinado o presidente Lincoln. Ficção histórica não é muito a minha praia, este livro tem 480 páginas e as críticas no Goodreads não são famosas. Para já não está na minha lista de livros para ler.

Treacle Walker de Alan Garner – Este livro tem críticas excelentes, mas devo dizer que mesmo após ter lido a sinopse, não sei bem do que se trata. A amizade entre um rapaz e um caminhante, imersa em mitos e lendas rurais, pelo que percebi. Não está na minha lista de prioritários para ler. 

Seven Moons of Maali Almeida de Shehan Karinatilaka – Tendo a personagem principal um apelido tão maravilhoso, obviamente que este livro tem que ser lido. Quero também realçar que tem sido delicioso ver vídeos sobre os nomeados de booktubers anglófonos, e ver como tentam pronunciar isto. That being said, o autor é do Sri Lanka e a trama passa-se na sua capital, Colombo. Maali Almeida aparece morto e tem sete luas para conseguir descobrir como isso aconteceu. Parece-me delicioso, e está no topo da minha lista de livros a ler. 

Oh William! de Elizabeth Strout – O único livro desta lista que eu já li, há precisamente 1 ano, cortesia do Netgalley. É com personagens de livros anteriores, nomeadamente Lucy Barton, mas mesmo se não leram não perdem nada, porque a autora explica tudo o que é necessário, que é pouco. Gostei bastante, é  um livro que se lê muito rápido, e Lucy Barton é uma personagem deliciosa com a qual nos identificamos muito. Não deve ser o vencedor, porque há outros nomeados que são mais falados, mas é um livro que vale a pena ler. 

Já leram algum, ou planeiam ler algum? Partilhem comigo se valeu a pena. 

Boas Leituras!

Os 6 Melhores Livros Lidos Em 2022

livros

E assim de repente já se passaram os primeiros seis meses do ano, e eu juro que não sei por onde é que o tempo foge. Mas ao menos este ano tem fugido com livros, o que sempre é melhor.

Propus-me no desafio de início do ano do Goodreads a ler 50 livros em 2022, que é mais ou menos o desafio que faço por ano. Mas desde que a capacidade cerebral diminuiu (leia-se maternidade aconteceu), que eu não tenho andado muito virada a livros grandes ou extremamente complexos, e isso reflecte-se na quantidade de livros que eu consigo ler. Este primeiro semestre já foram 40, o que é um número impressionante, para mim.

E posso dizer que a qualidade não anda nada má, já que 5 foram 5 estrelas, e 14 foram 4 estrelas. Também houve alguns no outro extremo da tabela, mas foram menos. Em baixo deixo as minhas sugestões de 5 estrelas, que foram todos livros muito interessantes (e 2 de 4 que ainda penso neles), sem nenhuma ordem em particular.

  • Mrs Death Misses Death: um livro poético e estranho que li quase no início do ano, com a morte como personagem.
  • Dune: o clássico de ficção científica, que não será para todos os gostos, e que ao contrário do que eu disse acima, era grande e complexo.
  • The Last Rhinos: um relato particularmente interessante sobre os esforços dum conservacionista em salvar uma subespécie de rinocerontes africanos que apenas existia num pequeno parque numa zona flagelada por conflito armado. Triste, como infelizmente estas coisas normalmente são.
  • Beartown: Finalmente rendi-me à coqueluche dos últimos anos, Fredrick Backman, e não me arrependi. Já tenho a sequela no Kindle para ler.
  • At Night All Blood is Black: vencedor do Booker International do ano passado, é um relato brutal e poderoso dos horrores da guerra. Apesar de se passar na Primeira Guerra Mundial, continua tristemente actual.
  • The Ones That Walk Away From Omelas: Um pequeno conto da raínha da ficção cientifica, Ursula K. Le Guin, que nos faz pensar muito sobre as escolhas que fazemos diariamente, e o impacto que têm no resto da humanidade.
  • This is Going to Hurt: Um relato na primeira pessoa do serviço nacional de saúde britânico, mas que poderia muito bem ser no nosso. Actual e transversal.

De todos os livros que li este ano estes são os que se destacam mais, no entanto tem sido uma boa colheita cheia de bons títulos. Esperemos que o resto do ano seja pelo menos tão bom, que eu aqui vos vou dando conta.

Até lá, Boas Leituras!

Vencedora do Women’s Prize For Fiction 2022

ruth ozeki

Foi anunciada na passada quarta-feira dia 15 a vencedora do Women’s Prize for Fiction deste ano, Ruth Ozeki, com The Book of Form and Emptiness.

Ainda não li este livro, mas gostei muito do seu outro livro, A Tale for the Time Being, por isso tenho grandes expectativas em relação a este. As suas 480 páginas podem fazer com que demore um bocadinho a apetecer-me pegar nele, porque ando virada a leituras mais curtas ou menos complexas, mas está certamente no meu radar para 2022.

Começo a achar que estes são mesmo uns prémios a seguir, porque é o segundo ano seguido em que a vencedora foi mesmo a meu gosto.

Já leram este livro ou alguma das nomeadas?

Boas Leituras!

Feira do Livro de Lisboa 2022

FLL 2022

Já foram anunciadas as datas para a Feira do Livro de Lisboa 2022 que vai ser na mesma altura do ano passado. Vai realizar-se de 25 de Agosto a 11 de Setembro, cerca de duas semanas e meia de muita animação e sugestões de leitura.

O ano passado consegui finalmente lá ir, depois de alguns anos de interregno, e este ano calha novamente em altura de férias, por isso espero conseguir ir laurear a pevide no meio dos livros, mesmo que acabe por só comprar um gelado e uma água como em 2021.
O ambiente é sempre maravilhoso, e é um local onde dá prazer passear. Quem consegue ir ao final do dia, mesmo na hora final de abertura da feira, tem sido ainda presenteado com descontos especiais, por isso se não têm cachopos pequenos, ou têm uma boa babysitter, aproveitem para fazer um belo rombo na carteira.
Até lá, Boas Leituras!

Finalistas do Women’s Prize for Fiction 2022

Womens prize for fiction 2022

Já saiu a lista das finalistas do Women’s Prize for Fiction 2022, duma lista de 16 nomeadas da qual dei conta aqui. As finalistas são apenas 6 e eu continuo sem ter lido ainda nenhuma, mas já acrescentei 4 à minha lista de espera, principalmente após ter ouvido boas críticas em youtubes literários que sigo.

Build Your House Around My Body by Violet Kupersmith – Já está no meu Kindle, apesar de não saber muito sobre ele. Mas o título impressionou-me o suficiente para considerar lê-lo.
Great Circle by Maggie Shipstead – Um gigante de 608 páginas que me pareceu interessante o suficiente para lhe pegar. Confesso que quando o abro e o Kindle me mostra as horas que eu demoraria a lê-lo, tenho fechado e escolhido coisas mais pequenas. Não estou preparada para um comprometimento tão grande com um livro que tenho mesmo que prestar atenção neste momento.
Sorrow and Bliss by Meg Mason – Não me chamou a atenção, apesar de ter uma classificação altíssima no Goodreads. Não me parece que seja para o meu eu actual, no futuro logo se vê.
The Book of Form and Emptiness by Ruth Ozeki – É Ruth Ozeki e só isso já fez com que fosse o primeiro da lista. Tenho-o, mas ainda não tive o espírito certo para lhe pegar. Com um cachopo de 3 anos que alterna entre estados de doença e hiperactividade é difícil ter a atenção que este livro merece, disponível para ser dada.
The Bread the Devil Knead by Lisa Allen-Agostini – o título que me faz lembrar tanto a minha mãe e as suas expressões. Uma personagem principal com 40 anos. Boas críticas em todo o lado. Menos de 300 páginas. Tanta coisa que me faz querer pegar neste livro.
The Island of Missing Trees by Elif Shafak – Ora este tenho no meu Kindle há meses, vindo direitinho do Netgalley. Já devia ter lido e feito review, mas ainda não consegui ter cabeça para isso. Mas está definitivamente na minha lista de livros para 2022, que, como sempre, posso seguir ou não.

Fiquem por aqui para saber se alguns destes aparecem no futuro próximo, idealmente antes de ser nomeada a vencedora. Se já leram algum, partilhem a vossa opinião.

Até lá, Boas Leituras!

12 Livros Para 2022 (mais coisa menos coisa)

estante

Já aqui falei várias vezes que não sou muito dada a fazer listas de leitura, porque prefiro ler o que me apetece em cada momento, sem sentimentos de culpa. Mas isso não impede que eu eu, como boa livrólica, não goste de ter alguma ideia de livros que gostava de ler num futuro próximo. Vi algumas pessoas a fazer este desafio, de listar 12 livros para o este ano, e achei uma excelente ideia. Não consegui arranjar mesmo 12 livros, fiquei-me pelos 6 abaixo.

Balada Para Sophie, Filipe Melo – A única BD deste autor que ainda tenho por ler. Já comprei em 2020, mas estou a guardá-lo como um tesouro para ler quando conseguir dedicar atenção completa e desfrutar desta obra de arte. Espero que seja já este ano.

Slade House, David Mitchell – Comecei há vários anos a ler os livros deste autor por ordem de publicação. Acho que é o que mais se aproxima do conceito de autor favorito para mim. Os seus livros são histórias independentes, no entanto deixam sempre traços uns nos outros, quer em personagens, quer em pedaços de história. O último que li já em 2019, Bone Clocks, foi tão bom que me fez ter medo de pegar no seguinte e ter uma desilusão. Mas creio que está na hora.

Dune, Frank Herbert – Anda toda a gente a ler por causa do novo filme, e na realidade está no meu Kindle desde que tenho um, ou seja há 10 anos. Juntando a isso a pressão do outro leitor cá de casa, está na hora de pegar nele. Assim haja cabeça para entrar num mundo tão complexo.

Navegador Solitário, João Aguiar – Um dos livros de João Aguiar que comprei no OLX há algum tempo, e que tenho vindo a ler lentamente para saborear. Gosto muito deste autor, principalmente a sua ficção proto-histórica. Mas toda a sua prosa é muito boa, um dos autores subvalorizados da nossa língua. Recomendo muito!

A Trança de Inês, Rosa Lobato de Faria – Escolhi este, como poderia ter escolhido outro qualquer. Na realidade quero muito ler mais livros da Rosa, com o seu ar de senhora dondoca, mas que escondia dentro de si uma prosa escorrida, directa e cheia de humor. Uma maravilha!

Abraço, José Luis Peixoto – Outro dos autores cujo gosto partilhamos aqui em casa. Comprámos este livro quando saiu o ano passado, mas ainda nenhum de nós o leu. Está na lista de livros para serem lidos este ano.

Junto a isto um livro de poesia, um livro de viagens, uma não ficção sem ser de viagens, e tenho a minha lista de desejos completa. Veremos quantos destes consigo mesmo ler.

Até lá, Boas Leituras!

Os Cinco Melhores Livros de 2021

Ora já estamos a meio de Janeiro, mas ainda assim gostava de partilhar aqui os cinco melhores livros que li durante o ano passado. 2021 foi um ano surpreendente, principalmente no número de livros que consegui ler, uns prodigiosos 63. Mas, como é óbvio, nem todos ficaram com lugar marcado na minha memória. Mesmo assim, a grande maioria foi muito prazerosa e vou aproveitar para revisitar os que considero os 5 melhores, sem nenhuma ordem em particular.

Piranesi – Susanna Clarke

Foi dos primeiros livros que li em 2021, e mesmo assim ainda me lembro dele frequentemente. Comprei para oferecer no Natal, sugeri a quem me quis ouvir. Foi o vencedor do Women’s Prize for Fiction de 2021, não surpreendentemente.

É um livro estranho, passado numa casa que não tem fim, com vários andares, quartos, mares e marés, corredores cheios de estátuas e habitada por Piranesi, um homem que a conhece profundamente. É fantasia, mas daquela sem fadas nem elfos, é um thriller de mistério, é sobretudo um livro que nos faz pensar. Se ainda não leram, contemplem fazê-lo.

The Midnight Library – Matt Haig

Mais um livro que me fez pensar. Este dividiu opiniões, houve quem o achasse um “favorito para a vida”, outros acharam-no assim-assim. Eu gostei bastante, achei que tem uma abordagem interessante aos problemas de ansiedade, depressão, saúde mental, e acho que é interessante para ler e nos ajudar a refletir sobre a nossa vida e a dos outros.

The Collected Works – Scott McClanahan

Que pérola de livro. Cheguei a ele por uma recomendação feita no Goodreads a outra pessoa, mas aquela capa não me deixou indiferente. Maravilhoso, é como estar num café com um amigo meio estranho e ouvi-lo falar da vida, e sermos surpreendidos a cada instante. Apesar de ser feito de pequenas histórias, não fui capaz de o pousar até ter tudo lido.

Recomendo muito, vale mesmo muito a pena.

Romance de Cordélia – Rosa Lobato de Faria

Obviamente que tinha que incluir um autor português nesta lista, e o ano passado Rosa Lobato de Faria foi a que mais se distinguiu. Como é que demorei tanto tempo a perceber que os livros desta senhora eram pérolas refinadas que eu precisava mesmo ler. A subtileza, o humor, a clareza da escrita, é tudo maravilhoso.

Este livro em particular não tem uma história muito feliz, mas a maneira como está escrito é muito boa, e prende-nos do princípio ao fim. Aconselho muito a lerem livros desta autora!

Odeio-te e Amo-te – Sally Thorne

Considerando que dos 63 livros que li em 2021, 16 foram romances no sentido estrito, acho que é justo que ponha nesta lista o que eu gostei mais. Há alguns mesmo muito fraquinhos, nem sei o que me passou pela cabeça, mas houve alguns muito engraçados e bem escritos. É o caso deste de Sally Thorne, que me agradou imenso. Foi o primeiro desta autora, e da minha experiência o único que vale a pena. Os dois seguintes eram muito fraquinhos.

Mas descobri com este livro que o enredo que mais me diverte é o de enemies to lovers, e que sabe sempre bem ter um pouco de humor à mistura. No geral foi um livro que dispôs bem, divertiu e que se leu num sopro.

Estes foram os meus livros favoritos de 2021 e que eu aconselho a quase toda a gente. Se lerem, partilhem comigo o que acharam.

Até lá, Boas Leituras!

Vencedor Prémio Booker 2021

booker 2021

Foi anunciado no passado dia 3 de Novembro o vencedor do prémio Booker deste ano. The Promise, do sul-africano Damon Galgut, que nos fala da história duma família que vive numa quinta perto de Pretória, como a sua dinâmica vai mudando ao mesmo tempo que o panorama do país também evolui e cria novos desafios.

Tem um excelente rating no Goodreads, 4.09, e as pessoas são consensuais a descrever que a narrativa e a escrita são o grande motor do livro, o que deixa o leitor mesmo agarrado às páginas.

Parece-me interessante e complexo, e certamente entrou na minha lista de livros para ler. Já o leram?

Até lá, Boas Leituras!

Prémio Camões 2021 Foi Para Paulina Chiziane

Paulina Chiziane

No passado dia 20 de Outubro foi anunciado o Prémio Camões 2021 que foi para a escritora moçambicana Paulina Chiziane. Apenas li um livro dela até ao momento, Niketche, uma história de poligamia, e gostei mesmo muito. Fiquei com esta escritora no radar para ler mais coisas dela, mas infelizmente até hoje ainda não aconteceu.

O seu primeiro romance, Balada de Amor ao Vento, escrito em 1990, foi também o primeiro romance escrito por uma mulher moçambicana. Questões do papel da mulher e do feminismo são muito presentes na sua obra, principalmente na sua realidade moçambicana.

Creio que este prémio Camões pode vir dar um novo alento para eu pegar noutros livros dela, e espero que isto lhe traga mais visibilidade junto do grande público, mais que merecida.