Feira do Livro 2019

feira do livro 2019

Pois é, já estamos a chegar àquela altura do ano em que qualquer amante de livros se sente entusiasmado e predisposto a separar-se de alguns euros em troca de boa leitura (hum… talvez isso seja o ano todo).

Na realidade, como eu já tenho falado aqui, a Feira do Livro tem sido tomada de assalto pelos grandes grupos editoriais e tem perdido ao longo dos anos aquela mística de livros esquecidos no fundo de baús que são verdadeiros tesouros a preços simpáticos. Quantas vezes eu descobri autores novos simplesmente porque a capa e o ser livro do dia me chamava a atenção e saía da feira com mais um “amigo”.

Mas mesmo assim a feira não perde a sua aura de festa, de local privilegiado para se dar um passeio no meio de gente com o mesmo interesse que nós, ao mesmo tempo que se come um gelado ou outra iguaria das muitas que hoje populam o espaço. Quando era miúda, feira era sinónimo de queijadas de Sintra, já que os meus pais compravam um pacote para a família partilhar.

Por isso de 29 de Maio a 16 de Junho passem pelo Parque Eduardo VII e digam-me como aquilo está, que este ano parece-me que vou ter de passar a oportunidade.

Anúncios

Ainda o Game of Thrones

gallery-ustv-game-of-thrones-whitewalkers

Não deve haver ninguém com acesso ao mundo digital que não saiba que está a ser transmitida a tão esperada última temporada do Game of Thrones. Mesmo aqueles que aproveitam todas as oportunidades para nos relembrar que nunca assistiram a um episódio. Ora, eu tive uma relação tardia com esta série. Li os livros e estava bem assim, tirando o facto de que o senhor George R. R. Martin nunca mais se digna a terminar os últimos volumes para finalmente percebermos o que iria acontecer em Westeros.

Quando finalmente perdi a esperança de alguma vez saber o final da história via livro, resolvi que ver a série era melhor que nada, já que pelo menos me traria algum sentimento de conclusão a uma história que andou comigo desde 2012. Por isso o ano passado vi todas as seasons de empreitada e fiquei pacientemente à espera que este ano terminasse a agonia.

Eu nem sou pessoa de estar sempre a refilar do que está diferente na série/filme em relação ao livro que lhe deu origem. Há concessões que têm que ser feitas, liberdades artísticas que têm que ser tomadas, etc. Mas esta é a primeira temporada que não tem rigorosamente nada dos livros em que se apoiar, e isso é gritante. As incongruências, soluções fáceis e previsiveis que nos têm sido apresentadas são mais que muitas.

No fundo, parece as coisas que eu escrevia, com as devidas distâncias. Quando eu era miúda adorava escrever contos. Começava sempre com histórias muito elaboradas, um belo plano de acção. Depois aborrecia-me, mas como não queria deixar aquilo por terminar, dava assim um final a correr, escrito às 3 pancadas, só para me livrar daquilo. Na realidade, se pensar bem no assunto, era também assim que eu fazia os meus exames de faculdade. Não tinha paciência para estar 3 horas fechada numa sala a escrever, começava a ter ataques de liberdade, e acabava tudo de qualquer maneira só para poder sair da sala.

Na realidade os argumentistas do GOT parecem estar a ter uma maciço ataque de liberdade.

Depois, é incrivelmente mais dificil seguir uma série quando se tem um piolho de mês e meio cuja principal função na vida é chorar, tentar ensurdecer os pais ou levá-los à loucura. Temos sorte se conseguirmos acabar de ver um episódio antes de ser transmitido o da semana seguinte. O que significa que andar no Facebook é como pisar terreno minado, porque aparentemente o novo desporto é inundar as redes sociais de spoilers e tentar estragar a experiência a todos os desgraçados que não estão agarrados à televisão às 2 da manhã.

E pronto, queria partilhar o meu descontentamento sobre o GOT, coisa na realidade pouco relevante, mas que se coaduna com a minha capacidade cerebral do momento.

Boas Leituras!

Novidades do Cardume

Bebe Peixinho

No passado dia 1 de Abril o cardume cá de casa aumentou para 3 membros. Depois de durante anos me dizerem que não era possível engravidar, a natureza resolveu que ela é que mandava e mandou-nos o Pedro.

Como podem imaginar, para além de toda a vida mudar de repente, também os hábitos de leitura têm que ser ajustados.
Durante a gravidez parecia que tinha deixado de ter custódia de parte dos meus neurónios e simplesmente não conseguia ler nada elaborado. Não me conseguia concentrar e tinha sempre o cérebro ocupado com imensa coisa.

Agora que o bebé nasceu e é um malandro chorão, estou sempre mais perto do estado de zombie contemplativo do que de leitora. Além disso tenho alguns “livros técnicos” (ver foto acima) para ler para esta nova vida.

Assim sendo, em Abril consegui ler um livro de viagens e dar um bom avanço no volume seguinte da série Wheel of Time, o que considero uma grande vitória. Em Maio vou continuar pacatamente a ler o livro de Robert Jordan, e quem sabe consigo mais parte de outro. Devagar se vai continuando por aqui.

Boas leituras!

Colecção Livros B Renascida

livros b

Lembro-me de ser mais miúda e ainda não ter o gosto literário muito amadurecido, e virem-me parar às mãos uns livros de capa preta e letras prateadas com toques de fantástico pelo meio. Um dos volumes que tive foi um de contos de Arthur Conan Doyle, aos quais não dei o devido valor e acabei por perder esses livros na espuma dos dias.

Agora, que já leio coisas diferentes e mais abrangentes, tenho pena de já não os ter para lhes dar uma nova oportunidade. Estes livros eram editados pela entretanto desaparecida Editorial Estampa, e foram no total 55 volumes, editados entre 1970 e 1991.

Ora aparentemente não sou a única a ter saudades desta colecção, porque a E-primatur, editora já nossa conhecida por ter reeditado o livro de Vilhena em edição fac-simile, resolveu retomar a colecção e continuá-la.

Assim, já saiu o volume 56 (na foto), e há pelo menos mais 3 na calha, de nomes que vão de Dumas a Chesterton. Deixo-vos aqui um artigo que fala sobre isso, e não se esqueçam de visitar a página da editora, onde se perfilam os novos projectos que eles planeiam desenvolver e onde temos a oportunidade de praticar mecenato.

Boas Leituras!

A Ulmeiro Renascida

ulmeiro

 

O Peixinho já se fartou de aqui falar da livraria Ulmeiro (nome correcto Livrarte, embora ninguém a conheça por esse nome), um alfarrabista/editor de Benfica que se encontrou em risco de fechar e que tem vindo lentamente a recuperar visitantes e a ser dinamizado. Podem ver artigos aqui e aqui.

Esta semana saiu mais uma notícia acerca deste renascimento, já que o dono e editor da Ulmeiro vai voltar à carga com novas edições de literatura portuguesa e brasileira. Para serem vendidos na livraria própria e não só.

Vai fazer também uma exposição sobre os 50 anos de história da sua editora na Fábrica do Braço de Prata sem data marcada ainda.

Eu fico muito contente por ver quando passo por lá diariamente no meu regresso a casa que a livraria tem sempre gente a desbravar aquelas largas centenas de títulos à procura dum tesouro especial. Eu própria já passei por lá muitas vezes, essencialmente em busca de poesia, mas ainda não encontrei o livro que me espera.

Se estiverem em Lisboa/Benfica passem por lá, vale a pena. Até lá, boas leituras!

Notícia e foto aqui.

3 Anos de Peixinho

egon schiele
Egon Schiele – Still Life With Books

Sinto que ainda ontem comecei este projecto de vir aqui deixar as minhas ideias sobre livros que leio, e assim, num ápice já passaram 3 anos. Nestes anos falaram-se de muitos livros (não os contei, mas tenho a certeza que foram muitos). Livros que acabei de ler, livros que li na infância/juventude, livros que não devia ter lido.

Partilhei passeios a sitios exóticos e a sitios locais, todos pitorescos (pelo menos para mim) e com algo de especial. Partilhei espectáculos que vi, filmes que assisti. Mas mesmo assim o meu artigo mais lido no blog continua a ser este.

A minha vida mudou muito nestes 3 anos, e a previsão é que mude ainda mais durante 2019, mas cá estarei para dar conta disso.

E acima de tudo, desejo-vos Boas Leituras!

 

Páginas em Branco, cérebro parado

livro em branco

Estive a reler entradas antigas aqui do Peixinho para ver se existia um padrão nestes bloqueios de leitor que tenho recorrentemente. Aparentemente não, tanto se dão de Inverno como de Verão, quando estou mais triste ou mais contente.

Mas na realidade é como se pelo menos uma vez por ano o meu cérebro deixasse de cooperar e disse que tem de fazer um restart, como se faz aos computadores que começam a dar problemas.

Assim, em vez de ir confortavelmente a ler no autocarro, foi a olhar para janela perdida em pensamentos indolentes. Em vez de ler para adormecer vejo séries que nem gosto muito e das quais já não me lembro no dia a seguir.

Normalmente é temporário, e como obrigações já temos muitas, eu não me enervo muito com isto. O resto da série do Wheel of Time ainda estará no meu Kindle, bem como os livros do Netgalley que não consigo para de requisitar, e os eternos livros físicos na minha estante à espera de vez.

Até lá, vou espreitando o que os outros andam a ler.

Boas Leituras!

Livros para 2019

livros

Como também já é hábito, depois de todos os balanços e projectos, venho também partilhar os livros que tenciono começar a ler em 2019. Às vezes não passa de boas intenções, mas na maioria das vezes eu consigo mesmo despachar alguns dos pendentes/desejos a que me proponho. Assim vou partilhar aqui como tenciono começar o ano.

– Terminar (ou pelo menos tentar) a saga de Wheel of Time. Neste momento estou a ler o quarto volume, mas é uma leitura lenta e cada livro tem demorado quase um mês a terminar. Como já disse aqui esta série tem 14 livros, por isso ainda me falta penar muito. Mas devagar se vai ao longe e já que comecei quero mesmo saber como acaba esta história. Sem fim, já basta o Game of Thrones.

– Terminar os 4 livros que tenho na lista de espera do Netgalley antes de pedir novos. Tenho neste momento quatro livros que são bastante interessantes mas que têm sido deixados para trás por causa do ponto anterior. Tenho de continuar a intercalar os vários tipos de leitura não me enjoar, nem ficar de horizontes fechados.

– Continuar pacatamente a ler os livros do Poirot. Neste momento já vou para o 11º, e vou lendo vagarosamente alguns por ano. Na maioria dos casos reler é o termo adequado, porque na minha adolescência varri quase toda a colecção Vampiro da Livros do Brasil que eram com este personagem, mas isso já lá vai há muitos anos, e agora lê-se com outros olhos.

– Poesia, toda aquela a que conseguir deitar as mãos! Quer em livros, quer em revistas como a Nervo ou a Eufeme, o importante é ir preenchendo a vida com poesia.

E para já chega, porque 2019 vai ser menos ambicioso em termos de leituras. Mas o que importa é o que retiramos delas!

Boas Leituras!

 

Projectos para 2019

New Year

Imagem daqui

 

Tal como nos anos anteriores, depois de ver como correu 2018 vem a altura de projectar 2019. Mas este ano, ao contrário dos anteriores, não fiz grandes planos. Poderia dizer que quero viajar mais, ou ver a minha poesia editada, mas na realidade 2019 vai ser um ano de grande mudança, e absolutamente imprevisível.

Por isso por agora a única coisa que sei é que vou fazer novamente um desafio do Goodreads, mas este ano apenas para ler 30 livros, e logo se vê como corre. Vou continuar a usar o Netgalley como fonte de livros recentes e interessantes, e vou continuar a tentar arranjar nova casa para livros que tenho aqui e que não devo voltar a ler.

Das mudanças, das imprevisibilidades irei dando conta por aqui.

Um Bom 2019 a todos, cheio de felicidade, livros e coisas boas.

Boas Leituras!