Livros que Recomendo – Deaf Sentence

david lodge

Se há um autor do qual eu li quase todos os livros é David Lodge, e não me lembro de alguma vez me ter sentido desiludida. Possuidor dum sentido de humor muito britânico e apurado, os seus livros são sempre divertidos, mesmo quando abordam temas sérios, tal como este que recomendo hoje e que foi o último que escreveu até à data.

Em Deaf Sentence conhecemos a história de Desmond Bates, um professor universitário de Inglês (muitos dos seus personagens são, como ele, professores universitários do departamento de Inglês), que se reforma quando há uma restruturação do seu departamento. Isso faz com que ele comece a lidar com o facto de que está a envelhecer, e sobretudo que está a ficar surdo. Isso dá azo a muitas peripécias engraçadas, mas sobretudo ao desespero do próprio e da família.

Lutando eu com alguns problemas de audição, revi-me muito neste personagem. Não tem graça quando consecutivamente não percebemos o que nos dizem, não conseguimos seguir conversas com muita gente, e sobretudo desespera aqueles à nossa volta o facto de terem que se repetir até ao infinito, mesmo sabendo que não estamos a fazer de propósito. E eu nem sou efectivamente surda, por isso imagino a dificuldade de quem está consideravelmente pior que eu. David Lodge consegue falar de tudo isso com o seu costumeiro bom humor e divertir-nos com coisas sérias. Suponho que muito do que ele escreve neste livro ele saiba por experiência, o que ainda o torna mais interessante.

Recomendo a todos os que gostam de boas histórias, boa literatura e ver a vida real noutra perspectiva.

Boas Leituras!

Livros que Quero Ler – The Elephant Whisperer

elephant

Depois de tanto tempo a recomendar livros que tinha lido, resolvi que estava na altura de falar de livros que estão no meu radar para futuras leituras, por variadíssimas razões. Este já me foi recomendado pelo Goodreads há bastante tempo, mas nem sempre estou com a mente virada para livros de não-ficção.

Este ano passa-se exactamente o contrário, apetece-me estar imersa no mundo real através dos livros, por isso parece-me uma excelente altura para me dedicar a esta história.

Lawrence Anthony tinha uma reserva natural na África do Sul e foi-lhe pedido para acolher um grupo problemático de elefantes. Mesmo antes de chegarem a matriarca e a sua cria são abatidas, o que faz com que todo o grupo esteja ainda mais agressivo e difícil de controlar. Este é o ponto de partida para toda uma história de relações entre homens e animais no seu habitat natural, sobre conservação e os esforços que se fazem preservar espécies importantes, mas principalmente sobre uns animais inteligentíssimos que eu muito gosto, os elefantes.

Espero conseguir lê-lo nas próximas semanas, já que 2020 parece ser definitivamente o ano da não ficção e dos livros em localizações exóticas.

Boas Leituras!

Livros Que Recomendo – O Pequeno Livro dos Medos

sergio godinho

Mesmo sem a perspectiva de algum dia vir a ser mãe, desde sempre fui muito fã de livros infanto-juvenis, e continuei a lê-los muito depois de já ser adulta. Acho que se encontram verdadeiras pérolas de beleza neste mundo de livros, e é uma dessas pérolas que venho hoje recomendar.

Sérgio Godinho é não só um belíssimo escritor de canções, mas também se aventurou no mundo da literatura infantil. Este Pequeno Livros do Medos é a sua segunda incursão neste campo e data de 1991. É um livro pequeno, de 55 páginas, e que leva os seus leitores a reflectir no que é o medo, a racionalizar sobre ele com exemplos da vida do narrador, e no final a conseguir superá-los.

Muito bonito e bem escrito, sobre um tema que é tranversal a miúdos e graúdos e que nos ajuda a reflectir sobre as coisas que nos impedem de olhar em frente.

Recomendo a todos os que têm filhos e querem partilhar histórias com eles, ou todos aqueles que são sempre jovens no coração e apreciam boa escrita.

Boas Leituras!

O Peixinho e as Maratonas Literárias

Livros

O Peixinho gosta de ler o que lhe apetece, quando lhe apetece, e nem sempre sabe exactamente o que lhe apetece. Confuso, eu sei, mas obrigações temos muitas na vida, ler não pode contar como uma delas. Por isso nunca me juntei a nenhum clube de leitura, daqueles que se encontram e debatem livros previamente escolhidos. Sei que provavelmente estou a perder umas belíssimas discussões edificantes, mas na realidade elas acabam por surgir naturalmente quando discutimos livros com outro bookworm como nós.

Mas as maratonas literárias sempre me pareceram mais engraçadas. Aqui temos várias categorias e acabamos por encaixar o livro que estamos a ler na que for mais relevante.  Por exemplo, ler um livro com um tema de inverno.

Nunca me tinha juntado a nenhuma porque me tinha faltado o incentivo certo. Mas agora fui convidada por uma amiga a juntar-me a uma maratona literária espalhada pelas estações do ano, e em que cada estação temos novas categorias para preencher. Começámos, obviamente, no Inverno. Achei a ideia engraçada e os livros que tinha lido desde o início do Inverno eram facilmente distribuídos por algumas categorias.

Neste momento já tenho 4 das 16 categorias preenchidas e, apesar de dificilmente conseguir completar todo o desafio, estou a achar isto muito divertido.

Se têm experiências semelhantes, ou sugestões, apitem no comentários.

Boas Leituras, com ou sem maratonas.

Livros para 2020

book-stack

Começo 2020 com uma panóplia de livros para ler, à semelhança dos anos anteriores. Vão desde séries que comecei e quero continuar, a livros ou autores que descobri graças a coisas que li, ou livros físicos que me foram oferecidos. É um bom problema para se ter, apesar de raramente eu seguir esta lista à risca. Gosto sempre de ler para onde o vento ou a minha vontade me levam.

Para este ano os livros que estão na calha são os seguintes:

  • A Trança de Inês, de Rosa Lobato Faria: Nunca li nada desta escritora, e este ano o Peixinho Vermelho comprou este livro em segunda mão na net. Nenhum de nós o leu ainda, essencialmente por falta de disponibilidade mental. Está na calha para o início do ano.
  • Love Story à Portuguesa, de Vilhena: oferecido por uma amiga no final do ano, é mesmo o tipo de leitura divertida e socialmente interessante para começar 2020.
  • A Crown od Swords (Wheel of Time 7) de Robert Jordan: Apesar do meu entusiasmo ter esmorecido um bocadinho, não gosto de deixar séries a meio. Algures em 2020 irei pegar novamente nas aventuras de Rand al’Thor e seus companheiros.
  • Vernon Subutex 2, de Virginie Despentes: Será este ano que vou continuar a ler as desventuras de Vernon Subutex, o mais recente sem abrigo de Paris.
  • The Secret Commonwealth (Book of Dust 2), de Philip Pullman: Já que li o primeiro volume desta nova série em 2019 e no final saiu este fresquinho, já o tenho no meu Kindle pronto a seguir.
  • Aquilino Ribeiro: Aqui há uns anos comprei vários livros deste autor num alfarrabista de rua. Acho que está na altura de lhes pegar e rentabilizar o investimento.

E para começar o ano são estes os livros que tenho na calha. Espero que esta lista tenha melhor fim que a do ano anterior.

Boas Leituras e Bom 2020

Livros que Recomendo – Meia Noite no Jardim do Bem e do Mal

meia noite no jardim do bem e do mal

Este livro de 1994 é mais um dos muitos que encheram os meus anos 90, quando eu lia vorazmente e tinhas boas (e más) surpresas. John Berendt não é um escritor muito prolífico e eu não voltei a ler nada dele, mas este foi bastante interessante.

Passado na cidade americana de Savannah, na Geórgia, este livro faz um retrato (ou uma caricatura) das cidades profundamente sulistas em que cada personagem é quase um arquétipo. Aparentemente baseado numa história verídica (está classificado como non-fiction), nada o faria prever, pois é fluido e cativante como um romance. Há um crime e na senda de o deslindar vamos descobrindo como é viver numa cidade pequena, profundamente tradicional e com valores muito enraizados, como é Savannah. Cada personagem acrescenta algo novo à história e vamos descobrindo tanto o fio à meada como a própria cidade. Lembro-me de terminar de ler e ficar com imensa vontade de conhecer Savannah.

Não é uma leitura muito elaborada e profunda, mas é entretenimento garantido e um livro que se lê num fôlego. Apesar de já o ter lido há muito tempo, ainda hoje é lido por muitos e é considerado um dos clássicos modernos.

Recomendo a todos os que gostam de histórias simples mas cativantes, com personagens bem desenvolvidos e interessantes.

Boas Leituras!

Projectos para 2020

new years resolution

À semelhança do ano passado, este ano também não vou fazer grandes planos. Depois da surpresa que a natureza me fez de me dar um jaquinzinho aos 44 anos acho que fazer planos é capaz de ser redundante. Por isso em 2020 planeio aproveitar o que a vida me trouxer e o cachopo me deixar.

Acho que viagens ainda estarão fora de questão e espero conseguir ir para fora cá dentro sem grandes complicações. Seria bom se conseguisse juntar a isso umas idas ao teatro, cinema ou algum concerto. Se alguém se sentir com vontade de fazer babysitting é só avisar.

Em termos de leituras vou manter as minhas expectativas realistas. Se conseguir ler novamente 30 livros já me vou sentir contente, e tenho muitas horas de transportes públicos pela frente para me permitir fazer isso.

Vamos ver o que 2020 nos traz. É um número bonito, redondo e trará com certeza muitas surpresas. Coração aberto e paciência ao máximo para tudo o que aí vem.

Bom Ano e Boas Leituras!

 

 

Livros que Recomendo – O Cozinheiro Prático

cozinheiro pratico

Já que estamos a chegar ao Natal, nada como recomendar um dos livros mais emblemáticos da nossa tradição culinária. Eu tive conhecimento dele porque sempre existiu em casa da minha mãe e ela consultava imensas vezes, nomeadamente para fazer os seus maravilhosos bolinhos de areia. Assim, quando eu me mudei para a minha própria casa e o encontrei à venda numa Feira do Livro, achei que não podia deixar escapar.

No entanto, caras dona(o)s de casa do século XXI, desenganem-se se pensam que vão encontrar aqui um precioso auxiliar de cozinha. Na realidade este é um livro com imensas receitas que serão seguramente úteis a quem já se saiba orientar com os tachos, já que as instruções dadas para além das quantidades são surpreendentemente vagas e pouco precisas. Fiquei um bocadinho desiludida e ainda não consegui fazer receita nenhuma por lá. Tenho confiado mais nas inúmeras páginas de receitas que abundam na internet, mas se fosse hoje voltaria a comprá-lo porque é como ter uma memória visual da minha mãe permanentemente na estante. E cada vez que o folheio lembro-me dos bolinhos de areia e como os meus nunca conseguiram ficar iguais.

Escrito por Mariazinha (!) em 1952 este livro foi um grande sucesso durante décadas, e está dividido em capítulos de acordo com o tipo de pratos, começando nas sopas e terminando nas sobremesas. No final ainda tem dois capítulos muito interessantes, sobre como servir vinhos e um regime de 18 dias para emagrecer. Vale a pena consultar este livro e descobrir as pérolas que encerra.

Boas Leituras!

Bolos de Areia: Misturam-se 100g de açúcar com 200g de manteiga e depois de bem ligado amassa-se à mão com 500g de farinha. Depois de tudo misturado faça pequenos bolos que vão ao forno em tabuleiro não untado.

Balanço de 2019

equilibrista

2019 foi um ano muito diferente para mim, um ano em que me tenho dedicado mais a fraldas e biberons do que a grandes literaturas. Como já disse aqui a minha capacidade intelectual também se encontra diminuída, por isso as leituras foram as possíveis. Foi também um ano em que não fiz muitos projectos, porque já estava grávida no início de 2019 e previa grandes mudanças de vida.

Mesmo considerando tudo isto, consegui atingir o objectivo que me tinha proposto no início do ano de ler pelo menos 30 livros. Três da série Wheel of Time, que ando a ler. Depois tive que fazer uma pausa e voltar ao Poirot, onde dei um grande avanço.

Voltei também a alguns territórios familiares e conhecidos, como voltar ao conforto da nossa casa. Nomeadamente com Philip Pullman, Dan Simmons e os diários de Michael Palin, que me deixaram ao mesmo tempo satisfeita e triste por não ter mais nada desses ambientes para ler.

E como sempre o Netgalley não desilude e proporciona leituras interessantes às quais não teria acesso de outra maneira.

Mas acima de tudo foi um ano de muitas noites sem dormir, muitas fraldas, muitas gargalhadas e colheres de sopa. Uma mudança drástica de vida depois dos 40 e nunca mais nada vai ser como dantes.

Boas Leituras!

Livros que Recomendo – As Horas

as horas

A capa deste livro é mais uma daquelas estratégias de marketing que acham que as pessoas vão ler mais facilmente um livro sobre o qual se fez um filme, no entanto, a maioria dos leitores ávidos já tinham lido o livro antes do filme chegar às salas de cinema. Por isso não se deixem enganar por capas pobrezinhas como esta, o livro vale muito a pena.

As Horas” conta-nos 3 histórias, mais ou menos interligadas. A primeira é uma ficção sobre os dias de Virginia Woolf nos anos 20 do século passado, enquanto luta para escrever o seu próximo livro e ser uma boa esposa ao mesmo tempo. Depois nos anos 40 vemos a história duma mãe e dona de casa que tenta ser perfeita quando na realidade apenas deseja escapar à sua realidade e esconder-se a ler “Mrs Dalloway“. E por fim chegamos aos anos 90 onde Clarissa Vaughan está a orgaizar uma festa para o seu melhor amigo.

Estas histórias estão interligadas, principalmente as duas últimas, e fazem-nos pensar sobre as expectativas que temos sobre nós próprios e a nossa conduta, o esforço que fazemos para nos conformarmos à ideia que as pessoas têm de nós, ou aquela que queremos projectar, e como no final isso apenas nos mina por dentro.

Um livro muito bem escrito, uma história (ou histórias) que nos mantém agarrados do início ao fim, mesmo não sendo um conto de fadas ou um lindo romance com final feliz. Recomendo a todos os que gostam de boa literatura e de histórias complexas mas interessantes.

Boas Leituras!