Um Dia Virá

rosa lobato faria

Um dia virá

em que a minha porta

permanecerá fechada

em que não atenderei o telefone

em que não perguntarei

se querem comer alguma coisa

em que não recomendarei

que levem os casacos

porque a noite se adivinha fresca.

Só nos meus versos poderão encontrar

a minha promessa de amor eterno.

Não chorem; eu não morri

apenas me embriaguei

de luz e de silêncio.

Rosa Lobato de Faria

Acabei de Ler – Romance de Cordélia

romance de cordelia

Começo por dizer que sou um bocadinho preconceituosa. Todos somos em relação a alguma coisa, no meu caso era em relação à Rosa Lobato de Faria. Talvez pelo seu ar sereno e altivo, eu achava que a senhora era uma aristocrata sem grande coisa para dizer que me interessasse. Claro que o facto dela ter participado em programas do Herman me devia ter chamado a atenção, mas só quando li em 2020 um dos seus romances é que percebi que estava redondamente enganada, e que não podia deixar os seus livros de lado, sob pena de perder pérolas.

Os Três Casamentos de Camilla S. foi um livro belíssimo e muito bem escrito, que mesmo assim não me preparou para o que viria a encontrar n’O Romance de Cordélia. Peguei nele porque achei o título uma delícia, este trocadilho entre romances de cordel (que li muito nas minhas férias de verão do início da adolescência, o suficiente para perceber que todos têm uma estrutura igual) e o nome da protagonista é fantástico. Depois o modo como estes romances são retratados tem também um toque de mestre, e enriqueceu muito a leitura.

Cordélia é reclusa em Tires e está a preparar-se para a sua saída, que está iminente. Parte da preparação consiste em relembrar todo o seu percurso até chegar ali, coisa dolorosa e difícil. Partilha o seu dia a dia com outras colegas, cujas histórias são baseadas em histórias reais, recolhidas pela autora. E aí começa o aperto no nosso coração. É um livro forte, triste, carregado de relatos impressionantes. Mas ao mesmo tempo está cheio de cenas belas, de um sarcasmo e duma ironia que são refrescantes, e ajudam a não nos sentirmos sufocados com tanta desventura. Fala-nos do sentido de família, das teias em que nos deixamos enredar porque não temos força para sair, e, tal como o livro que li anteriormente, das escolhas que fazemos que nem sempre são as melhores.

É uma história com pouca redenção e pouco romance, mesmo de cordel, mas é muito bonita e está maravilhosamente escrita. É preciso algum estômago, porque tem alguns relatos fortes. No entanto, aconselho a todos os que gostam de boa literatura, boas histórias com sabor português. Não se irão arrepender.

Boas Leituras!

Goodreads Review

De Ti Só Quero o Cheiro dos Lilases

rosa lobato faria

De ti só quero o cheiro dos lilases
e a sedução das coisas que não dizes
De ti só quero os gestos que não fazes
e a tua voz de sombras e matizes

De ti só quero o riso que não ouço
quando não digo os versos que compus
De ti só quero a veia do pescoço
vampira que já sou da tua luz

De ti só quero as rosas amarelas
que há nos teus olhos cor das ventanias
De ti só quero um sopro nas janelas
da casa abandonada dos meus dias

De ti só quero o eco do teu nome
e um gosto que não sei de mar e mel
De ti só quero o pão da minha fome
mendiga que já sou da tua pele.

Rosa Lobato de Faria, A Noite Inteira já não chega

Pequenas Palavras

rosa lobato faria

De todas as palavras escolhi água,
porque lágrima, chuva, porque mar
porque saliva, bátega, nascente
porque rio, porque sede, porque fonte.
De todas as palavras escolhi dar.

De todas as palavras escolhi flor
porque terra, papoila, cor, semente
porque rosa, recado, porque pele
porque pétala, pólen, porque vento.
De todas as palavras escolhi mel.

De todas as palavras escolhi voz
porque cantiga, riso, porque amor
porque partilha, boca, porque nós
porque segredo, água, mel e flor.

E porque poesia e porque adeus
de todas as palavras escolhi dor.

Rosa Lobato de Faria

Acabei de Ler – Os Três Casamentos de Camilla S.

camilla S

Andava há muito tempo para ler algum livro da Rosa Lobato Faria. Tinha algum preconceito talvez pelo seu ar de senhora composta, mas quando estive a investigar sobre o Humor de Perdição percebi que ela tinha sido parceira de escrita do Herman José e isso só podia augurar coisas boas. Depois vi no Instagram uma citação deste livro e achei que estavam reunidas as condições para me atirar a ele.

E foi mesmo isso que aconteceu, já que o li de um dia para o outro. Camilla S. é uma nonagenária que decide partilhar connosco a sua história de vida, os seus amores e desamores e a sua transição de criança, para jovem mulher vulnerável, para mulher madura e segura de si. Uma espécie de Casa dos Budas Ditosos sem ser para maiores de 18.

A história está bem conseguida, é interessante, a escrita é fluida, mantém-nos agarrados e tem o seu quê de poético. Faz-se uma reflexão sobre o amor, as diferentes formas de amar e ser amada, sem se cair em julgamentos ou preferências, ou mesmo ideiais de romantismo bacocos. Camilla tem tanto de apaixonada como de racional, e consegue manter alguma coerência na sua vida, apesar dos contratempos. As personagens que a rodeiam são também fascinantes, e tudo isto tornou este livro muito prazeiroso.

Recomendo a todos os que gostam duma boa história de vida, com amor à mistura, mas que não se esgota nisso.

Goodreads Review

 

Quimera

rosa lobato faria

Eu quis um violino no telhado

e uma arara exótica no banho.

Eu quis uma toalha de brocado

e um pavão real do meu tamanho.

Eu quis todos os cheiros do pecado

e toda a santidade que não tenho.

Eu quis uma pintura aos pés da cama

infinita de azul e perspectiva.

Eu quis ouvir ouvir a história de Mira Burana

na hora da orgia prometida.

Eu quis uma opulência de sultana

e a miséria amarga da mendiga.

Eu quis um vinho feito de medronho

de veneno, de beijos, de suspiros.

Eu quis a morte de viver dum sonho

eu quis a sorte de morrer dum tiro.

Eu quis chorar por ti durante o sono

eu quis ao acordar fugir contigo.

Mas tudo o que é excessivo é muito pouco.

Por isso fiquei só, com o meu corpo.

Rosa Lobato de Faria