Finalistas Booker Prize 2022

booker 2022

Depois de ter estado de férias em Agosto e início de Setembro, volto para vos dizer que no passado dia 6 foram anunciados os finalistas do prémio Booker deste ano. A principal surpresa é que não aparece The Colony, que era dado quase como certo nesta lista. Por outro lado aparece o único que eu já tinha lido, Oh William!, que confesso que não estava à espera, apesar de ter gostado bastante do livro e me ter feito querer ler mais coisas da autora. 

Deixo aqui novamente a lista dos nomeados, e as minhas impressões sobre eles. Neste momento  não tenho ideia nenhuma de quem será o vencedor, mas nesta lista encontra-se o autor mais velho a ser nomeado, e o vencedor será anunciado no dia em que ele faz 87 anos, por isso pode ser que lhe estejam a preparar uma prendinha. 

Glory de NoViolet Bulawayo – O que se segue num país quando um líder ditatorial de longa data finalmente é afastado? E se essa nação for no reino animal? Esta é a premissa desta sátira à queda de Mugabe no Zimbabwe em 2017. Parece ser um livro muito interessante, e esta autora já não é nova nestas andanças de ser nomeada para os Booker. 

Small Things Like These de Claire Keegan – Mais um livro passado na Irlanda, em 1985, sobre Bill Furlong, um homem normal com uma vida banal, mas que tem a oportunidade de fazer uma coisa extraordinária. Esta sinopse dá-me imensa vontade de pegar já no livro, e o facto de ser só 118 páginas ajuda muito também. 

Treacle Walker de Alan Garner – Este livro tem críticas excelentes, mas devo dizer que mesmo após ter lido a sinopse, não sei bem do que se trata. A amizade entre um rapaz e um caminhante, imersa em mitos e lendas rurais, pelo que percebi. Não está na minha lista de prioritários para ler. 

The Trees de Percival Everett – Uma série de assassinatos estranhos no Mississipi são difíceis de ser investigados por pouca colaboração da polícia local, mas quando se começa a perceber as ramificações, percebe-se que estamos perante algo muito estranho. Esta é a premissa inicial dum livro que é muito estranho e muito actual, já que se foca nas tensões raciais na América, que continuam a ser ainda tema corrente. Parece-me uma boa aposta!

Seven Moons of Maali Almeida de Shehan Karinatilaka – Tendo a personagem principal um apelido tão maravilhoso, obviamente que este livro tem que ser lido. Quero também realçar que tem sido delicioso ver vídeos sobre os nomeados de booktubers anglófonos, e ver como tentam pronunciar isto. That being said, o autor é do Sri Lanka e a trama passa-se na sua capital, Colombo. Maali Almeida aparece morto e tem sete luas para conseguir descobrir como isso aconteceu. Parece-me delicioso, e está no topo da minha lista de livros a ler. 

Oh William! de Elizabeth Strout – O único livro desta lista que eu já li, há precisamente 1 ano, cortesia do Netgalley. É com personagens de livros anteriores, nomeadamente Lucy Barton, mas mesmo se não leram não perdem nada, porque a autora explica tudo o que é necessário, que é pouco. Gostei bastante, é  um livro que se lê muito rápido, e Lucy Barton é uma personagem deliciosa com a qual nos identificamos muito. Não deve ser o vencedor, porque há outros nomeados que são mais falados, mas é um livro que vale a pena ler. 

Já leram algum, têm previsões? Digam-me tudo e até lá Boas Leituras!

Nomeados Booker 2022

booker 2022

Saiu na passada terça-feira dia 26 a lista dos nomeados para o prémio Booker deste ano. São 13 e, ao contrário de anos anteriores, há na lista um que já li em pré-venda, graças ao Netgalley. Como habitual, vou mostrar-vos em baixo a lista dos nomeados com algumas consideraçãos minhas baseadas nas sinopses.

The Colony de Audrey Magee – Este foi o livro que vi mais vezes citado nas fontes que leio como um possível candidato, e que parece reunir mais consenso. Passa-se numa ilha irlandesa remota, em 1979, que vai ser visitada por um italiano e um francês que têm visões radicalmente diferentes sobre o que deve ser o destino da ilha. Ao mesmo tempo, os seus habitantes também querem ter uma palavra a dizer. Este livro parece-me interessante, até porque junta a isto a pano de fundo que se vivia na Irlanda nesta altura, fiquei com vontade de ler!

After Sapho de Selby Wynn Schwartz – Este é um livro sobre mulheres que quebraram padrões e que forçaram barreiras nos inícios do século XX. Tem excelentes críticas no Goodreads, mas não parece ser muito ao meu gosto. 

Glory de NoViolet Bulawayo – O que se segue num país quando um líder ditatorial de longa data finalmente é afastado? E se essa nação for no reino animal? Esta é a premissa desta sátira à queda de Mugabe no Zimbabwe em 2017. Parece ser um livro muito interessante, e esta autora já não é nova nestas andanças de ser nomeada para os Booker. 

Small Things Like These de Claire Keegan – Mais um livro passado na Irlanda, em 1985, sobre Bill Furlong, um homem normal com uma vida banal, mas que tem a oportunidade de fazer uma coisa extraordinária. Esta sinopse dá-me imensa vontade de pegar já no livro, e o facto de ser só 118 páginas ajuda muito também. 

Nightcrawling de Leila Mottley – a história de dois irmãos adolescentes que moram em Oklahoma City e que precisam de sobreviver sozinhos num mundo complicado e cheio de dificuldades. O retrato da probreza, da adversidade que podemos encontrar em grandes centros urbanos. Pareceu-me muito interessante e fiquei com imensa vontade de ler, apesar de pressentir que vai ser bastante difícil. Esta foi a autora mais nova de sempre a ser nomeada, com 20 anos. 

Maps of Our Spectacular Bodies de Maddie Mortimer – Este é um título fabuloso para um livro, e só por aí já chama a atenção. Conta-nos a história de Lia, o seu marido e a sua filha adolescente, e o seu percurso após Lia ser diagnosticada com cancro terminal. Se alguém ler, que me diga se é tão bom como parece. Não está na minha lista de livros para ler, porque nesta altura do campeonato tento proteger-me de sofrimento desnecessário.  

Case Study de Graeme Macrae Burnet – Este livro mistura realidade com ficção, já que um dos personagens, o Dr. Collins Braithwaite, existiu mesmo e tem uma história curiosa. Neste livro a nossa personagem principal acha que a irmã cometeu suicídio depois de ser paciente de Braithwaite, e assume uma nova identidade para se tornar também ela paciente e tentar descobrir o que aconteceu com a irmã. A premissa parece-me muito interessante, quase um thriller, e fiquei definitivamente curiosa por ler. Vai para a lista. 

Treacle Walker de Alan Garner – Este livro tem críticas excelentes, mas devo dizer que mesmo após ter lido a sinopse, não sei bem do que se trata. A amizade entre um rapaz e um caminhante, imersa em mitos e lendas rurais, pelo que percebi. Não está na minha lista de prioritários para ler. 

The Trees de Percival Everett – Uma série de assassinatos estranhos no Mississipi são difíceis de ser investigados por pouca colaboração da polícia local, mas quando se começa a perceber as ramificações, percebe-se que estamos perante algo muito estranho. Esta é a premissa inicial dum livro que é muito estranho e muito actual, já que se foca nas tensões raciais na América, que continuam a ser ainda tema corrente. Parece-me uma boa aposta!

Trust de Hernan Diaz – Ficção histórica sobre um casal dos anos 20 do século passado, que enriquece  imensamente sem se saber bem como. Não me pareceu muito o meu género, não me parece que vá ler. 

Booth de Karen Joy Fowler – Mais uma ficção histórica, desta vez sobre a família de John Wilkes Booth, antes e depois dele ter assassinado o presidente Lincoln. Ficção histórica não é muito a minha praia, este livro tem 480 páginas e as críticas no Goodreads não são famosas. Para já não está na minha lista de livros para ler.

Treacle Walker de Alan Garner – Este livro tem críticas excelentes, mas devo dizer que mesmo após ter lido a sinopse, não sei bem do que se trata. A amizade entre um rapaz e um caminhante, imersa em mitos e lendas rurais, pelo que percebi. Não está na minha lista de prioritários para ler. 

Seven Moons of Maali Almeida de Shehan Karinatilaka – Tendo a personagem principal um apelido tão maravilhoso, obviamente que este livro tem que ser lido. Quero também realçar que tem sido delicioso ver vídeos sobre os nomeados de booktubers anglófonos, e ver como tentam pronunciar isto. That being said, o autor é do Sri Lanka e a trama passa-se na sua capital, Colombo. Maali Almeida aparece morto e tem sete luas para conseguir descobrir como isso aconteceu. Parece-me delicioso, e está no topo da minha lista de livros a ler. 

Oh William! de Elizabeth Strout – O único livro desta lista que eu já li, há precisamente 1 ano, cortesia do Netgalley. É com personagens de livros anteriores, nomeadamente Lucy Barton, mas mesmo se não leram não perdem nada, porque a autora explica tudo o que é necessário, que é pouco. Gostei bastante, é  um livro que se lê muito rápido, e Lucy Barton é uma personagem deliciosa com a qual nos identificamos muito. Não deve ser o vencedor, porque há outros nomeados que são mais falados, mas é um livro que vale a pena ler. 

Já leram algum, ou planeiam ler algum? Partilhem comigo se valeu a pena. 

Boas Leituras!

Os Nomeados do Booker Prize International 2022

booker international 2022

A semana que passou foi cheia de eventos importantes, e não estou só a falar do meu aniversário. Já falei aqui das nomeadas para o Women’s Prize for Fiction, que foram anunciadas no dia 8, mas o Booker Prize International não quis ficar atrás e lançou a sua lista no dia 10.

Concorrem a este prémio obras que foram traduzidas para inglês pela primeira vez, e temos a concurso um conjunto de 13 livros, de 12 países diferentes, de nomes conhecidos e estreantes. Uma lista diversa e com muita coisa que parece interessante, incluindo um autor brasileiro.

Cursed Bunny by Bora Chung, translated from Korean by Anton Hur

After The Sun by Jonas Eika, translated from Danish by Sherilyn Nicolette Hellberg

A New Name: Septology VI-VII by Jon Fosse, translated from Norwegian by Damion Searls

More Than I Love My Life by David Grossman, translated from Hebrew by Jessica Cohen

The Book of Mother by Violaine Huisman, translated from French by Leslie Camhi

Heaven by Mieko Kawakami, translated from Japanese by Samuel Bett and David Boyd

Paradais by Fernanda Melchor, translated from Spanish by Sophie Hughes

Love in the Big City by Sang Young Park, translated from Korean by Anton Hur

Happy Stories, Mostly by Norman Erikson Pasaribu, translated from Indonesian by Tiffany Tsao

Elena Knows by Claudia Pineiro, translated from Spanish by Frances Riddle

Phenotypes by Paulo Scott, translated from Portuguese by Daniel Hahn

Tomb of Sand by Geetanjali Shree, translated from Hindi by Daisy Rockwell

The Books of Jacob by Olga Tokarczuk, translated from Polish by Jennifer Croft

Já leram algum? Parecem-vos interessantes? Eu acho que vou esperar pelos finalistas antes de me decidir a ler algum.

Até lá, Boas Leituras!

Vencedor Prémio Booker 2021

booker 2021

Foi anunciado no passado dia 3 de Novembro o vencedor do prémio Booker deste ano. The Promise, do sul-africano Damon Galgut, que nos fala da história duma família que vive numa quinta perto de Pretória, como a sua dinâmica vai mudando ao mesmo tempo que o panorama do país também evolui e cria novos desafios.

Tem um excelente rating no Goodreads, 4.09, e as pessoas são consensuais a descrever que a narrativa e a escrita são o grande motor do livro, o que deixa o leitor mesmo agarrado às páginas.

Parece-me interessante e complexo, e certamente entrou na minha lista de livros para ler. Já o leram?

Até lá, Boas Leituras!

Finalistas do Booker Prize 2021

booker 2021 shortlist

Foram anunciados no passado dia 14 de Setembro os finalistas do prémio Booker deste ano. Quando falei aqui na lista de nomeados tinha dito que nenhum me tinha parecia particularmente apelativo, e passado este tempo a minha opinião não mudou. No entanto, alguns destes títulos têm estado a fazer furor nas redes sociais livrólicas, por isso provavelmente sou eu que estou enganada.

De notar também o facto que Kazuo Ishiguro, laureado com um prémio Nobel, ficou de fora da lista. Não é de estranhar, porque as opiniões que tenho lido ou visto não têm sido muito favoráveis.

Deixo em baixo um pequeno resumo de cada finalista. Já leram algum?

A Passage North, Anuk Arudpragasam – O autor é do Sri Lanka, de origem Tamil, e estudou nos Estados Unidos. O personagem principal vive com o mesmo contexto e retorna ao Sri Lanka para um funeral. Seguimos a sua jornada pelo país que lhe faz falta, mas que ao mesmo tempo já está tão distante. Parece-me bonito, mas demasiado introspectivo para a minha cabeça agora.

The Promise, Damon Galgut – Livro de um autor sul-africano, passado em Pretória, que fala sobre a promessa de um novo mundo no país, mas em como muitas instâncias as coisas não mudaram assim tanto. Tudo contado pela observação duma família que se desmorona.

No One is Talking About This, Patricia Lockwood – uma história sobre a loucura das redes sociais, o seu contraste com a vida real, e o peso que têm na vida moderna. Tem uma sinopse muito apetecível, infelizmente algumas pessoas cuja opinião literária prezo muito não ficaram convencidas, por isso acho que vou passar.

The Fortune Men, Nadifa Mohamed – o que acontece quando um pequeno criminoso, étnico, é acusado dum assassinato em Cardiff nos anos 50? É nessa viagem que este livro nos pretende levar. Parece muito interessante.

Bewilderment, Richard Powers – outro autor muito conhecido que já ganhou um Pulitzer. Esta é a história dum pai viúvo que tem um filho de 9 anos com necessidades especiais. Demasiado específico para eu conseguir ler nesta altura, mas adorei a sinopse.

Great Circle, Maggie Shipstead – mais um livro passado nos EUA de antigamente (aqui cerca de 1914), e mais um com duas linhas temporais diferentes. Não me parece muito para o meu palato.

Boas Leituras!

Nomeados Para o Booker Prize 2021

booker prize 2021 longlist

Parece que ainda ontem saiu o nome do vencedor do Booker International, e já estamos novamente na altura do Booker Prize 2021. São 13 os nomeados, como de costume, e vou deixar as minhas impressões acerca de todos eles. Ainda não li nenhum e só conheço Kazuo Ishiguro, apesar de também ainda não ter lido nada dele. Isso é bom, significa que tenho mais autores para explorar.

A Passage North, Anuk Arudpragasam – O autor é do Sri Lanka, de origem Tamil, e estudou nos Estados Unidos. O personagem principal vive com o mesmo contexto e retorna ao Sri Lanka para um funeral. Seguimos a sua jornada pelo país que lhe faz falta, mas que ao mesmo tempo já está tão distante. Parece-me bonito, mas demasiado introspectivo para a minha cabeça agora.

Second Place, Rachel Cusk – Uma mulher que vive numa zona costeira convida um artista famoso para a visitar, na esperança de ganhar algum conhecimento sobre a sua zona e a sua vida. Apenas pela descrição não me parece apelativo. Se já leram, digam-me o que acharam.

The Promise, Damon Galgut – Livro de um autor sul-africano, passado em Pretória, que fala sobre a promessa de um novo mundo no país, mas em como muitas instâncias as coisas não mudaram assim tanto. Tudo contado pela observação duma família que se desmorona.

The Sweetness of Water, Nathan Harris – passado na Georgia (EUA) mesmo após o final da guerra civil. É o primeiro livro deste autor e tem críticas excelentes no Goodreads.

Klara and the Sun, Kazuo Ishiguro – este é sem dúvida o título mais conhecido desta lista. O autor é laureado com um prémio Nobel, o livro já foi traduzido para português, o tema (inteligência artificial) é pertinente e moderno.

An Island, Karen Jennings – um faroleiro vive sozinho numa ilha até um refugiado vir parar à sua costa. Isso leva-o a repensar o conceito de terra, pertença e os horrores a que ele próprio tinha fugido. Mais um livro com um tema muito atual.

A Town Called Solace, Mary Lawson – uma cidade pequena canadiana nos anos 70, e várias pessoas com histórias complicadas. Esta parece-me a sinopse mais ao meu gosto.

No One is Talking About This, Patricia Lockwood – uma história sobre a loucura das redes sociais, o seu contraste com a vida real, e o peso que têm na vida moderna. Tem uma sinopse muito apetecível, infelizmente algumas pessoas cuja opinião literária prezo muito não ficaram convencidas, por isso acho que vou passar.

The Fortune Men, Nadifa Mohamed – o que acontece quando um pequeno criminoso, étnico, é acusado dum assassinato em Cardiff nos anos 50? É nessa viagem que este livro nos pretende levar. Parece muito interessante.

Bewilderment, Richard Powers – outro autor muito conhecido que já ganhou um Pulitzer. Esta é a história dum pai viúvo que tem um filho de 9 anos com necessidades especiais. Demasiado específico para eu conseguir ler nesta altura, mas adorei a sinopse.

China Room, Sunjeev Sahota – uma história absolutamente deliciosa sobre 3 irmãs indianas que em 1929 casam com 3 irmãos, mas não sabem qual deles é o seu marido, já que a sogra lhes proíbe o contacto durante o dia. Tem reminiscências de Salman Rushdie, e até agora é o que mais me apetece ler.

Great Circle, Maggie Shipstead – mais um livro passado nos EUA de antigamente (aqui cerca de 1914), e mais um com duas linhas temporais diferentes. Não me parece muito para o meu palato.

Light Perpetual, Francis Spufford – Várias personagens em Londres em 1944. É este o resumo.

Bom, sou eu que posso estar a ficar demasiado esquisita, mas este ano a lista não me parece muito interessante. Estou de olho nos blogues e youtubes para ver se algum causa comoção, mas até lá creio que tenho demasiados livros em espera para pegar nalgum destes.

Já leram algum, aconselham? Digam-me tudo!

E até lá, Boas Leituras!

Vencedor do Booker Prize 2020

Booker Prize 2020

No passado dia 19 foi anunciado o vencedor do prémio Booker 2020. O evento este ano foi totalmente feito à distância, por video conferência e transmitido pela BBC 4 Radio, tudo efeitos da pandemia. 

O vencedor foi o livro de estreia de Douglas Stuart, baseado na sua infância passada em Glasgow nos anos 80, com uma mãe alcoolica e um Reino Unido mergulhado em pobreza e agitação. Parece-me um livro bastante interessante, talvez um bocadinho mais pesado do que o meu cérebro consegue acompanhar agora, mas definitivamente para manter na interminável lista de livros a ler. 

Boas Leituras!