O Peixinho foi a banhos

Praia Carvalhal

Como todo o português que se preze, se a comunicação social anuncia bom tempo para o fim de semana, o Peixinho também ruma à praia. Desta vez fomos até à Praia do Pego, na zona da Comporta, já que a época balnear ainda não começou e essa zona ainda não se tornou insuportável. São praias bonitas e naturais, mas longe e caras de lá chegar, e normalmente muito cheias mal começa o bom tempo a sério. No entanto nesta altura são ainda muito pacatinhas.

Aproveitámos para dar um salto a Alcácer do Sal primeiro e almoçar no magnífico restaurante Porto Santana. A sério, se não conhecem, vale a pena o desvio só para conhecer. A açorda de tomate é maravilhosa, e isto vem duma pessoa que não gosta de açorda.

Entretanto a minha terceira actividade favorita para fazer na praia a é ler. A primeira é obviamente tomar um belo banho de mar (estava demasiado frio/demasiada açorda hoje) e a segunda uma grande caminhada. Mas logo a seguir vem estar tranquilamente a ler ao som do mar. E como sou um bocadinho… picuinhas… obsessiva… com determinadas coisas, não consigo levar o Kindle para a praia por medo de o estragar com areia em orifícios estranhos. Assim aproveito para finalmente ler os livros em papel que ando a negligenciar, como este que comprei numa promoção da Ler Devagar já no ano passado e ainda não lhe tinha pegado. Li umas páginas (sim, confesso, foi o título que me atraiu), e a estranheza do que li fez-me comprá-lo imediatamente. Finalmente comecei a ler e não estou desiludida. Em breve a review.

Leio por Aqui – Praça de Londres

Praca de Londres

Para aproveitar todos os raios de sol possíveis e desintoxicar duma semana de ar condicionado gosto de, sempre que possível, ler um bocadinho numa esplanada.

Fomos passear para a zona do Areeiro, e depois da dica que me deram no artigo sobre as pequenas bibliotecas resolvi investigar a Cabine de Leitura que sugeriram nos comentários. Como era meio da tarde dum sábado, estava fechada, mas deu para dar uma espreitadela aos títulos e variedade disponível, e gostei do que vi. Muitos títulos interessantes e mesmo livros de criança.

Entretanto aproveitámos para nos sentarmos no quiosque do Bananacafe a desfrutar do solinho bom. É um sitio muito sossegado, com música ambiente mas nada de exagerado e bastante dog friendly. Eu que o diga que estive a ler com uma cadela gigante sentada aos meus pés e a pedir-me uma festa ocasional. Aconselho, principalmente agora que dizem que o bom tempo finalmente começa para a semana.

Leio por Aí – Café

Leio Por Aqui_Cafe

Almoço quase sempre  (bem) acompanhada nos dias de trabalho, mas sempre que isso não acontece, a companhia é outra.

Aí aproveito para estar sentada num café, de preferência sossegado, com uma bica bem tirada, sem açúcar como manda a praxe, e avançar mais umas páginas ou mesmo mais uns capítulos consoante o livro seja de ler ou de devorar.

Depois disso, mesmo que o veredicto seja voltar ao trabalho por mais umas horas, volta-se mais leve, e com mais vontade.

Leio por Aqui – Sofá

Sofa

Já não se aguentam estes dias de chuva e cara feia, mas como eu não sou muito de reclamar da meteorologia prefiro aproveitar o que posso.

Por isso nestes dias feios é fazer um chá quente e embrulhar-me numa manta a ler no sofá. Esperemos mesmo assim que estes dias dêm lugar em breve a mais leituras em praias e esplanadas, que já vem sendo tempo.

Leio Por Aqui – Eucaliptal de Benfica

Leio Por Aqui_Eucaliptal

Quem vê o tempo hoje mal acredita que ainda sexta estava uma magnífica tarde para se estar sentada numa esplanada a ler. Mas na realidade estava um sol que convidava a passar uns momentos de calma e descontracção, mesmo no meio do bulício que é usualmente a minha Páscoa.

Felizmente tenho ao pé de casa um sítio que me permite passar uns momentos mesmo como gosto. Depois de ter estado muitos anos abandonado, o café do eucaliptal foi reactivado há já algum tempo e tem dinamizado uma zona onde por vezes faltam este tipo de equipamentos. Peca talvez por não ser muito barato, e por isso acabo por não ir lá mais vezes.

Mas é muito pacato, e os eucaliptos permitem-nos fazer esquecer que já ali ao lado passa uma estrada com imenso trânsito. Ainda é um segredo aqui do bairro, o nome Koala é o mais indicado a um eucaliptal. Como valor adicional, aderiram ao projecto de mini bibliotecas de Benfica (aqui), por isso quem não traz um livro consigo é só ir lá buscar, na garantia que depois o devolva num dos 10 espaços para o efeito.

Boas leituras.

Leio Por Aqui – Mata de Benfica

Leio por Aqui_Fofo

Hoje que estava um lindissimo dia de sol resolvemos aproveitar para ler ao ar livre. Felizmente não faltam opções em Lisboa para se estar ao sol, mas nem sempre é fácil encontrar a pacatez necessária a uma boa leitura. Não que eu necessite de silêncio absoluto, mas às vezes é dificil encontrar um nível adequado de paz que me permita concentrar e embrenhar na história que tenho em mãos.

Hoje fomos os dois depois de almoço até ao Parque Silva Porto, mais conhecido no bairro como Mata de Benfica. o Fofó tem lá uma esplanada sossegada e gerida por duas senhoras simpáticas e que devem ter achado a nossa dança de cadeiras em busca do sol um bocadinho bizarra.

É um daqueles segredos bem guardados, por um lado porque implica uma subida íngreme até lá, por outro porque tem escapado airosamente à maldição da Time Out. Apareçam.

Leio Por Aqui

Leio Por Aqui_Autocarro

O autocarro, embora não seja o local mais glamouroso do mundo, é efectivamente onde eu leio 80% dos meus livros. Por um lado não enjoo nem me faz diferença aos olhos ler em andamento. Por outro, tenho a “sorte” de ter pelo menos 45 minutos de viagem em cada sentido, o que me permite dar um avanço diário considerável nas minhas histórias.

Ir imersa numa boa história ou numa viagem interessante permite dar outro colorido ao que de outra forma seria uma viagem extremamente monótona e repetitiva. Assim, as minhas idas para o trabalho nunca são iguais.