XLVI

jose-gomes-ferreira

(Finjo que não vejo as mulheres que passam, mas vejo)

De súbito, o diabinho que me dançava nos olhos,
mal viu a menina atravessar a rua,
saltou num ímpeto de besouro
e despiu-a toda…

E a Que-Sempre-Tanto-Se-Recata
ficou nua,
sonambulamente nua,
com um seio de ouro
e outro de prata.

José Gomes Ferreira

Viver Sempre Também Cansa

jose-gomes-ferreira

Viver sempre também cansa!

O sol é sempre o mesmo e o céu azul
ora é azul, nitidamente azul,
ora é cinza, negro, quase verde…
Mas nunca tem a cor inesperada.

O Mundo não se modifica.
As árvores dão flores,
folhas, frutos e pássaros
como máquinas verdes.

As paisagens não se transformam
Não cai neve vermelha
Não há flores que voem,
A lua não tem olhos
Niguém vai pintar olhos à lua

Tudo é igual, mecanico e exacto

Ainda por cima os homens são os homens
Soluçam, bebem riem e digerem
sem imaginação.

E há bairros miseráveis sempre os mesmos
discursos de Mussolini,
guerras, orgulhos em transe
automóveis de corrida…

E obrigam-me a viver até à morte!

Pois não era mais humano
Morrer por um bocadinho
De vez em quando
E recomeçar depois
Achando tudo mais novo?

Ah! Se eu podesse suicidar-me por seis meses
Morre em cima dum divã
Com a cabeça sobre uma almofada
Confiante e sereno por saber
Que tu velavas, meu amor do norte.

Quando viessem perguntar por mim
Havias de dizer com teu sorriso
Onde arde um coração em melodia
Matou-se esta manhã
Agora não o vou ressuscitar
Por uma bagatela

E virias depois, suavemente,
velar por mim, subtil e cuidadosa,
pé ante pé, não fosses acordar
a Morte ainda menina no meu colo..

José Gomes Ferreira

De que tem medo o João?

João Sem Medo.jpg

Já tinha lido este livro há uns anos atrás, emprestado por uma amiga que partilha comigo o gosto por autores portugueses e poesia. E desta vez, quando o vi assim a sorrir para mim na estação de serviço, simplesmente não consegui resistir e tive de trazer o João comigo, relê-lo e partilhá-lo com o Peixinho Vermelho. Posso dizer que é um dos meus livros favoritos de sempre e aquele que penso: quem me dera escrever assim.

Este livro foi originalmente escrito em folhetos em 1933 e passado à forma de romance já em 1963. O próprio autor explica a génese do livro numa nota final, que sabe melhor se lida mesmo no fim. Tudo  se passa em plena ditadura salazarista, e ao lê-lo penso muitas vezes que só a ilusiva aparência de conto infantil o terá deixado escapar à censura. Porque à primeira vista este João é um conto juvenil, mas na realidade é muito mais que isso. É uma sátira à nossa portugalidade que se transpõe não só para os dias de hoje como para o mundo em geral.

Logo para começar, João é habitante de Chora-que-logo-bebes, uma aldeia onde todos choram e se queixam por tudo e por nada, e é isso que o leva a querer ir explorar a realidade para fora dos muros dando inicio à nossa antítese de conto de fadas. Aqui as fadas não são madrinhas nem salvadoras, mas seres que se divertem a manipular e atazanar o João, e para seguirmos o caminho da felicidade temos “apenas” que perder a cabeça e consequentemente a capacidade de pensar por nós próprios.

João é uma lição para todos nós, já que nunca se deixa intimidar com nada do que lhe põe no caminho e aceita sempre as suas provações com estoicismo, ironia e mesmo com altruísmo como na história da varinha de condão.

Recomendo a todos, principalmente aqueles que ainda estão espantados de existir.

– Não te aflijas – serenou-o, recostando a cabeça na moita. – Se eles rugissem, então sim, poderiam ser perigosos… Mas assim… Não os ouves? São poetas, talvez. Cantam as estrelas e a Lua. Louvam a vida e o amor. Vamos, dorme. Abraça-te bem a mim, João Medroso, e não temas a Natureza nem os homens que imitam os pássaros.

Goodreads Review