Acabei de Ler – Cai O Pano, O Último Caso de Poirot, Poirot #44

poirot 44

Keep scrolling if you prefer to read in English.

Foi em 2015 que comecei a minha saga de ler todos os Poirots por ordem de publicação, excluindo a maioria das colectâneas de contos. Devagarinho, sem pressa, para saborear e para ajudar em alturas em que faltava vontade de ler coisas mais elaboradas. E assim, 6 anos depois, chego finalmente ao final desta jornada, lendo o último caso de Poirot, que foi publicado em 1975, ano do meu nascimento, e que teve honras de obituário no New York Times. Nos últimos livros uma das coisas interessantes, se bem que estranhas, era sentir a dificuldade do Poirot se adaptar aos anos 60 e 70 do século passado. Mais estranho ainda porque todos os episódios que vi da série eram sempre passados nos meados dos anos 40. No entanto, neste livro parece que voltamos à era dourada de Poirot. E isso tem uma explicação muito simples. Este livro foi escrito em meados dos anos 40, em plena II Guerra Mundial, quando Agatha Christie teve medo que alguma coisa lhe acontecesse e os livros de Poirot não tivessem um final. Foi depois mantido num cofre, juntamente com o último volume de Miss Marple, e foram publicados em 1975, um ano antes da sua morte.

Eu gostei deste livro, mas confesso que mais por militância. Se pensar um bocadinho, a resolução foi toda anticlimática, e fiquei um bocadinho desapontada com o assassino. No entanto, a história também nos traz coisas muito boas, como o regresso do Capitão Hastings a ser ele próprio em todo o seu esplendor. E com a mais valia de conhecermos também a sua filha, um personagem interessante. A utilidade do Capitão Hastings no enredo foi o que mais gostei no livro, e só por isso já valeu a pena.

E foi uma tarefa concluída e prazerosa. Pensei em fazer o mesmo com a Miss Marple, ou o inspector Maigret, mas sinceramente nenhum destes tem a simplicidade genial do nosso pequeno detective belga. De certeza que arranjarei outra leitura de conforto, para me ajudar nos momentos em que nada apetece. 

Até lá, Boas Leituras!

Goodreads Review

In 2015 I started this task of reading all the Poirot novels in publication order, excluding the majority of the short story’s collections. Slow and steady, as I wanted to savour them and use them as a tool to help getting out of reading slumps. And so, six years later, I finish this journey by reading the last Poirot novel, published in 1975, the year I was born, and that generated an obituary in the NY Times. One of the interesting and strange things in the latest books was the way Poirot dealt with the passage of time and the different vibe from the 60’s and the 70’s, and that is not present here. In fact, it seems we are back at his golden age, the mid-forties, with its ambience and scenery. And that has a really simple explanation. During the second World War, Agatha Christie, afraid of not surviving, wrote the last stories for both Poirot and Miss Marple, and left them locked in a safe until she felt it was time to end their journey, which happened in 1975, a year before her own death.

I enjoyed this book, but more for a sense of duty. In reality, its closure was anticlimactic and I was a bit disappointed with how the story unfolded. But it also had some very good things, like the return of Captain Hastings being completely himself. The way he was used in the plot was really good, and I also liked his daughter as a character. 

All in all, mission accomplished, and it was a very enjoyable ride. I thought I could now do the same with either Miss Marple or Inspector Maigret, but in all honesty, they lack the charm of our little Belgian detective. I’m sure I’ll find some other comfort reads to get me out of reading slumps.

Until then, Happy Reading!

Acabei de Ler – 99 Per Cent Mine

99 per cent mine

Keep scrolling if you prefer to read in English.

Depois de ter lido e ter gostado do Hating Game desta autora, resolvi pegar em mais um dela. Aparentemente o seguinte era este 99 Percent Mine, ainda não traduzido para português. E sinceramente, nem sei o que dizer disto, a não ser… não percam tempo. Não podia ser mais diferente do anterior. Personagens com idade mental pouco superior a cinco anos de idade, e muitos rugidos. Deve ser uma coisa que apela a algumas pessoas, que não é a primeira vez que vejo romances em que o tipo ruge, rosna, ou qualquer que seja a melhor tradução para growling para demonstrar interesse, mas confesso que eu acho isso apenas… estúpido? Não sei, claramente falta-me qualquer coisa para saber apreciar os bons rugidos/latidos/rosnados da vida.

E se fossem só as demonstrações animalescas, ainda estava tudo (mais ou menos) bem. Mas há muita coisa que na história não faz sentido nenhum, e isto já com o desconto que se dá a este tipo de livros incluído. Por exemplo, o livro começa no bar de motards em que a nossa protagonista trabalha, ao qual é dado um grande destaque porque é uma parte importante da sua vida. Só que no resto do livro nunca mais se fala disso, e quase parece que ela é desempregada.

Enfim, creio que este foi o pior de todos os livros de romance que eu li nesta maratona do mês de Outubro, e olhem que a competição era feroz. Será suficiente para eu ganhar juízo? Veremos nos próximos episódios.

Até lá, Boas Leituras!

Goodreads Review

After really liking The Hating Game from this author I decided to read another one of her books, and this was the next one. And I am a bit out of words for this one, and the only thing I can say is don’t bother. Don’t waste your precious time with this. It is radically different from The Hating Game, and not in a good way. The characters seem like they are toddlers, and they growl a lot. It must be something that appeals to the masses, as it appears time and again in romance books, however the appeal is lost on me. Just sounds stupid. Clearly I’m missing something to be able to appreciate the all the growling and groaning that seems to go on in this book. Is it meant to turn people on? If I heard my husband’s chest rumbling (like I’ve read in some books), I would probably take him to a doctor to check for asthma. 

But if it was just these animalistic demonstrations it would not have been that bad. But most of the story did not make any sense, even if we already consider the type of book it was. It was just silly. As an example, the book starts with the main character at the biker bar she works, clearly to show what a badass she is (she’s just childish and inconsiderate), and it seems that it is a big part of her life. Turns out we never hear about the bar again, as if she sudenly became unemployed. I mean, she invites some people to the bar later in the book, but that’s it. 

I believe this was the worse romance novel I read in my October’s marathon, and the competetion was fierce. I wonder if I’ve learned my lesson and moved on to better things? We’ll soon find out.

Until then, Happy Reading!

Acabei de Ler – Shipped

shipped

Keep scrolling if you prefer to read in English.

Mais uma vez voltei aos romances leves e que lembram o Verão, depois de ter lido uma coisinha mais animada. Este Shipped parecia uma boa aposta, todo passado num cruzeiro às Galápagos, sítio que estará para sempre na minha lista de viagens de sonho.

A nossa protagonista trabalha numa empresa de cruzeiros e vai candidatar-se a directora de Marketing. O nosso protagonista vai ser o seu adversário na corrida. É sugerido aos dois (ambos com nomes estranhíssimos) passar uma semana num dos cruzeiros da empresa, para sentirem a experiência e elaborarem um plano para a entrevista.

E é isso. De resto nada de novo, apenas o que acontece sempre nestes livros. Eles odeiam-se só que afinal não. O final é muito fraquinho, pelo menos a mim não me convenceu. Acabei a dar três estrelas, porque as Galápagos estão muito bem representadas, claramente a autora conhece-as e tem carinho pela sua conservação, e isso passou muito bem na história. No final a autora partilha com os leitores alguns modos como podem ajudar nos esforços de conservação que estão a ser desenvolvidos nas ilhas, e modos de sermos turistas mais conscientes, e isso sim derreteu o meu coração.

Boas Leituras!

Goodreads Review

Once again I’m back at romances, the light summery ones, after reading something faster. This one seemed a good alternative, staged in a cruise through the Galapagos, that have been on my travelling wish list for many years now. 

Our main character works in a company that operates cruises in several parts of the world and is now applying to a new position as Marketing Manager. Her nemesis, a coworker she does not like will also apply to the same job. Their boss suggests they go on a cruise to the Galapagos to sort out a maketing plan that they can present as part of the recruiting process. 

And then magic happens. The kind of magic that usually happens in these books. They hate each other until they don’t. The ending was a bit far fetched and I did not particularly liked it. I ended up rating this book with 3 stars, mainly because the Galapagos are so well described, it is clear the author knows and loves them, and they made a beautiful background to the story. Also, as a post note, the client shares with us ideas on how to contribute to the conservation projects they have there, and some ideas on how to be more conscious tourists, and that was what melted my heart. 

Happy Reading!

Acabei de Ler – King Bullet, Sandman Slim #12

king bullet

Keep scrolling if you prefer to read in English. 

Depois duns dias a não ler mais nada a não ser romances, as minhas artérias estavam entupidas de tanto açúcar e a necessitar dum antídoto. Nada melhor que uma fantasia urbana com sons de Heavy Metal, céu e inferno à mistura, e isso só pode significar mais um livro de Sandman Slim. Neste caso, o último livro de Sandman Slim.

Eu queria muito não ter gostado deste livro. Foi já no anterior que a história foi ficando mais melosa, o nosso anti-herói cheio de dúvidas existenciais, e a sua nova namorada é um personagem chato e irritante. Mas na realidade esta foi mais uma aventura cheia de ritmo e reviravoltas, que me mantiveram agarrada às páginas e desejosa de ver o final. O final foi bastante interessante, se bem que não fecha totalmente a porta a novas aparições do nosso herói no futuro. A única coisa que me impediu de gostar mais deste livro (para além da namorada), foi o próprio King Bullet, que deveria ser o vilão supremo de todos os vilões, mas que na realidade foi um bocadinho… meh. Não era previsível, pelo menos para mim não foi, mas não foi nada deslumbrante. Parece que o autor tinha esgotado as ideias fixes para fazer um vilão como deve de ser.

Foi uma série muito interessante, que gostei imenso de acompanhar, totalmente diferente de todo o outro género de livros que costumo ler, e também por isso muito refrescante.

Se gostam de livros a abrir com um bom concerto, onde as coisas nunca são aborrecidas e lineares, se gostam do sobrenatural com uma pontinha de punk, estes são os livros perfeitos.

Adeus James Stark, Sandman Slim, Monstro que Mata Monstros, Lucifer em part-time. It was one hell of a ride (pun intended)!

Boas Leituras!

Goodreads Review

After only reading romance novels for a while I was almost overdosing on sugar and needed a fast change. And nothing spells anti-sugar like our old friend, Sandman Slim, the urban fantasy, fast paced and imbued in heavy metal, with a touch of Hell. So i dived on Sandman Slim’s last book, King Bullet. 

From what I read in the previous book, I went in not expecting much. I also expected to really dislike it. James Stark was getting mellow and full of self-doubt, he lost Candy, and his new love interest, Janet, is a whiny complainer, and not a very interesting character. But I actually liked it a lot. It was really fast paced, filled with vicious battles, clothes being wrecked, our hero being stabbed and shot, and I was glued to the pages, wanting to know how it would all play out in the end. And that’s when it got a little less interesting. King Bullet, the last vilain in this saga, Stark’s nemesis, was only kind of… meh. As if the author ran out of cool monster ideas. It was not predictable, but it was also not very interesting. The ending was open enough to be able to return to the story, if needed, which is cool. 

But all in all, this was a really cool series to follow, very unlike any other books I usually read, and very refreshing. 

If you like books that read like a metal concert, with the same speed and vibe, then search no more, this is the right fit for you. Sprinkled with some supernatural punk vibes. 

Farewell James Stark, Sandman Slim, the Monster That Kills Monsters and part-time Lucifer. It was one hell of a ride (pun intended). 

Happy Reading!

Acabei de Ler – Odeio-te e Amo-te

hating game

Keep scrolling if you prefer to read in English.

Já não lia tantos romances desde que passava as férias grandes na terra da minha avó e quando esgotava os livros que tinha levado tinha que ir à colecção de Biancas da minha tia. Belos tempos que me ensinaram que estes livros têm sempre mais ou menos a mesma fórmula com ligeiras variações. E agora, 30 anos mais tarde, sinto-me novamente com um cérebro de 15 anos, a ler estes livros como quem come batatas fritas, até ser capaz de ter um repasto mais elaborado.

Mas como em tudo na vida, há bons e maus, e este foi um dos bons. Eu gosto particularmente da trope de inimigos a amantes, e esta foi bem feita. Lucy e Joshua trabalham juntos, no mesmo escritório, só os dois e odeiam-se particularmente. Passam o dia entretidos em jogos de poder, a ver quem é o primeiro a capitular. Mas surge a oportunidade para uma promoção, e é aí que a competição vai começar a sério. Mas um beijo num elevador vai mudar um bocadinho as regras do jogo.

Foi muito divertido e sem pontas soltas, a história fazia sentido e os personagens eram engraçados sem serem peculiares, coisa que acontece muito neste tipo de livros. Foram horas de puro entretenimento e algumas cenas mais intensas, sempre bom para animar e desanuviar. Se gostam deste tipo de livros, este é um dos que mais recomendo.

Boas Leituras!

Goodreads Review

I haven’t read so many romance novels since I was a teenager spending the summer at my grandmother’s place, ran out of books to read and had to raid my great-aunt’s collection of Harlequin books. Good old times, when I learned there’s a fixed structure to these kinds of books, even if the particulars change slightly. Now, 30 years later, I feel like my brain is 15 again and I consume these books like snacks, until I’m able to have a full meal again. 

But, as with all things in life, there are the good and the bad. This was definitely one of the good ones, the enemy to lovers trope done right! Lucy and Joshua work in the same office, facing each other, many hours per week. But they hate each other since the beginning and lose themselves in endless power games, to assert who wins. But there’s a promotion coming up, and they arre both eligible, and that’s when the real competition begins. But an elevator kiss will change everything. 

This was a fun read, with no lose ends, and the story made sense. The characters were quirky but not peculiar, which happens often in these type of books. It was a few hours of pure entertainment and some steamy scenes. Best kisses I’ve read in a while. If you like romances, here’s a good candidate. 

Happy Reading!

Vencedor Prémio Booker 2021

booker 2021

Foi anunciado no passado dia 3 de Novembro o vencedor do prémio Booker deste ano. The Promise, do sul-africano Damon Galgut, que nos fala da história duma família que vive numa quinta perto de Pretória, como a sua dinâmica vai mudando ao mesmo tempo que o panorama do país também evolui e cria novos desafios.

Tem um excelente rating no Goodreads, 4.09, e as pessoas são consensuais a descrever que a narrativa e a escrita são o grande motor do livro, o que deixa o leitor mesmo agarrado às páginas.

Parece-me interessante e complexo, e certamente entrou na minha lista de livros para ler. Já o leram?

Até lá, Boas Leituras!

Acabei de Ler – Josh and Hazel’s Guide to Not Dating

josh and hazel

Keep scrolling if you prefer to read in English.

Eis que continuei Outubro a dentro dedicada à chick lit e e peguei em mais um romance de Christina Lauren. Assim, de rajada. Este é sobre Hazel e Josh, como o título indica. Hazel é uma despassarada, sem filtro, que diz o que lhe passa pela cabeça, e Josh é, como imaginam, compostinho e certinho. Conhecem-se desde os tempos de faculdade, perderam contacto durante uns tempos, e voltam agora a reencontrar-se. Durante semanas vão sair juntos com amigos que arranjam mutuamente, na esperança de arranjarem namoro. 

Foi um livro divertido, ri-me bastante nalgumas partes, e a parte romântica foi engraçada sem ser espetacular. Mas depois a coisa desemboca num fim sem piada nenhuma, demasiado apressado e o que é suposto ser cor de rosa é na realidade uma coisa sem jeito nenhum, na minha humilde opinião. Por isso não posso dizer que recomende este livro. 

Será que foi a gota de água nos romances em Outubro? Veremos nos próximos capítulos. 

Até lá, Boas Leituras!

Goodreads Review

I carried on October reading chick lit and random romances, so I picked up another one by Christina Lauren, the pen name for a duo of female writers. This one is obviously about Josh and Hazel and their dating life. After many years apart, they reunite at a friend’s party, and decide to rekindle their friendship. Hazel is crazy and wears her heart on her sleeve, Josh is calm and collected, and they decide to go on a series of double dates, where they find friends for each other to date. And one thing leads to another, as usual.

This was a fun book, and I actually laughed out loud in some parts. However, as it moves torwards the end, it seems rushed, and the conclusion of the story was really disappointing. I will not spoil it here, but I really disliked it, enough to not recommend it to anyone, unless you always see real life with pink goggles. 

Have I had enough of romance to last me a lifetime, or will I carry on? Don’t miss out on the next episodes. 

Until then, Happy Reading!

 

Acabei de Ler – Juntos… Mas Pouco

roomies

Keep scrolling if you prefer to read in English.

Por algum motivo o meu cérebro resolveu tornar Outubro o mês da chick lit, provavelmente por eu ver toda a gente a ler horror e suspense e coisas relacionadas com o Halloween, que não é muito a minha praia. Outono é também sinónimo de aconchego, e tem sido isso que tenho lido, coisas aconchegantes.

Como em tudo na vida, há uns melhores que outros. Christina Lauren é uma boa contadora de histórias, e este ano já tinha lido outro livro dela, Noivos à Força, que foi muito engraçado. Ia com alguma expectativa para este, que acabou por ser apenas assim assim. Holland é uma rapariga nos 20 e tais, que vive em Nova Iorque e trabalha na Brodway no show do seu tio. Está de olho num rapaz que toca guitarra no metro, mas que na realidade é um virtuoso. Parece verosímil, certo? Para ajudar à festa, eles podem ter que casar de repente por causa de razões. É uma coisa que acontece frequentemente, acharmos um rapaz giro no metro e resolvermos casar com ele.

E pronto, a história é mais ou menos isto. Claro que quando lemos este tipo de livros não estamos à espera dos Lusíadas, nem é essa a função que eles cumprem. O seu propósito é entreter. Mas mesmo assim, é necessário que a história tenha alguma aderência à realidade, algo que nos faça relacionar com os personagens, que não foi o caso aqui.

Acabei por dar duas estrelas (tal como o anterior que li e que falei aqui), principalmente porque ainda me ri nalgumas partes. Há por aí livros mais interessantes.

Até lá, Boas Leituras!

Goodreads Review

For some reason my brain decided October was chick lit month. Maybe because horror is everywhere due to Halloween, and I’m not a big fan. So, cozy October instead for me. 

As in everything, there is good cozy and not so great. I had high expectations for this one, as I really liked the Unhoneymooners and was expecting something similar. In here we have Holland, a 20 something year old girl that lives in New York and works in a Brodway show that was produced by her uncle. At the same time she is swooning over a guy that plays guitar on the subway, but is actually a virtuoso. Seems legit, right? Now, for many reasons they will have to marry, because that happens. If we find a cute guy on the subway, we usually have to marry him. 

And it’s about it. I might be a little too harsh with this book, usually these are meant to entertain and make us feel good inside, but even if we are used to some degree of suspension of disbelief, I felt this book stretched it too much for my liking. And I also could not relate to the characters, or the interaction between them. 

So, like the previous book I read, I ended up just giving it 2 stars. And now, on to the next. 

Until then, Happy Reading!

Acabei de Ler – Second First Impressions

second first impressions

Keep scrolling if you prefer to read in English.

Começo por dizer que no momento em que escrevo isto terminei este livro apenas há alguns dias, e tive que ler a review para me relembrar do que era. Promete, certo?

Pois, realmente não prometeu muito. Eu sei que ando virada a ler chick lit, mas mesmo assim alguns padrões de qualidade são necessários. A dupla motoqueiro tatuado/menina inocente e virgem é um cliché chato e que não me interessa minimamente. Se juntarmos a isso uns longos cabelos (dele) e uma ingenuidade gritante (dela), e um amor que mais que à primeira vista foi aos primeiros fumos de combustível, percebem que não tenha ficado fascinada.

Acabei por dar duas estrelas no Goodreads por duas razões. A escrita era boa e escorreita, e os beijos (sempre o meu calcanhar de aquiles nestes livros) eram bem bons. Tirando isso, o meu conselho é para não perderem o vosso tempo. Primeiro livro que li desta autora, que felizmente não me fez desistir dela, porque o que li a seguir… falarei noutra altura.

Até lá, Boas Leituras!

Goodreads Review

Disclaimer: While I’m writting this it’s just been a few days since I finished this book, and already I can barely remember what it was about. I had to go and check my review on Goodreads. Great start, right?

Yeah, it does not get much better. I’m in a mood to read chick lit, and have been gulping books one after the other, but I still require some standards on my smut. The biker bad boy/inocent virgin girl was a match I was not sold with. Adding his long hair with her inexperience, and a love that more than at first sight was at first exhaustion fumes, it was just too much for me. 

I gave this 2 stars on Goodreads. One for the writting, which was clean and neat, and another for the great kissing, because I’m a sucker for good kisses. My advice is, do not waste your time on this one. This was the first book I read from Sally Thorne, and luckily it did not deter me from reading another one, because the next one I read… I will talk about on another post. 

Until then, Happy Reading!

Prémio Camões 2021 Foi Para Paulina Chiziane

Paulina Chiziane

No passado dia 20 de Outubro foi anunciado o Prémio Camões 2021 que foi para a escritora moçambicana Paulina Chiziane. Apenas li um livro dela até ao momento, Niketche, uma história de poligamia, e gostei mesmo muito. Fiquei com esta escritora no radar para ler mais coisas dela, mas infelizmente até hoje ainda não aconteceu.

O seu primeiro romance, Balada de Amor ao Vento, escrito em 1990, foi também o primeiro romance escrito por uma mulher moçambicana. Questões do papel da mulher e do feminismo são muito presentes na sua obra, principalmente na sua realidade moçambicana.

Creio que este prémio Camões pode vir dar um novo alento para eu pegar noutros livros dela, e espero que isto lhe traga mais visibilidade junto do grande público, mais que merecida.