How To Be Perfect

ron padgett

Get some sleep.
Don’t give advice.
Take care of your teeth and gums.
Don’t be afraid of anything beyond your control. Don’t be afraid, for
instance, that the building will collapse as you sleep, or that someone
you love will suddenly drop dead.
Eat an orange every morning.
Be friendly. It will help make you happy.
Raise your pulse rate to 120 beats per minute for 20 straight minutes
four or five times a week doing anything you enjoy.
Hope for everything. Expect nothing.
Take care of things close to home first. Straighten up your room
before you save the world. Then save the world.
Know that the desire to be perfect is probably the veiled expression
of another desire—to be loved, perhaps, or not to die.
Make eye contact with a tree.
Be skeptical about all opinions, but try to see some value in each of
them.
Dress in a way that pleases both you and those around you.
Do not speak quickly.
Learn something every day. (Dzien dobre!)
Be nice to people before they have a chance to behave badly.
Don’t stay angry about anything for more than a week, but don’t
forget what made you angry. Hold your anger out at arm’s length
and look at it, as if it were a glass ball. Then add it to your glass ball
collection.
Be loyal.
Wear comfortable shoes.
Design your activities so that they show a pleasing balance
and variety.
Be kind to old people, even when they are obnoxious. When you
become old, be kind to young people. Do not throw your cane at
them when they call you Grandpa. They are your grandchildren!
Live with an animal.
Do not spend too much time with large groups of people.
If you need help, ask for it.
Cultivate good posture until it becomes natural.
If someone murders your child, get a shotgun and blow his head off.
Plan your day so you never have to rush.
Show your appreciation to people who do things for you, even if you
have paid them, even if they do favors you don’t want.
Do not waste money you could be giving to those who need it.
Expect society to be defective. Then weep when you find that it is far
more defective than you imagined.
When you borrow something, return it in an even better condition.
As much as possible, use wooden objects instead of plastic or metal
ones.
Look at that bird over there.
After dinner, wash the dishes.
Calm down.
Visit foreign countries, except those whose inhabitants have
expressed a desire to kill you.
Don’t expect your children to love you, so they can, if they want to.
Meditate on the spiritual. Then go a little further, if you feel like it.
What is out (in) there?
Sing, every once in a while.
Be on time, but if you are late do not give a detailed and lengthy
excuse.
Don’t be too self-critical or too self-congratulatory.
Don’t think that progress exists. It doesn’t.
Walk upstairs.
Do not practice cannibalism.
Imagine what you would like to see happen, and then don’t do
anything to make it impossible.
Take your phone off the hook at least twice a week.
Keep your windows clean.
Extirpate all traces of personal ambitiousness.
Don’t use the word extirpate too often.
Forgive your country every once in a while. If that is not possible, go
to another one.
If you feel tired, rest.
Grow something.
Do not wander through train stations muttering, “We’re all going to
die!”
Count among your true friends people of various stations of life.
Appreciate simple pleasures, such as the pleasure of chewing, the
pleasure of warm water running down your back, the pleasure of a
cool breeze, the pleasure of falling asleep.
Do not exclaim, “Isn’t technology wonderful!”
Learn how to stretch your muscles. Stretch them every day.
Don’t be depressed about growing older. It will make you feel even
older. Which is depressing.
Do one thing at a time.
If you burn your finger, put it in cold water immediately. If you bang
your finger with a hammer, hold your hand in the air for twenty
minutes. You will be surprised by the curative powers of coldness and
gravity.
Learn how to whistle at earsplitting volume.
Be calm in a crisis. The more critical the situation, the calmer you
should be.
Enjoy sex, but don’t become obsessed with it. Except for brief periods
in your adolescence, youth, middle age, and old age.
Contemplate everything’s opposite.
If you’re struck with the fear that you’ve swum out too far in the
ocean, turn around and go back to the lifeboat.
Keep your childish self alive.
Answer letters promptly. Use attractive stamps, like the one with a
tornado on it.
Cry every once in a while, but only when alone. Then appreciate
how much better you feel. Don’t be embarrassed about feeling better.
Do not inhale smoke.
Take a deep breath.
Do not smart off to a policeman.
Do not step off the curb until you can walk all the way across the
street. From the curb you can study the pedestrians who are trapped
in the middle of the crazed and roaring traffic.
Be good.
Walk down different streets.
Backwards.
Remember beauty, which exists, and truth, which does not. Notice
that the idea of truth is just as powerful as the idea of beauty.
Stay out of jail.
In later life, become a mystic.
Use Colgate toothpaste in the new Tartar Control formula.
Visit friends and acquaintances in the hospital. When you feel it is
time to leave, do so.
Be honest with yourself, diplomatic with others.
Do not go crazy a lot. It’s a waste of time.
Read and reread great books.
Dig a hole with a shovel.
In winter, before you go to bed, humidify your bedroom.
Know that the only perfect things are a 300 game in bowling and a
27-batter, 27-out game in baseball.
Drink plenty of water. When asked what you would like to drink,
say, “Water, please.”
Ask “Where is the loo?” but not “Where can I urinate?”
Be kind to physical objects.
Beginning at age forty, get a complete “physical” every few years
from a doctor you trust and feel comfortable with.
Don’t read the newspaper more than once a year.
Learn how to say “hello,” “thank you,” and “chopsticks”
in Mandarin.
Belch and fart, but quietly.
Be especially cordial to foreigners.
See shadow puppet plays and imagine that you are one of the
characters. Or all of them.
Take out the trash.
Love life.
Use exact change.
When there’s shooting in the street, don’t go near the window.
Ron Padgett, “How to Be Perfect” from Collected Poems. Desejos para 2019.
Anúncios

Livros que Recomendo -O Retrato de Dorian Gray

Dorian Gray

Quase no final do ano continuo a tendência da semana passada de recomendar clássicos com um toque de diferença e que foram polémicos na altura do seu lançamento. Este livro de Oscar Wilde é ao mesmo tempo incrivelmente simples e misterioso, mostra-nos um lado da natureza humana e acredita-se que cada personagem diferente mostre uma faceta do escritor.

A história não é complexa e ecoa Fausto de Goethe. Dorian Gray é um rapaz novo, belo e de uma classe abastada, completamente virado para uma vida hedonista. É amigo e mecenas dum pintor, Basil, que é um homem da moralidade e ao mesmo tempo apaixonado por Dorian. No entanto, quando se dá o encontro com Lord Henry, amigo de Basil  que advoga um novo hedonismo, Dorian mergulha mais fundo no culto da beleza e do prazer transitório. Angustiado com a perspectiva de envelhecer faz um pacto com o Diabo de modo a que apenas o seu retrato, pintado por Basil, envelheça e não ele.

Esta é a base da história que pretendia ser uma sátira aos princípios morais vigentes na época vitoriana, muito rígidos mas que ao mesmo tempo escondiam vidas duplas e duplicidade.

Tal como Orlando, se bem que de modo diferente, este livro é mágico e um reflexo duma época mas que se podia aplicar bem aos dias de hoje, em que nos damos aos outros em redes sociais onde mostramos felicidade e prazer perpétuos, sempre dedicados a actividades que permitam mais um clique, mais uma foto no Instagram, algo que nos dê validação externa.

Recomendo a todos os que gostam de clássicos despretensiosos e de fácil leitura, aos que gostam de livros que nos agarram, nos fazem pensar ao mesmo tempo que nos divertem.

Boas Leituras!

Balanço de 2018

balanco

Como sempre nesta altura do ano, gosto de reflectir sobre o que se passou no ano que termina, e os objectivos que foram ou não conseguidos. Um balanço, na verdadeira acepção da palavra.

2018 foi um ano de desafios na minha vida. Não teve um começo nada brilhante e houve eventos que tiveram um impacto profundo na minha vida. Mas foi mais um ano de muitas e diversificadas leituras, e é essencialmente sobre isso que vou fazer o meu balanço.

Terminei 2017 fazendo alguns planos, vamos ver como correram.

Regressar às viagens. Acabei 2017 cheia de vontade de viajar, no entanto os acontecimentos andaram sempre à minha frente e não foi possível voltar ao estrangeiro. No entanto fiz umas belas passeatas cá dentro a sítios que já são como segunda casa, como Aljezur e as aldeias de xisto, e outros que fui conhecer, como Miranda do Corvo e Constância. Valeram a pena.

50 livros como objectivo do Goodreads. Como já falei aqui, este foi um objectivo atingido, mesmo a finalizar o mês. Dever literário cumprido.

Continuar a minha utilização frequente do Netgalley e manter a percentagem  de feedback acima dos 80%. Dos 50 livros lidos em 2018, 18 foram do Netgalley, o que significa que foram títulos novos, por vezes autores novos que acabei por conhecer. O balanço é claramente positivo, venha mais um ano.

Mais poesia, no blog como na vida! O blog continua alegremente a mostrar poesia todas as segundas-feiras, essencialmente portuguesa mas não só. A minha poesia também já apareceu aqui no blog, mas a escrita foi mais irregular. A minha casa está cheia de revistas belas como a Nervo e a Eufeme para trazer versos à vida.

– O Peixinho está cheio de histórias cá dentro que querem ver a luz do dia. Mas ainda não foi em 2018 que elas sairam cá para fora.

2018 foi um ano diferente e estranho para mim, e 2019 promete trazer muitas surpresas. Vamos ver o que lá vem.

Boas Leituras e Boas Festas!

Chove. É Dia de Natal.

Almada Negreiros - Portrait of Fernando Pessoa, 1954

Chove. É dia de Natal.
Lá para o Norte é melhor:
Há a neve que faz mal,
E o frio que ainda é pior.

E toda a gente é contente
Porque é dia de o ficar.
Chove no Natal presente.
Antes isso que nevar.

Pois apesar de ser esse
O Natal da convenção,
Quando o corpo me arrefece
Tenho o frio e Natal não.

Deixo sentir a quem quadra
E o Natal a quem o fez,
Pois se escrevo ainda outra quadra
Fico gelado dos pés.

Fernando Pessoa, in ‘Cancioneiro’

Livros que Recomendo – Orlando

orlando

O livro que venho recomendar hoje é assim como um sonho estranho. Tão estranho que eu creio que quando o li não consegui abarcar toda a sua complexidade e creio que o deveria ler novamente.

Orlando foi escrito por Virginia Woolf, uma escritora inglesa do início do século XX tendo como inspiração a sua amiga/amante Vita Sackville-West. O livro é a história de Orlando, que nasce algures no século XVI no reinado de Elizabeth I de Inglaterra. É de origem nobre e cresce na corte, onde se apaixona por uma princesa russa, que mais tarde acaba por traí-lo. Isso leva a que retome um poema que tinha começado anos antes Into the Oak Tree. Este poema vai acompanhá-lo por toda a vida, que se prolonga misteriosamente no tempo até ao século XIX.

Aos 30 anos Orlando sofre também outra mudança drástica, onde após dormir vários dias, acorda transformado numa mulher. Essencialmente Orlando continua a ser a mesma pessoa, com a mesma personalidade, o mesmo intelecto, mas atravessou uma mudança de sexo, e passa agora a ver o mundo de outro prisma.

Ao longo do livro percebemos que para Orlando o tempo é fluido, às vezes numa semana atravessamos muitos anos, ou ficamos parados em alguns momentos. Fluida é também a sua sexualidade, já que ao longo do livro Orlando oscila entre o feminino e o masculino, acabando por casar com um capitão dum navio no final do século XIX, e publica finalmente o seu poema em 1928, que é bem recebido pela critica.

Este livro aborda muitos temas à frente do seu tempo, como as questões de género, a sexualidade, mas também o feminismo. Essencialmente passa-nos a mensagem que somos intrinsecamente nós próprios, independentemente da roupagem exterior, ou dos constrangimentos temporais. Orlando, mesmo viajando com ciganos romenos e desejando pertencer à sua tribo, nunca conseguiu distanciar-se do facto que tinha nascido como aristocrata inglês e perder esses privilégios.

Apesar dos temas fortes, Orlando é um livro suave e divertido, cheio de sátiras escondidas à sociedade inglesa e mesmo à própria Sackville-West. É uma leitura rica, complexa, em que temos de estar atentos ao que é escrito, mas onde nos podemos perder numa espécie de nevoeiro mágico.

Recomendo a todos os que gostam de grandes clássicos da literatura, histórias belas e etéreas.

Boas Leituras!

Desafio Cumprido

reading challenge

Terminado o livro do Netgalley que vos falei aqui, acabei também por atingir o meu objectivo pessoal de ler 50 livros em 2018. Já sabem que é uma competição essencialmente comigo mesma, e que não ficaria assim tão triste se não chegasse lá, no entanto sabe sempre bem chegar ao final do ano e ver que consegui ler mais 50 livros, e quase todos bons.

Das mais de 15 mil páginas que li, apenas 3 livros mereceram 2 estrelas, e a grande maioria estava nas quatro. Foi uma boa colheita.

Em 2019 serei mais comedida no meu objectivo, vamos ver que desafios o novo ano nos trás.

Boas leituras!

Os meus livros do ano.

Acabei de Ler – One Part Woman

one part woman

Keep scrolling if you prefer to read in English.

Ano a terminar e eu resolvi prolongar a pausa na série Wheel of Time para ler mais um livro do Netgalley. Este é passado na Índia rural, algures no passado recente, e é escrito por um autor indiano de origem Tamil.

Conta-nos a história de Kali e Ponna, um casal novo mas já com 12 anos de casamento. Não têm filhos, apesar das inúmeras oferendas a muitos deuses diferentes e isso torna-os motivo de escárnio do resto da aldeia e preocupação/recriminação para o resto da família.

Kali e Ponna amam-se profundamente, e são muito felizes a dois, mas o peso da pressão social leva-os a tentar medidas cada vez mais desesperadas para conseguirem ser abençoados com uma criança e voltar a pertencer ao seu círculo social.

Este livro, que descreve a sociedade indiana dum modo tão cru e por vezes sarcástico, levou a violentos protestos no Sul da Índia por parte de grupos religiososos hindus, culminando com o livro a ser banido. Mais tarde o Supremo Tribunal considerou que isso era ilegal, e admoestou o Estado para proteger melhor os seus escritores. Essa foi a importância social que este livro já atingiu.

Podemos ler este livro como o retrato dum país numa determinada época, ou podemos aproveitar para fazer uma reflexão sobre nós próprios. Quantas vezes nos deixamos influenciar por aquilo que os outros esperam de nós, quantas vezes perseguimos uma coisa porque é aquilo que era suposto termos ou sermos, quantas vezes moldamos os nossos desejos à medida dos outros, mesmo inconscientemente? Não vivemos numa aldeia da Índia rural, mas as redes sociais e os seus justiceiros tornam a nossa vida bem mais pequenina. Se acham que não, pensem em quantas pessoas já foram despedidas ou fizeram pedidos de desculpas públicos por pressão das redes sociais. E quem de nós achar que está imune, é só fazer um dia o comentário errado no sítio errado.

E mais importante, quantos de nós, tal como Kali e Ponna, já são felizes sem o saberem?

Recomendo a todos os que gostam duma boa história, diferente e que nos faz pensar.

Boas Leituras!

Goodreads Review

As we near the end of the year I decided to prolong my break on the Wheel of Time series I’ve been Reading, and dive into another Netgalley book. This is set in rural India and was written by a Tamil writer.
It tells us the story of Kali and Ponna, a young couple with a childless, 12 years marriage. They still don’t have any children, despite all the offers they have made to countless deities and penances made to appease the gods.

Kali and Ponna love each other deeply and are very happy as a couple, however the social pressure takes them to the brink of despair, and they escalate the sacrifices made to the gods in the attempt of finally conceiving a child and come back to the good graces of family and neighbors alike.

We can look at this book as a portrait of a country on a particular time, or we can choose to make a reflection about ourselves. How many times do we let ourselves be influenced by other people’s expectations about how we should lead our lives? How many things do we pursue just because we believe we were meant to have them, or be a certain way to achieve happiness? How many times do we shape our wishes according to other people’s own desires, even without realizing it? We may not live in rural India, but the social media nowadays can make our world very small indeed. If you do not believe it, think about people that have lost their jobs or were forced to public apologies as a consequence of social media pressure. And if you believe you are immune to it, wait until unwillingly you make the wrong comment in the wrong place.

And, the most important thing of all, how many of us, just like Kali and Ponna, are already happy without realizing it?

I recommend it to everyone who likes a good story that also makes you think.

Happy Readings!

Os Paraísos Artificiais

jorge_sena

Na minha terra, não há terra, há ruas;
mesmo as colinas são de prédios altos
com renda muito mais alta.

Na minha terra, não há árvores nem flores.
As flores, tão escassas, dos jardins mudam ao mês,
e a Câmara tem máquinas especialíssimas para desenraizar as árvores.

Os cânticos das aves – não há cânticos,
mas só canários de 3º andar e papagaios de 5º.
E a música do vento é frio nos pardieiros.

Na minha terra, porém, não há pardieiros,
que são todos na Pérsia ou na China,
ou em países inefáveis.

A minha terra não é inefável.
A vida da minha terra é que é inefável.
Inefável é o que não pode ser dito.

Jorge de Sena

Acabei de Ler: The Quiet You Carry

the quiet you carry

Keep scrolling if you prefer to read in English

Apesar do que eu disse num dos últimos posts, acabei por conseguir descolar um bocadinho da série Wheel of Time. Quando peguei no quarto volume, percebi que afinal queria mesmo alguma coisa nova e diferente e por isso fui até às minhas sugestões do Netgalley buscar qualquer coisa radicalmente diferente para me entreter. E não me arrependi.

The Quiet You Carry é o romance de estreia de Nikki Barthelmess, uma escritora americana que passou parte da sua juventude em lares de acolhimento (dos 12 aos 18 anos percorreu 6 casas diferentes) e resolveu traduzir a sua experiência num livro. Como ela própria diz no posfácio, a história que ela conta não é a dela, nem a de ninguém próximo dela, mas o resultado de anos de experiência com um sistema que por vezes falha, e que ela conhece por dentro.

Neste livro seguimos a história de Victoria, uma jovem de 17 anos que vê a sua vida virada do avesso numa noite em que determinados acontecimentos com o seu pai precipitam a sua saída de casa e realojamento num lar de acolhimento com uma mãe adoptiva que gere as suas “filhas” como se fosse um militar num quartel. A partir daí acompanhamos as suas dificuldades de adaptação, as suas inseguranças, a falta de confiança em toda a gente quando a pessoa em quem ela mais confiava lhe falhou.

As reacções são muito verossímeis, conseguimos imaginar que a cabeça duma adolescente abusada tenha aquela espiral de pensamentos, oscilando entre a culpa, a raiva, a suspeita e a dúvida, causando um turbilhão interno que se estende ao meio envolvente.

Como sempre com estes livros do Netgalley não faço ideia se será editado em português, e ainda é cedo para saber porque o livro só será comercializado em Março de 2019, mas de qualquer modo fica já a recomendação para quem gosta de histórias bem contadas, sobre temas difíceis, sem melodramatismos desnecessários.

Boas Leituras!

Goodreads Review

No one can really see the quite you carry, unless you let them.

Despite what I said in one of my previous posts, that I would not be able to let go the Wheel of Time series to embark on a different reading, I managed to do just so. When I started the 4th book of the series I just felt like I wanted something different, so I opened my Netgalley folder on my Kindle and picked “The Quiet You Carry” on the hopes that it would be different enough. And I wasn’t wrong.

This book is Nikki Barthelmes debut novel, an american writer that spent part of her teen years in foster care in Nevada (from 12 to 18 years old she had 6 different homes) and she decided to translate her experience into a book. This story is not her personal story, or from anyone she knows, but a conjunction of the experiences she learned while in foster care, a system that is flawed and she knows from inside out.

We follow Victoria’s story, a 17 year old young girl that finds herself thrown out of her home by her own father overnight, and sees her life be turned upside down just when she was about to graduate. One night events send her to foster care, to Connie’s house that is ruled with an iron fist and is filled with rules and regulations. We then go on to see how she adapts to her new school, how she struggles to fit in, and how she has a difficulty in trusting someone else, seeing that the person she should trust the most failed her.

Her reactions are very believable, and it’s not hard to believe that those conflicted emotions would fill the mind of an abused teenage girl. She goes from guilt to anger to self-doubt causing such turmoil that will escalate to her environment.

As usual with Netgalley books, I have no idea if this will ever be translated to Portuguese, and it is still early to tell, as the book is only coming out next March, but I leave the recommendation anyway to all of those who like good stories, well told, about different things and settings than the ones we are used to.

Happy Readings.

 

 

Pastelaria

cesariny

Afinal o que importa não é a literatura nem a crítica de arte nem a câmara escura
Afinal o que
importa não é bem o negócio
nem o ter dinheiro ao lado de ter horas de ócio
Afinal o que
importa não é ser novo e galante
– ele há tanta maneira de compor uma estante
Afinal o que
importa é não ter medo: fechar os olhos frente ao precipício

e cair verticalmente no vício
Não
é verdade rapaz? E amanhã há bola
antes de haver cinema madame blanche e parola
Que afinal
o que importa não é haver gente com fome
porque assim como assim ainda há muita gente que come
Que afinal
o que importa é não ter medo
de chamar o gerente e dizer muito alto ao pé de muita gente:
Gerente! Este leite está azedo!
Que afinal
o que importa é pôr ao alto a gola do peludo
à saída da pastelaria, e lá fora – ah, lá fora!
– rir de tudo
No riso admirável
de quem sabe e gosta
ter lavados e muitos dentes brancos à mostra

Mario Cesariny