O Esterco do Mundo

jose tolentino mendonça

Tenho amigos que rezam a Simone Weil;
Há muitos anos reparo em Flannery O’Connor

Rezar deve ser como essas coisas
que dizemos a alguém que dorme
temos e não temos esperança alguma
só a beleza pode descer para salvar-nos
quando as barreiras levantadas
permitirem
às imagens, aos ruídos, aos espúrios sedimentos
integrar o magnífico
cortejo sobre os escombros

Os orantes são mendigos da última hora
remexem profundamente através do vazio
até que neles
o vazio deflagre

São Paulo explica-o na Primeira Carta aos Coríntios,
«até agora somos o esterco do mundo»
citação que Flannery trazia à cabeceira

José Tolentino Mendonça in “A noite abre meus olhos – Poesia reunida”

Anúncios

Colheita de 98

jose-miguel-silva

Comprei ontem no supermercado
uma garrafa de maduro tinto do Ribatejo.
Se o rótulo não mente, estou perante
um vinho de cor granada, um corpo excelente,
sabor e aroma muito acentuados,
com alguma evolução e persistência.

Talvez não seja o Bem, a Beleza, a Verdade,
mas é melhor do que a minha vida incorpórea,
caprichosa, sem evolução,
de cor avinagrada e aroma nenhum.

Além disso é garantido por testes laboratoriais,
enquanto eu – quem me garante o quê?

José Miguel Silva

14

goncalo m tavares

A história da dança não é, não pode ser, o Percurso dos Movimentos traçado no chão.

É, tem de ser, o Percurso dos Movimentos Traçado no ar.

Acreditar que os Pássaros são resto de COREOGRAFIAS. Imagens do corpo que ficaram atrás, suspensas.

(As nuvens ainda, tudo o que é alto, o céu.)

Os pássaros são restos de COREOGRAFIAS.

Gonçalo M Tavares in o Livro da Dança

De Profundis Amamus

cesariny

Ontem às onze fumaste um cigarro encontrei-te sentado ficámos para perder todos os teus eléctricos os meus estavam perdidospor natureza própria
Andámosdez quilómetros
a pé
ninguém nos viu passar
excepto
claro
os porteiros
é da natureza das coisas
ser-se visto
pelos porteiros
Olha
como só tu sabes olhar
a rua os costumes
O Público
o vinco das tuas calças
está cheio de frio
e há quatro mil pessoas interessadas
nisso
Não
faz mal abracem-me
os teus olhos
de extremo a extremo azuis
vai ser assim durante muito tempo
decorrerão muitos séculos antes de nós
mas não te importes
não te importes
muito
nós só temos a ver
com o presente
perfeito
corsários de olhos de gato intransponível
maravilhados maravilhosos únicos
nem pretérito nem futuro tem
o estranho verbo nosso

 

Mário Cesariny

Blues da Morte de Amor

vasco-graca-moura

já ninguém morre de amor, eu uma vez
andei lá perto, estive mesmo quase,
era um tempo de humores bem sacudidos,
depressões sincopadas, bem graves, minha querida,
mas afinal não morri, como se vê, ah, não,
passava o tempo a ouvir deus e música de jazz,
emagreci bastante, mas safei-me à justa, oh yes,
ah, sim, pela noite dentro, minha querida.

a gente sopra e não atina, há um aperto
no coração, uma tensão no clarinete e
tão desgraçado o que senti, mas realmente,
mas realmente eu nunca tive jeito, ah, não,
eu nunca tive queda para kamikaze,
é tudo uma questão de swing, de swing, minha querida,
saber sair a tempo, saber sair, é claro, mas saber,
e eu não me arrependi, minha querida, ah, não, ah, sim.

há ritmos na rua que vêm de casa em casa,
ao acender das luzes, uma aqui, outra ali.
mas pode ser que o vendaval um qualquer dia venha
no lusco-fusco da canção parar à minha casa,
o que eu nunca pedi, ah, não, manda calar a gente,
minha querida, toda a gente do bairro,
e então murmurarei, a ver fugir a escala
do clarinete: — morrer ou não morrer, darling, ah, sim.

Vasco Graça Moura

Acabei de Ler – Poesia de Alberto Caeiro

fernando-pessoa

Para quem tem um e-reader há um recurso em português que é incontornável, que é o projecto Adamastor. Nele encontramos vários livros gratuitos para download que já estão em domínio público.

Uma das coisas que tirei de lá foram vários livros de poemas de Fernando Pessoa e seus heterónimos. Desta vez escolhi ler Alberto Caeiro.

Não me vou alongar em considerações sobre quem era este heterónimo, a sua biografia ou filosofia. Há muitos recursos disponíveis na Internet que o explicarão melhor que eu. Saliento apenas que era um poeta profundamente ligado à natureza e ao visível, que sentia a realidade com os seus sentidos em vez de com o pensamento. “Pensar é estar doente dos olhos” diria ele num dos seus poemas do Guardador de Rebanhos.

Eu gosto da sua visão realista sobre a natureza e o que nos rodeia. A forma simples como ele encara o mundo fá-lo viver no aqui e agora, sem ansiedades sobre o futuro, ou expectativas irrealizáveis. Por isso não teme a morte nem o dia de amanhã, uma porque é natural, o outro porque não existe.

Acho que é uma visão libertadora do mundo, e que nos pode beneficiar a todos.

Aconselho a todos os amantes de poesia, e de pensar.

Boas leituras!

Goodreads Review

Livros que Recomendo – Cemitério de Pianos

cemiterio de pianos

 

Hoje venho recomendar um livro de José Luís Peixoto, autor que gosto particularmente, apesar de não ser fã militante e de frequentemente precisar de intervalos para digerir a sua prosa.

Este livro foi particularmente interessante para mim. É uma história familiar, estendida no tempo, com vários pontos de vista e vários personagens a relatar as suas memórias de forma intercalada. É necessário muita concentração para não perder o fio à meada, mas vale certamente a pena. Está recheado de personagens fortes e interessantes, que relatam a maravilha que é a vida quotidiana ao longo de gerações, com as suas alegrias, mas sobretudo com os seus sofrimentos.

Tem o bónus adicional de uma das personagens ser baseada na história verídica do maratonista português que morreu na maratona de Estocolmo em 1912. A morte está muito presente neste livro, e a forma como lidamos com ela e a encaramos. A morte como parte da vida.

Recomendo a todos os fãs do José Luís, e de boa literatura que nos faz pensar.

Boas Leituras.