Vencedor do Prémio Booker 2022

almeida

No passado dia 17 de Outubro, segunda-feira, foi finalmente anunciado o vencedor do Prémio Booker deste ano. A honra coube a Shehan Karunatilaka, com o seu “The Seven Moons of Maali Almeida“. Este é o segundo romance deste autor do Sri-Lanka que tem na escrita o seu modo de vida, mas que tem trabalhado mais em publicidade e social media.

Na  realidade, esta experiência pode ser uma mais-valia, para pessoas como eu que preferem escrita mais escorreita e directa, e histórias contadas com simplicidade e humor. Que é o que parece ser esta história de Maali Almeida (excelente apelido, volto a frisar), que acorda morto sem saber quem o matou, e que tem exactamente sete luas para contactar os seus entes mais queridos e conduzi-los a uma revelação. Parece-me uma sinopse com muito potencial, e fiquei com bastante vontade de ler este livro. Acho que vai engrossar a minha já interminável lista de livros que quero ler.

Se já leram este livro, partilhem a vossa experiência. Até lá, Boas Leituras!

#SetembroLeve

Esplanada

Pensava eu que depois do descanso de Agosto, iria começar uma nova época descansada e capaz de mergulhar em livros mais densos e profundos. Estava enganada, obviamente. Na realidade Setembro foi um furacão de regresso ao trabalho, às aulas, tudo para ontem.

Haviam imensos desafios de leitura em que eu queria participar, como o #septemberthrills da Dorinha, mas acabei por ler o que conseguia, devagar, devagarinho. Claro que me estou a queixar de barriga cheia, porque ainda assim consegui ler 5 livros. 3 romances, que já me resignei a ser o género literário mais em alta por estes lados agora, um de viagens e um de fantasia urbana. Gostei de todos em doses diferentes, mas estes dois últimos deram-me muito prazer.

Para Outubro há imensos planos, nomeadamente ler alguns livros alusivos à época de sustos que se avizinha, mesmo sendo eu uma pessoa não muito dada a coisas de terror. Mas em Outubro há também uma agenda cheia, por isso logo se verá o que se consegue fazer por aqui.

Venham mais livros! Boas Leituras!

#AgostoLeve

P70311-111215

Agosto foi mês de férias. Nos primeiros 15 dias a trabalhar mas com os fusíveis a chegar ao fim, e depois 3 semanas seguidas sem compromissos laborais. Claro que “férias” com um jaquinzinho de 3 anos sabem a tudo menos a descanso, por isso o tom do mês foi leituras leves. Coisas boas para distrair e refrescar a cabeça, sem pensar no sentido da vida, ou se haverá vida em Marte. Mesmo assim foi um mês produtivo e consegui ler 7 livros, num amplo espectro de prazer e qualidade. Em breve falarei por aqui dos mais conhecidos, ou que mais gostei, os outros poupo-vos a descrição.

Consegui finalmente ler a escritora fetiche do momento, Taylor Jenkins Reid, com o seu aclamadíssimo “Os Sete Maridos de Evelyn Hugo”, mas vão ter que esperar para saber o que achei dele. Li a trilogia completa do Príncipe Cruel, da Holy Black, que nada como uma bela fantasia para animar o espírito. Ainda coube um romance LGBT que também foi muito falado, e dois livros duma autora “hot” medianamente desconhecida, Katee Robert, que me chegaram através do Netgalley.

A tudo isto se juntaram visitas diárias a parques infantis, algumas incursões pela praia, mas poucas que o tempo esteve pouco de feição, e uma visita ao planetário onde já não ia desde a minha própria infância. Tudo culminou num saltinho à Feira do Livro de Lisboa, que este ano estava particularmente bonita, apesar de eu não er comprado nada. Este #AgostoLeve acabou por ser tão intenso, que fiquei com uma ressaca literária por vários dias, por isso acho que a verdadeira leveza chegou em Setembro.

Em breve falarei de alguns destes livros em mais detalhe, até lá Boas Leituras!

Os 6 Melhores Livros Lidos Em 2022

livros

E assim de repente já se passaram os primeiros seis meses do ano, e eu juro que não sei por onde é que o tempo foge. Mas ao menos este ano tem fugido com livros, o que sempre é melhor.

Propus-me no desafio de início do ano do Goodreads a ler 50 livros em 2022, que é mais ou menos o desafio que faço por ano. Mas desde que a capacidade cerebral diminuiu (leia-se maternidade aconteceu), que eu não tenho andado muito virada a livros grandes ou extremamente complexos, e isso reflecte-se na quantidade de livros que eu consigo ler. Este primeiro semestre já foram 40, o que é um número impressionante, para mim.

E posso dizer que a qualidade não anda nada má, já que 5 foram 5 estrelas, e 14 foram 4 estrelas. Também houve alguns no outro extremo da tabela, mas foram menos. Em baixo deixo as minhas sugestões de 5 estrelas, que foram todos livros muito interessantes (e 2 de 4 que ainda penso neles), sem nenhuma ordem em particular.

  • Mrs Death Misses Death: um livro poético e estranho que li quase no início do ano, com a morte como personagem.
  • Dune: o clássico de ficção científica, que não será para todos os gostos, e que ao contrário do que eu disse acima, era grande e complexo.
  • The Last Rhinos: um relato particularmente interessante sobre os esforços dum conservacionista em salvar uma subespécie de rinocerontes africanos que apenas existia num pequeno parque numa zona flagelada por conflito armado. Triste, como infelizmente estas coisas normalmente são.
  • Beartown: Finalmente rendi-me à coqueluche dos últimos anos, Fredrick Backman, e não me arrependi. Já tenho a sequela no Kindle para ler.
  • At Night All Blood is Black: vencedor do Booker International do ano passado, é um relato brutal e poderoso dos horrores da guerra. Apesar de se passar na Primeira Guerra Mundial, continua tristemente actual.
  • The Ones That Walk Away From Omelas: Um pequeno conto da raínha da ficção cientifica, Ursula K. Le Guin, que nos faz pensar muito sobre as escolhas que fazemos diariamente, e o impacto que têm no resto da humanidade.
  • This is Going to Hurt: Um relato na primeira pessoa do serviço nacional de saúde britânico, mas que poderia muito bem ser no nosso. Actual e transversal.

De todos os livros que li este ano estes são os que se destacam mais, no entanto tem sido uma boa colheita cheia de bons títulos. Esperemos que o resto do ano seja pelo menos tão bom, que eu aqui vos vou dando conta.

Até lá, Boas Leituras!

Vencedor do Booker International 2022

tomb of sand

Foi anunciado no passado dia 26 de Maio o vencedor do Booker International 2022, Tomb of Sand de Geetanjali Shree, uma escritora indiana. Fala-nos do renascer duma mulher de 82 anos, após a morte do seu marido, e a maneira como vai desafiar a tradição e convenções sociais, mesmo indo contra a sua família.

Parece-me um tema actual e interessante, e já o tenho em lista de espera para ler, mas confesso que as suas 700 e tal páginas não me encorajam muito numa altura em que a minha capacidade cerebral se encontra tão diminuída. Ficará para mais tarde.

Até lá, Boas Leituras!

Feira do Livro de Lisboa 2022

FLL 2022

Já foram anunciadas as datas para a Feira do Livro de Lisboa 2022 que vai ser na mesma altura do ano passado. Vai realizar-se de 25 de Agosto a 11 de Setembro, cerca de duas semanas e meia de muita animação e sugestões de leitura.

O ano passado consegui finalmente lá ir, depois de alguns anos de interregno, e este ano calha novamente em altura de férias, por isso espero conseguir ir laurear a pevide no meio dos livros, mesmo que acabe por só comprar um gelado e uma água como em 2021.
O ambiente é sempre maravilhoso, e é um local onde dá prazer passear. Quem consegue ir ao final do dia, mesmo na hora final de abertura da feira, tem sido ainda presenteado com descontos especiais, por isso se não têm cachopos pequenos, ou têm uma boa babysitter, aproveitem para fazer um belo rombo na carteira.
Até lá, Boas Leituras!

Finalistas do Women’s Prize for Fiction 2022

Womens prize for fiction 2022

Já saiu a lista das finalistas do Women’s Prize for Fiction 2022, duma lista de 16 nomeadas da qual dei conta aqui. As finalistas são apenas 6 e eu continuo sem ter lido ainda nenhuma, mas já acrescentei 4 à minha lista de espera, principalmente após ter ouvido boas críticas em youtubes literários que sigo.

Build Your House Around My Body by Violet Kupersmith – Já está no meu Kindle, apesar de não saber muito sobre ele. Mas o título impressionou-me o suficiente para considerar lê-lo.
Great Circle by Maggie Shipstead – Um gigante de 608 páginas que me pareceu interessante o suficiente para lhe pegar. Confesso que quando o abro e o Kindle me mostra as horas que eu demoraria a lê-lo, tenho fechado e escolhido coisas mais pequenas. Não estou preparada para um comprometimento tão grande com um livro que tenho mesmo que prestar atenção neste momento.
Sorrow and Bliss by Meg Mason – Não me chamou a atenção, apesar de ter uma classificação altíssima no Goodreads. Não me parece que seja para o meu eu actual, no futuro logo se vê.
The Book of Form and Emptiness by Ruth Ozeki – É Ruth Ozeki e só isso já fez com que fosse o primeiro da lista. Tenho-o, mas ainda não tive o espírito certo para lhe pegar. Com um cachopo de 3 anos que alterna entre estados de doença e hiperactividade é difícil ter a atenção que este livro merece, disponível para ser dada.
The Bread the Devil Knead by Lisa Allen-Agostini – o título que me faz lembrar tanto a minha mãe e as suas expressões. Uma personagem principal com 40 anos. Boas críticas em todo o lado. Menos de 300 páginas. Tanta coisa que me faz querer pegar neste livro.
The Island of Missing Trees by Elif Shafak – Ora este tenho no meu Kindle há meses, vindo direitinho do Netgalley. Já devia ter lido e feito review, mas ainda não consegui ter cabeça para isso. Mas está definitivamente na minha lista de livros para 2022, que, como sempre, posso seguir ou não.

Fiquem por aqui para saber se alguns destes aparecem no futuro próximo, idealmente antes de ser nomeada a vencedora. Se já leram algum, partilhem a vossa opinião.

Até lá, Boas Leituras!

Finalistas do Prémio International Booker 2022

Booker International 2022

E num instantinho temos aqui a lista de finalistas do International Booker Prize deste ano, um ranchinho de 6 nomes. Temos a já conhecida, e vencedora em 2018, Olga Tokarczuk, juntamente com nomes novos, num colectivo bastante diverso em nacionalidade e estilo literário. Eu ainda não li nenhum, mas deixo em baixo uma pequena sinopse de cada um.

Heaven, de Mieko Kawakami – autora já traduzida para inglês anteriormente, este novo livro é narrado por um jovem de 14 anos que sofre de bullying dum modo estoico, algures nos anos 90. A descrição, algo vaga, bem como algumas críticas positivas de pessoas com gostos semelhantes ao meu, fizeram com que este livro esteja na minha lista (interminável) de livros a ler.

Elena Knows, de Claudia Piñeiro – Livro de uma autora argentina já com alguma bagagem. É um livro de investigação criminal, mas que ao mesmo tempo nos fala das dificuldades da nossa sociedade. Parece uma boa aposta, fiquei interessada.

A New Name: Septology VI-VII de Jon Fosse – este é o último volume desta série de livros do autor norueguês. A sinopse pareceu-me confusa, mas claramente deve ser culpa minha que me perdi em tantos nomes Noruegueses. Não ficou na minha lista de livros a ler, até porque teria que ler todos os anteriores, e neste momento tenho séries de livros para ler até estar na próxima encarnação. Perda minha, de certeza. No entanto, fiquei com vontade de ver um episódio dos Vikings!

Tomb of Sand de Geetanjali Shree – Uma mulher de 80 anos entra em depressão após a morte do marido. No entanto, resolve voltar a viver em pleno, para espanto da própria filha que não sabe o que fazer com a súbita modernidade da mãe. Fiquei fã desta descrição, adoro histórias de idosos que têm o controlo da sua própria vida, está na minha lista de próximos a ler.

The Books of Jacob de Olga Tokarczuk – esta nossa autora já conhecida, volta a ser novamente finalista depois de ter ganho em 2018, e de ter sido prémio Nobel entretanto. Ainda não li o de 2018, e não sei se irei ler este para já. Relato-nos a ascensão e queda dum líder religioso em meados do séc. XVIII na Polónia, e baseado num personagem real e envolto em mistério até hoje. Parece uma boa aposta.

Cursed Bunny de Bora Chung – Um livro de contos duma autora coreana, que vão desde o realismo mágico ao horror que são aqui usados para aludir aos horrores da nossa própria sociedade. Também foi para a lista.

Depois de ler as sinopses acabei por adicionar quase todos à minha lista de livros a não perder, que assim ficou um bocadinho mais irrealista. Se me reformasse já amanhã ainda podia ter hipóteses de conseguir ler todos os livros que acho interessantes.

E que tal, acharam algum deles interessante? Já leram ou pensam ler algum? Digam-me de vossa justiça.

Até lá, Boas Leituras!

Os Nomeados do Booker Prize International 2022

booker international 2022

A semana que passou foi cheia de eventos importantes, e não estou só a falar do meu aniversário. Já falei aqui das nomeadas para o Women’s Prize for Fiction, que foram anunciadas no dia 8, mas o Booker Prize International não quis ficar atrás e lançou a sua lista no dia 10.

Concorrem a este prémio obras que foram traduzidas para inglês pela primeira vez, e temos a concurso um conjunto de 13 livros, de 12 países diferentes, de nomes conhecidos e estreantes. Uma lista diversa e com muita coisa que parece interessante, incluindo um autor brasileiro.

Cursed Bunny by Bora Chung, translated from Korean by Anton Hur

After The Sun by Jonas Eika, translated from Danish by Sherilyn Nicolette Hellberg

A New Name: Septology VI-VII by Jon Fosse, translated from Norwegian by Damion Searls

More Than I Love My Life by David Grossman, translated from Hebrew by Jessica Cohen

The Book of Mother by Violaine Huisman, translated from French by Leslie Camhi

Heaven by Mieko Kawakami, translated from Japanese by Samuel Bett and David Boyd

Paradais by Fernanda Melchor, translated from Spanish by Sophie Hughes

Love in the Big City by Sang Young Park, translated from Korean by Anton Hur

Happy Stories, Mostly by Norman Erikson Pasaribu, translated from Indonesian by Tiffany Tsao

Elena Knows by Claudia Pineiro, translated from Spanish by Frances Riddle

Phenotypes by Paulo Scott, translated from Portuguese by Daniel Hahn

Tomb of Sand by Geetanjali Shree, translated from Hindi by Daisy Rockwell

The Books of Jacob by Olga Tokarczuk, translated from Polish by Jennifer Croft

Já leram algum? Parecem-vos interessantes? Eu acho que vou esperar pelos finalistas antes de me decidir a ler algum.

Até lá, Boas Leituras!

Nomeadas do Women’s Prize For Fiction 2022

WPF 2022

Muito apropriadamente, foi divulgada no dia 8 de Março a lista das nomeadas deste ano para o Women’s Prize for Fiction.
Ao contrário do ano passado, desta vez ainda não li nenhum e devo confessar que a grande maioria não fazia sequer parte do meu radar. Excepção feita ao livro de Ruth Ozeki, de quem já li um livro muito interessante e que já recomendei aqui, e o Island of Missing Trees da Elif Shafak, que tenho há séculos no meu Kindle, via Netgalley, mas que ainda não me apeteceu ler. Pode ser que seja desta.

Alguém conhece, ou já leu algum destes livros? Digam-me nos comentários se valem mesmo a pena.

Build Your House Around My Body by Violet Kupersmith
Careless by Kirsty Capes
Creatures of Passage by Morowa Yejidé
Flamingo by Rachel Elliott
Great Circle by Maggie Shipstead
Remote Sympathy by Catherine Chidgey
Salt Lick by Lulu Allison
Sorrow and Bliss by Meg Mason
The Book of Form and Emptiness by Ruth Ozeki
The Bread the Devil Knead by Lisa Allen-Agostini
The Exhibitionist by Charlotte Mendelson
The Final Revival of Opal & Nev by Dawnie Walton
The Island of Missing Trees by Elif Shafak
The Paper Palace by Miranda Cowley Heller
The Sentence by Louise Erdrich
This One Sky Day by Leone Ross

Até lá, boas leituras!