Livros que Recomendo – Ensaio Sobre a Cegueira

saramago

O livro que venho recomendar hoje é bastante diferente do que já fiz até agora. Mais concretamente porque vos venho recomendar um livro que eu própria não li. Quando estava no 9º ano, era sócia do Círculo de Leitores e comprei o Memorial do Convento, e confesso que isso me vacinou de vez contra os livros de Saramago. Nunca consegui ultrapassar o facto daquilo não ter pontuação, e a história era qualquer coisa de surreal e surrealmente aborrecida para a minha mente de 14 anos.

Claro que já uma vida se passou, e acho que deve estar na altura de fazer as pazes com o nosso único Nobel. Ou pelo menos tentar reatar a relação. Resolvi escolher este livro porque me parece kamikaze retomar o Memorial do Convento. Por outro lado gostei bastante do filme de Fernando Meirelles retirado deste livro e parece-me uma aposta mais segura.

Já todos conhecemos a história, uma epidemia de cegueira atinge a maioria da população duma cidade e as consequências na estrutura social que daí advêm. Uma premissa simples, mas poderosa.

Recomendo a todos os amantes de Saramago, ou aqueles que, como eu, estão a tentar começar uma relação com ele. Se tiverem alguma sugestão a fazer, sejam livres! Se quiserem ler uma excelente crítica, vão aqui.

Boas Leituras!

Anúncios

Feira do Livro 2019

feira do livro 2019

Pois é, já estamos a chegar àquela altura do ano em que qualquer amante de livros se sente entusiasmado e predisposto a separar-se de alguns euros em troca de boa leitura (hum… talvez isso seja o ano todo).

Na realidade, como eu já tenho falado aqui, a Feira do Livro tem sido tomada de assalto pelos grandes grupos editoriais e tem perdido ao longo dos anos aquela mística de livros esquecidos no fundo de baús que são verdadeiros tesouros a preços simpáticos. Quantas vezes eu descobri autores novos simplesmente porque a capa e o ser livro do dia me chamava a atenção e saía da feira com mais um “amigo”.

Mas mesmo assim a feira não perde a sua aura de festa, de local privilegiado para se dar um passeio no meio de gente com o mesmo interesse que nós, ao mesmo tempo que se come um gelado ou outra iguaria das muitas que hoje populam o espaço. Quando era miúda, feira era sinónimo de queijadas de Sintra, já que os meus pais compravam um pacote para a família partilhar.

Por isso de 29 de Maio a 16 de Junho passem pelo Parque Eduardo VII e digam-me como aquilo está, que este ano parece-me que vou ter de passar a oportunidade.

Colecção Livros B Renascida

livros b

Lembro-me de ser mais miúda e ainda não ter o gosto literário muito amadurecido, e virem-me parar às mãos uns livros de capa preta e letras prateadas com toques de fantástico pelo meio. Um dos volumes que tive foi um de contos de Arthur Conan Doyle, aos quais não dei o devido valor e acabei por perder esses livros na espuma dos dias.

Agora, que já leio coisas diferentes e mais abrangentes, tenho pena de já não os ter para lhes dar uma nova oportunidade. Estes livros eram editados pela entretanto desaparecida Editorial Estampa, e foram no total 55 volumes, editados entre 1970 e 1991.

Ora aparentemente não sou a única a ter saudades desta colecção, porque a E-primatur, editora já nossa conhecida por ter reeditado o livro de Vilhena em edição fac-simile, resolveu retomar a colecção e continuá-la.

Assim, já saiu o volume 56 (na foto), e há pelo menos mais 3 na calha, de nomes que vão de Dumas a Chesterton. Deixo-vos aqui um artigo que fala sobre isso, e não se esqueçam de visitar a página da editora, onde se perfilam os novos projectos que eles planeiam desenvolver e onde temos a oportunidade de praticar mecenato.

Boas Leituras!

Amazing Thailand 2019

thailand

Lembram-se da viagem maravilhosa que o Peixinho ganhou neste concurso em 2016? Pois é, a oportunidade de participar outra vez começou esta semana, desta vez para sítios diferentes.

Este ano o quizz só demora 5 semanas, mais curto que no ano em que eu ganhei, mas o prémio é igualmente apetecível. Façam como eu, quem sabem não são os próximos a ganhar? Se forem, tragam-me uns caramelos de manga.

Sawadee ka, e podem participar aqui.

Man Booker International 2019

MBI-No-Year-rgb-Logo

Já voltámos aquela altura do ano em que o Man Booker começa a mexer e dar-nos ideias sobre o que ler a seguir. Começam por nos apresentar a lista de autores não anglo-saxónicos, mas que foram traduzidos para Inglês e publicados no UK. Este ano são 13 os nomeados, e confesso que destes não li nenhum ainda. Deixo-vos aqui a lista para consultarem.

  • Celestial Bodies by Jokha Alharthi
  • Love In The New Millennium by Can Xue
  • The Years by Annie Ernau
  • At Dusk by Hwang Sok-yong
  • Jokes For The Gunmen by Mazen Maarouf
  • Four Soldiers by Hubert Mingarelli
  • The Pine Islands by Marion Poschmann
  • Mouthful Of Birds by Samanta Schweblin
  • The Faculty Of Dreams by Sara Stridsberg
  • Drive Your Plow Over The Bones Of The Dead by Olga Tokarczuk
  • The Shape Of The Ruins by Juan Gabriel Vásquez
  • The Death Of Murat Idrissi by Tommy Wieringa
  • The Remainder by Alia Trabucco Zeran

 

Boas Leituras!

Notas de Romantismo – Márcio Vieira

notas_de_romantismo_14x20_ebook

O Peixinho adora poesia, como já todos sabem. Acredito que boa poesia tem um impacto na vida das pessoas, que seja abrindo horizontes, fazendo pensar, sendo manifesto político, ou como neste caso, espelhando emoções.

Mas neste caso, este livro de poesia tem um impacto real e directo na vida do seu escritor. O Márcio ficou tetraplégico há alguns anos devido a um acidente, e usa a pouca mobilidade que tem na sua mão direita para escrever poesia romântica, a sua favorita.

Agora editou finalmente um livro, cujas receitas reverterão a favor da compra duma viatura adaptada para lhe permitir sair de casa, quiçá em busca de mais inspiração.

Não li o livro (ainda), mas vem com certeza para a biblioteca cá de casa.

Podem ler mais sobre isto aqui, e comprar o livro aqui.

Boas Leituras!

A Verdade no Teatro Aberto

A-Verdade_Miguel-Guilherme_Paulo-Pires

 

Mais uma vez o Peixinho não deixou escapar uma peça em cena no Teatro Aberto. Na realidade desta vez tivemos que escolher se queríamos saber a Verdade ou a Mentira, já que são dois os espectáculos em cena, com os mesmos actores/personagens, mas histórias sensivelmente diferentes que nos confrontam com o peso de dizer ou esconder verdades e mentiras. Acabámos por escolher a Verdade, quer por questões de calendário, quer por questões de argumento. É possível ver as duas, claro, mas ficámos por aqui.

O espectáculo é uma comédia, para variar um bocadinho dos últimos que temos visto, mas apesar disso consegue, duma maneira leve, falar das dificuldades dos relacionamentos, das escolhas diárias que fazemos naquilo que revelamos ou não aos outros, e das teias relacionais em que muitas vezes estamos enredados. Foi uma boa experiência, como sempre com aquele toque de Teatro Aberto, onde os figurinos e os cenários são muito bem pensados e caem que nem luvas na história.

Aconselho muito a todos os que gostam de teatro, ou os que gostam dumas horas bem passadas em boa companhia. tudo é bom para nos libertar da ditadura do pequeno ecrã.

Boas Leituras, e Bons Espectáculos!

A Ulmeiro Renascida

ulmeiro

 

O Peixinho já se fartou de aqui falar da livraria Ulmeiro (nome correcto Livrarte, embora ninguém a conheça por esse nome), um alfarrabista/editor de Benfica que se encontrou em risco de fechar e que tem vindo lentamente a recuperar visitantes e a ser dinamizado. Podem ver artigos aqui e aqui.

Esta semana saiu mais uma notícia acerca deste renascimento, já que o dono e editor da Ulmeiro vai voltar à carga com novas edições de literatura portuguesa e brasileira. Para serem vendidos na livraria própria e não só.

Vai fazer também uma exposição sobre os 50 anos de história da sua editora na Fábrica do Braço de Prata sem data marcada ainda.

Eu fico muito contente por ver quando passo por lá diariamente no meu regresso a casa que a livraria tem sempre gente a desbravar aquelas largas centenas de títulos à procura dum tesouro especial. Eu própria já passei por lá muitas vezes, essencialmente em busca de poesia, mas ainda não encontrei o livro que me espera.

Se estiverem em Lisboa/Benfica passem por lá, vale a pena. Até lá, boas leituras!

Notícia e foto aqui.

Ainda Tenho um Sonho ou Dois

pop dellarte

Quase tanto como de livros, o Peixinho gosta de música. Enquanto as outras meninas iam para casa depois da escola e viam a Candy Candy, eu ficava deslumbrada a ver o Top of the Pops que dava na RTP na minha infância, e a ver um homem dançar com um ramo de rosas no bolso de trás das calças (Morrisey) ou um homem de lábios pintados (Robert Smith) e perguntava à minha mãe porque é que eles faziam aquilo.

O fascínio pela música diferente ficou, e sempre me acompanhou em todas as fases da vida, passando por (quase) todos os estilos musicais.

Com as bandas portuguesas passou-se o mesmo e eu sempre fiquei fascinada por coisas diferentes e fora dos circuitos comuns da rádio. O que me leva ao que vos venho falar hoje. Deu a semana passada na RTP2 um documentário sobre uma das bandas portuguesas mais experimentais e incatalogáveis, os Pop Dell’Arte. O documentário foi realizado pelo Nuno Duarte, que é normalmente conhecido por Jel, e está muito bem feito.

É documental sem ser chato, mostra as realidades sem ser melodramático, e tem testemunhos em primeira mão dos (muitos) artistas que passaram pela banda. Confesso que um ou dois me surpreenderam, não fazia ideia que tinham tocado com eles (por exemplo JP Simões).

Aconselho a todos os que são fãs, os que querem saber mais sobre música portuguesa e sobre a nossa história cultural. E para que não fiquem a lamentar ter perdido, deixo em baixo os links para o documentário, que está disponível no RTP Play. Verdadeiro serviço público da estação.

Boas Leituras e Boas Cantorias

Documentário aqui

Música que dá título ao filme e ao post aqui

Vencedor Man Booker 2018

Manbooker 2018

Há algumas semanas vim aqui partilhar quem eram os finalistas do Man Booker 2018 e as minhas impressões sobre cada um apreciando apenas a sinopse.

Ontem foi finalmente anunciada a vencedora deste ano, que era a primeira finalista, Anna Burns com Milkman. Tal como disse no artigo anterior, parece-me uma aposta interessante e que tenho vontade de ler, contrariamente ao vencedor do ano passado, que me parece apenas chato.

Pelo que leio nos comentários é daqueles livros que se ama ou odeia, por isso considero um desafio lê-lo. Hei-de fazê-lo em breve.

Boas Leituras!