Livros que Recomendo – Cathy

cathy

Algures no início dos anos 90 começou a ser traduzida para português a BD Cathy, editada pela Gradiva. Nesse Natal eu e a minha melhor amiga oferecemo-nos mutuamente o livro, sem uma saber da outra. Cathy é uma BD que foi publicada nos Estados Unidos diariamente de 1976 a 2010 e reflectia a “mulher real”. Pelo menos uma mulher real com a qual nos podíamos relacionar. Sempre a lutar com o peso, namorados errados, e uma mãe que o que mais queria é que ela estivesse no lugar da Princesa Diana e casasse com realeza.

Muito divertido e escrito com muito auto-conhecimento, estas BD’s proporcionaram-me muitas horas de diversão, até a minha vida ter mudado de direcção e a personagem deixar de se adequar tanto à minha própria realidade.

Ainda devo ter muitos volumes em casa dos meus pais, que um dia gostarei de reler. Creio que na maior parte as piadas já estarão datadas, e mesmo o tipo de desenho já parece muito rústico, mas creio que o espírito divertido de auto-censura ainda se manterá. Para quem não se importa com o inglês, todas as tiras podem ser encontradas aqui, e uma descrição da autora aqui.

Recomendo a todos os amantes de BD e de mulheres reais.

Boas Leituras.

Hoje Também Não Recomendo Livros

estante

Já há cerca de dois anos que recomendo livros à sexta feira para nos alegrar os fins de semana. Segundo os meus registos já aqui falei de 86 livros, que de uma maneira ou outra me encheram as medidas, me deixaram recordações e que achei pertinente partilhar com os outros.

O ano passado pedi recomendações e recebi excelentes ideias de leitura, por isso este ano pergunto o mesmo. Que livros vos chamaram a atenção nos últimos tempos e que desejam recomendar?

Boas Leituras!

Os Poirots e a Acuidade Cerebral

050417_AlwaysTired
Imagem daqui

Pois como os leitores deste espaço já sabem, temos um jaquinzinho de 7 meses cá em casa. E quem já conviveu com essa realidade sabe o impacto que tem no cérebro duma pessoa. Não é só a falta de dormir, se bem que esse é o factor principal, mas também as mudanças hormonais que perduram no tempo, e o facto de termos sempre tarefas para fazer. Para além das prazeirosas, como brincar com o piolho, cantar para ele, temos também fraldas para mudar, sopas para fazer, biberões a meio da noite, e isso faz com que a capacidade cerebral disponível para outras actividades seja muito diminuta.

Já a contar com isso tinha baixado o meu objectivo anual no Goodreads de 50 para 30. O que não contava é que tivesse tanta dificuldade em seguir livros mais elaborados.

Na tentativa de pôr o cérebro a mexer já pus de lado 5 livros:

Glamorama de Brett Easton Ellis: OK, neste a culpa não é só do meu cérebro. Gostei imenso do American Psycho e outros livros do autor, por isso resolvi pegar neste achando que era um valor seguro. Enganei-me. É uma sátira à star culture dos anos 90, mas o constante desfilar de nomes de celebridades aborreceu-me imenso. Ao fim de 39% de livro desisti e não sei se lá irei voltar.

Death by Black Hole de Neil deGrasse Tyson: talvez um livro de astrofísica seja exagerar um bocadinho nesta altura do campeonato. Ainda aguentei alguns capítulos, mas quando adormeci no autocarro a voltar do trabalho percebi que tenho que o deixar para outra altura. Mas irei ler com certeza, porque está interessante e bem escrito.

The Evolutionary Mechanism of Human Dysfunctional Behavior de Ivan Fuchs: tendo o curso de biologia e interesse em ler sobre o assunto achei que este não poderia falhar. Uma abordagem genética à psiquiatria tinha tudo para correr bem. Só que não. Na realidade isto pareceu-me uma tese de doutoramento transformada em livro, e não dum modo muito apelativo. Fica para mais tarde, mais um para acrescentar à lista.

Dentro da Noute, Contos Góticos, compilado por Ricardo Lourenço: este foi aquele em que cheguei mais longe. Uma antologia de contos de escritores clássicos, portugueses e brasileiros, sempre na vertente gótica e macabra. Li todos os portugueses (desde Eça a Florbela Espanca, para nomear os meus favoritos), mas já não continuei para os brasileiros. Culpa inteiramente minha, que me cansei da linguagem antiga e rebuscada. A vantagem de serem contos é que em qualquer altura leio mais um.

Physics of the Impossible de Michio Kaku: mais um de física, que só um não chegava. Um livro onde um conceituado físico analisa vários exemplos de ficção científica para perceber se são impossibilidades científicas ou se com o avanço da ciência virão um dia a ser possíveis. Passamos por Klingons e Harry Potter, e é muito engraçado. Voltarei a ele com certeza.

E pronto, enquanto não melhoro a minha capacidade cerebral tenho sempre os mistérios do Poirot e do Inspector Maigret para me animar. Mas espero voltar a alguns destes livros num futuro próximo. Se tiverem lido algum, digam se vale a pena.

Boas leituras!

Livros que Recomendo – Ghostwritten

david mitchell

Já não é a primeira vez que falo aqui de David Mitchell, já que li alguns livros dele desde que comecei o Peixinho, e até já recomendei o Cloud Atlas. Foi com Cloud Atlas que conheci este autor. Primeiro vi o filme, depois li o livro que achei muito original e entusiasmante, e depois disso resolvemos ler toda a obra do autor por ordem de publicação, o que nos leva a Ghostwritten, o seu primeiro livro.

David Mitchell viveu alguns anos no Japão o que deu um toque muito especial e exótico à sua escrita, que tem muitos temas asiáticos. Este seu primeiro livro é uma colecção de histórias, aparentemente sem relação umas com as outras, mas que facilmente nos apercebemos que um aspecto da anterior passa sempre para a história seguinte. Como diz um jornalista da TVI, isto anda tudo ligado. Mas neste caso não se percebe imediatamente o que liga cada história, e se há algum fio condutor que una todo o livro. Isso vai sendo desvendado ao longo do livro, e tudo está conectado, tal como dum modo mais abrangente toda a obra de David Mitchell se comporta como se fosse uma história gigante.

Foi ao ler recentemente o Bone Clocks que me lembrei deste livro, já que uma entidade presente no primeiro livro está consideravelmente mais desenvolvida no mais recente. Também vários personagens de Ghostwritten vão aparecer mais tarde noutros livros do autor, sempre com outro prisma e com algo mais adicionado à sua história.

Recomendo a todos aqueles que gostam de boas histórias, bem contadas, que nos mantêm agarrados ao livro ansiosos por saber o fim. Também a quem gosta de histórias exóticas e que nos deixam ansiosos por mais.

Boas leituras!

Man Booker 2019

Man Booker 2019

Já fio há alguns dias que foram anunciados os finalistas do Man Booker deste ano, mas já sabem que no Peixinho a moda agora são as notícias atrasadas. Falei há algum tempo de todos os finalistas aqui, e este ano pela primeira vez escolheram-se duas vencedoras, Margaret Atwood e Bernardine Evaristo.

Dois livros e autoras muito diferentes, mas de certa forma literatura feminina, sobre a condição das mulheres. Em relação a The Testaments tenho sentimentos contraditórios. Por um lado quero ler porque gostei muito do Handmaid’s Tale, por outro tenho algum receio que este livro só tenha aparecido por causa do sucesso da série e que eu vá acabar por me desiludir.

No entanto, ao ritmo que tenho andado a ler ultimamente, estará na minha lista de livros a ler até 2035, por isso não é caso para me preocupar já.

Se lerem algum dos dois venham cá dizer-me se vale a pena.

Boas Leituras!

Livros que Recomendo – Retrato Dum Artista Quando Jovem

james joyce

Por algum motivo que me escapa, sempre confundi este livro com o Retrato de Dorian Gray, que recomendei aqui no Peixinho há algum tempo. Creio que foi por os ter lido na mesma altura, e por ambos terem retrato no nome. No entanto as semelhanças não são muitas mais, exceptuando talvez o facto que James Joyce e Oscar Wilde eram irlandeses.

Este livro foi o primeiro que li deste autor, e único até agora. Não sei o tamanho dos outros me intimida, se simplesmente ainda não me senti suficientemente motivada para os ler, mas a impressão com que fiquei deste livro foi bastante boa.

O retrato do artista quando jovem é mesmo o que o título diz. Uma ficção inspirada na juventude do próprio autor, e em que Stephen Dedalus é como que o seu espelho. Tal como James Joyce, Stephen também nasceu na Irlanda, filho de pais muito católicos, e com uma relação conturbada. Com uma infância conturbada, e depois de uma passagem traumática por um colégio católico,  Stephen questiona a sua identidade e os seus valore e acaba por sair da sua Irlanda natal e embarcar rumo à Europa, mais liberta de tradicionalismos.

Escrito num estilo modernista, em que a linguagem se vai adaptando ao crescimento da personagem, este livro tem também inspiração no mito grego de Dédalo, o grande artesão. Foi também aqui que Joyce lançou as fundações para a sua obra maior Ulysses.

Recomendo a todos os que gostam de literatura clássica, de ler livros bem escritos e diferentes. Aqui deixo-vos o link onde podem obter a versão digital gratuita, pois já está em domínio público.

Boas Leituras!

Livros que Recomendo – A Máquina do Tempo

HGWElls

O Peixinho anda virada aos clássicos nas últimas semanas. Desta vez escolhi um clássico de ficção científica, por um dos mestres, H. G. Wells. A máquina do tempo foi uma expressão que apareceu pela primeira vez nesta novela e a partir daí nunca mais deixou de ser utilizada. Uma máquina como instrumento para nos fazer viajar através de diferentes épocas foi uma ideia que apelou ao nosso imaginário colectivo e que tem sido utilizada infinitamente desde a publicação deste livro em 1895.

O nosso viajante do tempo, como a personagem é apresentada, é um cientista e um inventor, explica aos seus convidados de jantar que descobriu que o tempo é uma quarta dimensão que pode ser percorrida como as outras e que está a construir uma máquina para o fazer.

Na semana seguinte convida as mesmas pessoas e assume a narração da história para contar tudo aquilo que viu nas suas viagens. A partir daí entramos num mundo fantástico em que nos é relatada a evolução do planeta através das paragens que o nosso viajante vai fazendo, descobrindo cada vez mais diferenças até à espécie humana estar quase irreconhecível. Temos aqui uma forte alegoria à diferença entre classes, à industrialização e ao fim do mundo como o conhecemos.

Este livro já deu azo a muitos estudos académicos, e inúmeras obras relacionadas, quer em livro, quer em teatro e cinema.  Todo um mundo de obras que se baseiam nesta simples premissa, que viajar no tempo é possível e desejável.

Recomendo muito este livro, não só a amantes de ficção científica, mas a todos os que gostam de ler os clássicos, de descobrir livros bem escritos e que serviram de inspiração a tantos outros. Eu gostei muito e sinto que tenho de o reler em breve.

Boas Leituras!

Acabei de Ler – A Change of Time

change of time

Keep scrolling if you prefer to read in English

Depois do último título do Netgalley ter sido um prazer tão grande de ler, entusiasmei-me e pesquisei que mais tinha na minha pastinha do Kindle. E descobri este livro, duma autora dinamarquesa pouco conhecida entre nós, mas bastante relevante no seu país, e agora traduzida para inglês. Quem segue o Peixinho sabe que eu gosto de me afastar da hegemonia do mundo anglo-saxónico sempre que tenho essa oportunidade, e esta foi mais uma dessas vezes.

A Change of Time é uma narrativa construída com base no diário escrito pela protagonista, uma professora primária retirada, casada com o médico duma pequena vila dinamarquesa. A trama passa-se no início do século XX, quando o mundo era muito diferente e se encontrava em grande mudança. Quando fica viúva, de repente todo um mundo de possibilidades se abre, tão vasto como assustador.

E tal como o nome indica, este livro reflecte a passagem do tempo, desde as estações do ano, aos anos que passam pela nossa vida. O que muda em nós quando o tempo passa, o que muda no mundo que nos rodeia, e a percepção que temos dele. É um livro bonito e introspectivo, um pouco ao estilo dos filmes escandinavos, que nos fazem pensar sem grandes explosões a acontecer no ecrã.

Como sempre, acho difícil que este livro seja traduzido para português, graças à pequena dimensão do nosso mercado, dominado pelos suspeitos do costume, mas se dominarem o inglês isso não será obstáculo.

Recomendo a todos os que gostam de livros bonitos, diferentes, com tempo.

Boas Leituras

Goodreads Review

After having so much pleasure reading the last Netgalley book, I decided to look at my Kindle once again and choose another one. And I came across this one, a book from a Danish author, not very known in Portugal, but well known in her home country. This has now been translated into English and as you might know, I like to experiment with other books that are not from the Anglo-Saxon universe.

A Change of Time is built from diary entries from a former school teacher that is married to the local doctor. He is a domineering husband, and when he dies she is left with all the choices that are now in front of her.

This book reflects the passage of time, either in our lives, the seasons, the world around us and our perception of it. Everything changes and we change with it. It’s a beautiful and introspect book, just like Scandinavian movies, that make us think without all the fireworks we see nowadays.

Unfortunately I find it difficult that this book will be translated into Portuguese, as our market is so small, nonetheless if you are proficient in English you will not find it difficult to read.

Recommend it to all those that like beautiful slow paced books.

Happy Reading!

Finalistas do Man Booker 2019

manbooker

Desde que nasceu o jaquinzinho, o Peixinho parece aqueles jornais regionais que dão as notícias com um mês de atraso. Isto para dizer que já saíu a lista de finalistas para o Man Booker 2019 no dia 3 de Setembro, e só agora venho aqui falar disso.

Este ano temos 6 finalistas de peso, alguns nomes já aqui falados, como Margaret Atwood e Salman Rushdie, outros que quero ler como Elif Shafak. Este ano ainda não tive a oportunidade de ler nenhum deles, mesmo tendo alguns estado disponíveis no Netgalley. Aliás o de Salman Rushdie ainda lá está, mas só em wish list.

Fico curiosa para saber quem vai ser o vencedor, porque este ano promote. Se alguém já leu algum destes livros, partilhe comigo se vale mesmo a pena. A 14 de Outubro saberemos o vencedor, ou, se seguirem pelo Peixinho, algum tempo indeterminado depois. Em baixo, a lista completa.

Margaret Atwood, The Testaments – sequela do Handmaid’s Tale, o seu livro tornado ainda mais famoso pela série de TV. Passa-se 15 anos depois do final do livro anterior.

Lucy Ellmann, Ducks Newburyport – um retrato acutilante da América dos dias de hoje, feito por uma dona-de-casa do Ohio. Pelo resumo que li parece-me bastante interessante.

Bernardine Evaristo , Girl, Woman, Other – seguimos os destinos de 12 personagens negras e britânicas por todo o país.

Chigozie Obioma , An Orchestra of Minorities – amores desencontrados na Nigéria e a história de Chinonso, que por amor vai tentar estudar no Chipre, e o que se segue é uma odisseia inspirada em Homero.

Salman Rushdie, Quichotte – Como este autor já nos habituou, este livro está recheado de humor, acção e ritmo. Um conto de amor quixotesco passado na América dos dias de hoje.

Elif Shafak, 10 Minutes 38 Seconds in This Strange World – talvez o mais interessante de todos os finalistas, na minha humilde opinião. Nos primeiros minutos após a sua morte, Leila vai relembrando as memórias mais relevantes da sua vida, com todos os sentidos, enquanto os amigos a tentam descobrir. Sem dúvida um livro a descobrir.

Boas Leituras!

Livros que Recomendo – Fernão Capelo Gaivota

fernaocapelogaivota

Quando eu era adolescente Richard Bach estava muito na moda, e este era o seu livro bandeira. Era um daqueles escritores como agora há muitos, de se escrever as frases favoritas em caderninhos e depois escrever nos postais de aniversário dos amigos, no tempo em que não era só uma frase com efeitos no Facebook.

Sendo aviador, os seus livros estão cheios de referências a aviões e ao acto de voar, uma espécie de Saint-Exupery dos pobres. No entanto, e apesar deste começo tão desolador, há méritos neste livros de 1970.

O nosso protagonista é uma gaivota que se cansa da vida diária, das lutas por comida, do quotidiano sem significado, e acredita que voar há-de ser mais que apenas um modo de deslocação. Porque não retirar prazer dessa actividade, aperfeiçoá-la? Ele começa então a fazer acrobacias, a tentar todos os dias voar melhor, e isso faz com que seja incompreendido pelo seu bando e posto de parte. Esta é a primeira parte desta fábula, que fala sobre nós e o nosso desejo de aperfeiçoamento constante, a nossa relação com Deus e com os outros, usando as gaivotas como pano de fundo.

Poderá ter saído de moda, e já não andar nas bocas do mundo, mas não deixa de ser uma boa reflexão, que nos faz pensar, trazida dum modo leve e despretensioso. Não será com certeza pior que os Chagas Freitas desta vida.

Recomendo a todos os que gostam de livros que nos ajudam a pensar, levezinhos e que nos prendem a uma história.

Boas Leituras!