Livros que Recomendo – Ganhe Tempo Adiando as Reuniões Com Imbecis

dilbert

O Dilbert é sobejamente conhecido de todos. Criado Por Scott Adams em 1989, depois deste ter sido despedido da empresa em que trabalhava, Dilbert é um engenheiro que trabalha numa empresa e tem um cão, Dogbert. É sobre a vida empresarial e o seu muito incompetente chefe que toda a accção se desenrola. Teve um sucesso enorme e hoje em dia aparece diariamente em cerca de 2000 publicações.

Scott Adams com este personagem criou o princípio de Dilbert, que diz, em traços largos, que as pessoas mais incompetentes são colocadas em cargos de chefia, porque fazem menos danos que se fizessem trabalho real, e foi inspirado na sua experiência em empresas tecnológicas americanas.

Este livro, Ganhe Tempo Adiando as Reuniões com Imbecis, foi-me oferecido por uma ex colega de trabalho e é o único que tenho, mas vou seguindo as tiras online, que continuam bastante actuais, mesmo em tempos de pandemia.

Ao longo destes anos Dilbert foi evoluindo, as suas roupas foram actualizadas, mas o espírito mantêm-se o mesmo, e a sua mordacidade também. Recomendo a todos os que gostam de comics e de ler coisas divertidas.

Boas Leituras!

Livros que Recomendo – Tangências

tangencias

Quem lê este estaminé sabe bem da minha paixão pela BD deste senhor. Recentemente foi editado o seu novo livro O Pacto da Letargia, mas enquanto não compro esse vou-me entretendo a reler os que cá tenho.

O que nos leva a este livro, Tangências, mais uma vez de belissímos desenhos e muita qualidade artística. Nele vemos muitas relações interpessoais, essencialmente histórias de amor tangenciais, em que as pessoas se tocam de modo fugaz, num terminar de relações.

Um livro muito bonito quer esteticamente, quer na qualidade das histórias. A paleta cromática escolhida ajuda a acentuar os sentimentos de desencanto e insatisfação, e realmente é um livro que vale a pena ler.

Recomendo a todos os fãs de BD, de boas histórias e de coisas bonitas.

Boas Leituras!

Livros que Recomendo – Adam

adam

A semana passada recomendei aqui uma distopia pós-apocalíptica e disseram-me cá em casa que talvez tenha sido demais considerando os eventos recentes. Assim, esta semana venho aconselhar uma coisa também adequada ao tempo que vivemos, mas mais bem disposta.

Adam é um homem que decide trabalhar a partir de casa e tomar conta dos seus filhos, enquanto a esposa continua a sua carreira laboral. Isso dá azo a imensas peripécias, e um relato muito engraçado do que é ter que trabalhar a partir de casa e cuidar de crianças ao mesmo tempo, que eu suponho que seja a realidade de muita gente neste momento.

Um livro com muito humor, divertido, e que se deve conseguir comprar online, sem grandes deslocações.

E entretanto, Boas Leituras!

Livros que Quero Ler – O Pacto da Letargia

letargia

O Peixinho adora o trabalho de Miguelanxo Prado, e já li praticamente todos os livros dele. Para além disso é também uma pessoa interessante e terra a terra, pelo que se pode ver no modo como lida com os fãs que o seguem no Facebook (eu, culpada, me confesso).

Saiu este Janeiro o novo livro dele, O Pacto da Letargia (El Pacto del Letargo, em galego) e mal posso esperar para lhe deitar as mãos. Este é um daqueles casos em que nem sequer preciso ver a sinopse, porque dificilmente sairei desiludida, mas em todo o caso espreitei e é uma história que se passa quando são encontradas as notas dum professor aposentado sobre uma antiga ordem de anjos e demónios, e o mistério começa aí.

Estou entusiasmada, e desejosa de lhe poder pôr as mãos para começar a ler.

Até lá, Boas Leituras!

Livros que Recomendo – As Incríveis Aventuras de Dog Mendonça e PizzaBoy

pizzaboy

Já não é a primeira vez que venho aqui falar das BDs imaginadas por Filipe Melo e desenhadas por Juan Cavia, mas foi aqui que começou toda a aventura. Filipe Melo tinha o que sabia ser uma boa história e tentou durante bastante tempo transformá-la num filme. Quando essa opção tardou em aparecer, resolveu unir-se a um excelente desenhador e transformar a ideia numa BD.

Profundamente portuguesa e lisboeta, esta história de Dog Mendonça e Pizzaboy tem um ar noir, transgressivo e muito, muito divertido. É muito fácil gostar destes personagens loucos, que incluem um demónio num corpo duma menina de 12 anos, ou uma cabeça de uma gárgula, e a história lê-se num instante e deixa-nos um gostinho por mais.

E ainda bem, porque há mais uns quantos volumes com os nossos amigos, que vão em crescendo de qualidade. A história é boa, mas os desenhos são a grande mais valia deste livro. São fenomenais, com um ambiente muito bom.

Recomendo a todos os que gostam de BD, de histórias fantásticas e do fantástico.

Boas Leituras!

Livros que Recomendo – Cathy

cathy

Algures no início dos anos 90 começou a ser traduzida para português a BD Cathy, editada pela Gradiva. Nesse Natal eu e a minha melhor amiga oferecemo-nos mutuamente o livro, sem uma saber da outra. Cathy é uma BD que foi publicada nos Estados Unidos diariamente de 1976 a 2010 e reflectia a “mulher real”. Pelo menos uma mulher real com a qual nos podíamos relacionar. Sempre a lutar com o peso, namorados errados, e uma mãe que o que mais queria é que ela estivesse no lugar da Princesa Diana e casasse com realeza.

Muito divertido e escrito com muito auto-conhecimento, estas BD’s proporcionaram-me muitas horas de diversão, até a minha vida ter mudado de direcção e a personagem deixar de se adequar tanto à minha própria realidade.

Ainda devo ter muitos volumes em casa dos meus pais, que um dia gostarei de reler. Creio que na maior parte as piadas já estarão datadas, e mesmo o tipo de desenho já parece muito rústico, mas creio que o espírito divertido de auto-censura ainda se manterá. Para quem não se importa com o inglês, todas as tiras podem ser encontradas aqui, e uma descrição da autora aqui.

Recomendo a todos os amantes de BD e de mulheres reais.

Boas Leituras.

Acabei de Ler – Frango com Ameixas

ameixas

 

Já sabem que sou grande fã de novelas gráficas, e também de Marjane Satrapi, autora de Persepolis que já aqui recomendei.

Descobri através do Instagram do Peixinho que o Público e a Levoir tinham lançado este Frango com Ameixas e corri a comprá-lo. Claro que nesta fase da vida, livros em que precise das duas mãos para ler tendem a ficar na estante mais tempo (já sou pró a usar o Kindle pousado numa superfície e passar páginas quase com o cotovelo), mas finalmente arranjei um tempinho para me dedicar a ele.

A história é a do tio avô da autora, famoso tocador de tar, a quem partem o precioso instrumento. Depois de muitas tentativas para o substituir, Nasser Ali Khan perde o sentido da vida e decide que quer morrer.

É uma história triste e romântica, cheia de volte faces tão surpreendentes como a natureza humana, simples mas muito bem construída.

Recomendo a todos os que gostam de novelas gráficas, histórias de amor, beleza em geral. Não se vão arrepender.

Boas leituras!

Goodreads Review

Livros que Recomendo – Salamão e Mortadela

salamao

Ora quem segue o Peixinho sabe da minha predilecção por BD, especialmente aquela que é mesmo uma arte, como Neil Gaiman ou Miguelanxo Prado. Mas às vezes também sabe bem ler daquela BD que não tem mais intuito nenhum a não ser fazer-nos dar umas gargalhadas, e muitas vezes por coisas bastante parvas.

É o caso destes livros do Salamão e Mortadela que li algures no final da minha adolescência e muito me divertiram. O humor não é fino e refinado, e o traço não é absolutamente belo, como tantas coisas que tenho partilhado aqui, mas é entretenimento para toda a família, e sobretudo ideal para alturas, como aquela em que me encontro, que o cérebro não consegue absorver informação muito complexa.

Salamão e Mortadela são agentes da TIA, mas não são uns agentes quaisquer. Salamão é profundamente azarado, e Mortadela tenta sempre resolver tudo com um disfarce inútil, que só ajuda à confusão. São também ajudados por uma fiel secretária, um inventor duvidoso, e claro, têm um chefe irascível e pouco eficaz. Clara paródia aos mistérios do James Bond e às agências secretas como a CIA. O seu autor é um espanhol Francisco Ibañez e a primeira publicação em Espanha já data de 1958.

Sei que se fez um filme recentemente, mas sinceramente não vi e não creio que seja uma obra prima. Os livros também já devem andar esgotados nas livrarias, mas ainda anda muita coisa nos OLX da vida, caso estejam mesmo interessados.

Recomendo a todos os que gostam de divertimento sem compromissos, humor com um toque ibérico e BD em geral.

Boas Leituras!

Acabei de Ler – Ardalén

Ardalén

Quem anda pelo Peixinho já sabe que eu gosto muito de BD, e dentro dela tenho algumas preferências. Já falei de Miguelanxo Prado, um autor galego, aqui e aqui. Acho que posso mesmo dizer que é dos meus autores favoritos, com uma estética inconfundível. As suas histórias vão também do humor, à sensualidade, ao fantástico inspirado pela sua Galiza.

Este livro foi-me oferecido no Natal de 2016, no seu galego original e eu andei a guardá-lo como um tesouro, com pena de o ler a acabar a magia. Mas finalmente arranjei tempo de qualidade, com a dedicação que este livro merece, e, obviamente, terminei-o num dia.

Ardalén, que é o nome que se dá a um vento que vem do Atlântico, do imenso mar, e que carrega consigo a nostalgia e a história do povo galego, permeia toda esta história, que é relativamente simples. Sabela, uma mulher de 40 anos que se divorcia e está desempregada, quer saber quem é buscando as duas raízes. Sabe que teve um avô que andou embarcado e que acabou por morrer no estrangeiro, mas não sabe mais nada dele. A não ser a aldeia de onde é originário, e é aí que vai começar a sua busca por mais informações, na esperança de ganhar também um  sentido para a sua vida.

É aí que Sabela conhece o velho Fidel, que está fechado na sua casa rodeado das suas recordações do tempo que passou no mar, e que se senta regularmente à beira da floresta quando sopra o Ardalén, para ver as baleias que vivem no meio dos eucaliptos e retornam ao mar. Entre os dois gera-se cumplicidade e amizade, e as coisas tomam rumos que nós não esperávamos. Como sempre, Miguelanxo tem um olhar acutilante e muito certeiro sobre a vida e a maledicência nas aldeias, e não perde a sua oportunidade de nos mostrar essa dinâmica.

Como sempre com ilustrações belíssimas, de tirar o fôlego e de nos fazer entrar dentro da história. Recomendo a todos os amantes de BD, mas também àqueles que gostam de sonhar com histórias belas e diferentes.

Goodreads Review

Boas Leituras!