Acabei de Ler – Antes que o Café Arrefeça

before the coffee gets cold

Keep scrolling if you prefer to read in English.

À semelhança da Biblioteca da Meia Noite, este livro também lida com arrependimentos passados. Neste caso temos um café muito especial algures no Japão onde uma das mesas nos permite viajar até ao passado, se seguirmos algumas regras muito estritas. Isso vai permitir a uma série de personagens reviver algumas situações onde foram protagonistas e dar uma luz nova aos acontecimentos do tempo presente.

Foi um livro muito engraçado e que nos deixa com aquela sensação de coração quentinho. Todos os personagens geram empatia, não há vilões, há apenas momentos de vida que precisamos de resolver para ganhar aquela sensação de resolução. Acho que todos nos conseguimos identificar com isso, e teremos com certeza muitas situações em que gostaríamos de ter dito mais alguma coisa a alguém especial.

É um livro muito fácil de ler, rápido e bonito, que nos deixa aconchegados e prontos para realidades mais duras. Um livro bom para ser lido nas férias enquanto disfrutamos de algum tempo para nós. E sempre com aquele toque exótico que os livros japoneses nos oferecem. Recomendo a todos os que gostam duma (ou várias) boas histórias.

Boas Leituras!

Goodreads Review

Similar to what happened in The Midnight Library, this book also deals with regret. In this case in a very special cafe somewhere in Japan, where there is a special table that allows us to travel in time, if we follow a strict set of rules. This will enable a cast of characters to relive some situations from their past and shed some light in their current events. 

This was a very wholesome book, that makes our heart warm. All the characters create empathy, there are no vilains, just life events that need closure. I believe we can all relate to this, and we all must have some situations where we wish we could have said something more to someone that was very dear to our heart. 

It was a good book, beautiful and easy to read, the perfect summer read, to enjoy by the pool while we spend some time with ourselves. With the added bonus of that perfect Japanese touch. I recommend to anyone who likes a good story (or several). 

Happy Reading!

Acabei de Ler – Mrs Death Misses Death

Mrs Death misses death

Keep scrolling if you prefer to read in English

Este foi o primeiro livro que li depois da maratona da Sarah J. Maas que me deixou um bocadinho assoberbada, e não poderia ter sido mais diferente. Para não variar, vi algumas pessoas no Youtube a falar sobre ele, e decidi que era seguro experimentar.

E não fiquei nada desapontada, aliás foi o primeiro cinco estrelas deste ano. Salena Godden é uma poetisa que se aventurou a escrever uma ficção sobre a morte, e sobre as vezes em que a morte falha o seu objectivo. Todo o livro é contado pela perspectiva da Sra Morte, uma mulher negra com aspecto pobre, e Wolf, um jovem que sobreviveu a um incêndio numa torre de apartamentos que vitimou a sua mãe.

Todo o livro tem uma prosa muito poética e está lindamente escrito. Já há muito tempo que eu não me lembro de guardar tantas frases dum livro, que começaram logo com o prólogo, interessantíssimo e original.

Foi um livro estranho e por vezes difícil, mas que dá uma visão diferente à morte e ao modo como nos relacionamos com ela. De certo modo, foi o desmistificar de um assunto que tantas vezes consideramos tabu.

Gostei muito, mas não aconselho a toda a gente. É necessário alguma vontade de ler prosa que mais parece poesia, e interesse em ler sobre um tema tão forte, mas sempre duma forma elegante. Creio que quem lhe der uma oportunidade não se arrependerá.

Boas Leituras!

Goodreads Review

This was the first book I read after the Sarah J. Maas marathon that left me feeling a bit overwhelmed, and it could not have been more different. As many of the previous books I’ve read, I came across this tittle in some of the Booktubes I’ve been watching, and decided to give it a go.  

And I’m glad that I did, because this was my first five stars of the year. Salena Godden is a poet that has ventured on writing a novel about death, and all those times when she misses her targets. The whole book is told from Mrs. Death view, a small, old black woman, and Wolf, the young man she has missed when a fire in an apartment complex killed is mother.

The whole book reads like a poem and it is beautifully written. I cannot recall the last time I’ve saved so many quotes from a book, starting with the prologue that really set the tone of the book.

It was strange and sometimes difficult to read, but it lends a different view to death and the way we think about it. In a sense it was like breaking a taboo.

I really enjoyed but will not recommend it to everyone. You need to approach it with an open mind, be willing to read some really poetic prose, and be prepared to dwell on a difficult subject. But I believe that if you give it a chance you will not regret it.

Happy Reading!

Acabei de Ler – Luster

Luster

Keep scrolling if you prefer to read in English.

Começo 2022 com um livro que acabei de ler ainda em 2021, coisa que se vai manter por alguns livros ainda. Conjuntivites, otites e creches fechadas mantiveram-me longe do Goodreads mas não dos livros em si.

Luster foi um livro que descobri num dos muitos Youtubes que vejo sobre livros, e que me pareceu interessante. E, na realidade, não desapontou. Eddie é uma jovem afro-americana de 23 anos a viver em Nova Iorque, com dificuldades em manter um emprego e com um histórico de fazer escolhas duvidosas, ou que não são do seu melhor interesse. Conhece Eric na internet, um homem de meia idade com um casamento aberto e uma filha adotiva também afro-americana. Quando Eddie perde o emprego e o sítio onde viver, a esposa de Eric convida-a a ficar em casa do casal.

A história é suficientemente estranha para ser interessante, e o livro faz-nos pensar muito sobre o que é ser jovem numa sociedade cheia de oportunidades, mas que ao mesmo tempo nos devora, e a dificuldade acrescida de ser negro. Foi muito interessante, e mesmo tendo passado já bastante tempo desde que o terminei, ainda penso nele recorrentemente, o que para mim é a marca dum bom livro.

Recomendo a todos os que gostam de pensar sobre questões actuais com histórias diferentes.

Boas Leituras!

Goodreads Review

I start 2022 with a book I finished reading still last year, and this will be the trend for the following books. Between illnesses and closed day care, I was not able to update my Goodreads, but I did not stay away from books.

I discovered this book in one of the many Youtubes I’ve been watching. It seemed really interesting, and indeed it was. It talks about Eddie, a young African American woman living in New York that is struggling to keep a job and survive in general. She has a long history of making poor choices and sabotaging herself. Then she meets Eric online, a middle-aged man in an open marriage and with a teenager African American adopted daughter. When Eddie loses both her job and her home, Eric’s wife will bring her to their home, and the story goes from there. 

The plot was weird and strange enough to be interesting, and it makes us reflect on how difficult it is to be young in a city equally full off opportunities and threats and that can eat you up. And how being an African American young woman makes everything harder. It was a great read, and even after all this time I still think about it a lot, which for me is the mark of a good book.

I recommend it to everyone who likes to reflect on current affairs, and walk on someone else’s shoes for the duration of a book. 

Happy Reading!

Acabei de Ler – A Suspeita, Poirot #38

Poirot 38

Keep scrolling if you prefer to read in English.

Cheguei ao trigésimo oitavo título do Poirot, Third Girl em inglês, traduzido por A Suspeita. Na realidade aqui não haveria uma tradução airosa. A terceira rapariga do título refere-se a uma especificidade londrina dos anos 60, em que as raparigas começaram todas a trabalhar fora e saiam de casa dos pais para viverem sozinhas. Mas como o preço de arrendamento era muito elevado, uma rapariga arrendava uma casa, alugava um dos quartos a uma amiga e procuravam depois uma terceira rapariga, normalmente através de anuncio de jornal, para alugar o último quarto e assim ajudar nas despesas. Norma é uma terceira rapariga, dividindo um apartamento com mais duas, que conhece marginalmente. Vai ter com Poirot um dia para procurar ajuda, mas acha-o demasiado velho, coisa que fere o ego do nosso detective.

Este foi um livro muito agradável de ler. A história é interessante e bem desenhada, e temos novamente Ariadne Oliver, a escritora de mistérios que é uma pastiche da própria autora, e que é uma personagem muito divertida. Confesso que as dicas que foram sendo dadas não foram muito subtis, por isso lá para meio eu já sabia qual o desfecho do mistério, mas isso não diminuiu em nada o prazer de ler. Foi talvez um pouco estranho ver um Poirot passado nos anos 60, com rapazes de cabelo comprido e todos a tomar drogas livremente, está um pouco longe da realidade que nos habituámos a ter na série televisiva, mas foi uma abordagem interessante à passagem do tempo entre os primeiros e os últimos livros deste personagem.

Recomendo a todos os amantes de livros de mistério, de Agatha Christie em particular. 

Boas Leituras!

Goodreads Review

Here I am in the 38th book of the Poirot series, dangerously close to the end. The Third Girl from the english title refers to the very commom flatshare situation in London in the sixties, when girls were starting to work and live alone from a young age, and could not afford to rent a flat alone. Norma is a third girl, renting the same flat as 2 friends, and one day she goes to Poirot to ask for help, but finds him too old and flees. This sparkles his interest on the case, and he enlists the help from his friend, Ariadne Oliver. 

This was a very fun and easy book to read, and Ariadne is a great character, based on Agatha Christie herself. It was a good story, but the hints were not very subtle so I ended up guessing the end very early in the book. This has not diminished my pleasure in reading the book, though. It was a bit weird reading a Poirot that takes place in the 60’s, with guys with long hairs and everyone taking drugs freely, as it was very far from the imagery portrayed in the TV show, but it was interesting to see time flowing from the first books to the last ones. 

I recommend it to all mistery lovers, especially Poirot fans. 

Happy Reading!

 

Acabei de Ler – Collected Works de Scott McClanahan

collected works

Keep scrolling if you prefer to read in English.

Estava eu a passear pelo meu Goodreads no outro dia, quando vejo uma das pessoas que sigo recomendar este livro a uma amiga. Com esta capa espectacular, eu tinha mesmo de investigar e fiquei imediatamente tentada a ler. As descrições referiam inúmeras vezes que ler Scott McClanahan era como levar um murro no estômago, e eu tomei isso como um desafio pessoal.

Na realidade, o Scott escreve como eu gostaria de escrever. Tudo é incrivelmente simples na sua escrita, não tem floreados bonitos, adjetivação bacoca, ou frases polidas para aparecerem em mil instagrams com um fundo às florzinhas. Tudo é simples e directo, mas ao mesmo tempo eficaz.

Scott McClanahan é do West Virginia, um pequeno estado americano rural e mineiro, e as suas histórias poderiam ser aquelas que ele conta aos amigos num bar, em frente a umas cervejas. E de certo modo sentimos mesmo que estamos a beber umas cervejas com ele, enquanto ele nos conta da vez que viu a rapariga mais bonita do Texas, ou quando trabalhou num call center, ou quando sabia que as pessoas iam ser atropeladas. Sentimo-nos parte de cada história, mesmo quando não fazemos ideia de como é o West Virginia.

Até agora, este é definitivamente o melhor livro que li este ano, e o ano já passou bem do meio. Não será um livro que agradará a toda a gente, mas eu recomendo-o muito.

Boas Leituras!

Goodreads Review

One of these days I was scrolling away on my Goodreads when I came across someone recommending this book to a friend. As the cover was really cool, I just had to check it out. Most of the reviews said that reading Scott McClanahan was like being punched in the stomach, and I felt this was a personal challenge and just had to go and read it. 

Actually Scott writes as I would love to write. It is all so deceptively simple, no flowery sentences, or excessive adjectives, or sentences intented to appear on Instagram with a lovely background. What you see is what you get, or maybe not. 

Scott is from West Virginia, a small american state with farms and coal mines, and we can picture him telling those stories to his friends, in a bar, in front of a beer. Or maybe they are about his friends, in a bar, having a beer. Or maybe we are the ones sitting with him on a bar, having a beer. Either way, he is telling them/us about this time he met the most beautiful girl in Texas, or stories from when he worked in a call center, or when he knew people were getting hit by cars. We feel part of each story, even if we never set foot on West Virginia. 

This is the best book I’ve read this year so far, and the year is not young anymore. It is not a crowd pleaser, but it is definitely a book worth reading. I recommend it to anyone who likes reading. 

Happy Reading! 

Acabei de Ler – Oh William!

oh william

Keep scrolling if you prefer to read in English.

O nome Elizabeth Strout dizia-me qualquer coisa, apesar de nunca ter lido nada dela, e não me conseguir lembrar de onde a conhecia. Mesmo assim vi este livro no Netgalley e requisitei. Ao começar a ler percebi que era um livro paralelo ao “O Meu Nome É Lucy Barton”, onde ela é novamente a protagonista.

Não senti falta de ter lido o outro primeiro, no sentido em que a história é completa por si só. Mas gostei tanto da personagem e da escrita, que o lerei muito em breve. William foi o primeiro marido de Lucy Barton, e estão divorciados há muitos anos, tendo ambos refeito as suas vidas. Mantiveram uma amizade tranquila, e são quase confidentes um do outro. Este é o ponto de partida desta narrativa, que nos é contada por Lucy quase como se estivéssemos a ler os seus pensamentos.

Agora que estão a entrar na velhice, William e Lucy vêem algumas alterações bruscas a acontecer, e serão o apoio um do outro, mostrando que apesar de tudo o que a vida nos dá, é possível manter civilidade e afeto.

Gostei bastante do livro, da forma como está escrito, das personagens e das suas imperfeições. Fiquei com muita vontade de ler mais coisas da autora, por isso creio que o Netgalley cumpriu a sua função neste caso.

Recomendo a todos os fãs da autora, e a todos os que gostam duma boa história, com uma escrita menos convencional.

Boas Leituras!

Goodreads Review

The name Elizabeth Strout was familiar to me even though I had not read any book from her. But when I saw this book on Netgalley I asked it straight away. When I started reading I realised it was a sequel to My Name is Lucy Barton, and she is the main character again. 

It was not relevant that I had not read the previous book as this is a complete story in itself, but I liked the story and the writing style so much, that I am sure I will read it asap. William was Lucy’s first husband, they have divorced many years ago and both remade their lives. They are still friends and confidents and the story starts here, with Lucy as the narrator. 

Now that they are both starting their old age, William and Lucy both witness some drastic changes in their lives, and they will support each other, showing us that, despite all that can happen to us, it is possible to maintain a friendship with respect and affection. 

I really enjoyed this book, the way it is written, the characters with their flaws and imperfections. I now want to read more books from this author, so I believe Netgalley did his job with this book. 

I recommend it to all Elizabeth Strout fans, and to all those that love a good story with unconventional writing. 

Happy Reading!

Acabei de Ler – How to Walk a Puma

walk a puma

Keep scrolling if you prefer to read in English.

Peter Allison é um australiano que decidiu desde cedo que um trabalho de escritório não era para si, e resolveu rumar a África para trabalhar como guia de safari. Andou pela África do Sul, Botswana, Namíbia e as suas aventuras nesses locais belíssimos estão relatadas nos seus primeiros livros, de que eu já falei aqui e aqui.  Desta vez Peter decide voltar à natureza depois duma paragem de 10 anos onde tentou enquadrar-se na vida “normal”. Resolve fazer uma viagem pela América do Sul, sempre em busca dum jaguar, o maior felino do continente.

Pelo caminho vai ter aventuras incríveis com pumas, aves, anacondas, e acima de tudo, pessoas. Peter Allison tem o dom de fazer os seus interlocutores contarem histórias incríveis, que por sua vez vêm até nós sempre com muito humor.

Numa época em que as viagens se encontram tão amputadas por causa da pandemia, é um verdadeiro prazer poder viajar através dos livros. Infelizmente, o lado menos glamouroso destes livros é sempre pensar como estarão hoje as zonas que já estavam em perigo grave de destruição pela industria da madeira há 10 anos atrás, quando o autor as visitou. Ou aquela tribo que ainda vivia praticamente em isolamento na Amazónia. Dificilmente estarão melhores, pelos ecos que vamos ouvindo da zona.

De qualquer modo foi um prazer muito grande ler este livro, e recomendo para todos os amantes de literatura de viagem e vida selvagem.

Boas Leituras!

Goodreads Review

Peter Allison is an australian that decided he was not fit for an office job very early in his life. This lead him to Africa, where he started a carreer as a safari guide, in amazing places like South Africa, Botswana and Namibia. His adventures in those countries are told on his first two books, that I already reviewed here e here. After a city break, where Peter tried to fit in some office jobs, he decides to get back on the road and this time he goes to South America, searching, among others, the elusive jaguar. 

While he’s there he experiences some amazing adventures with pumas, birds, anacondas, but most of all people. He has the gift to make people open up to him and tell him incredible stories that he shares with us, always filled with humour.    

In a time where travelling is has been so hindered by the pandemic, that has no end in sight, it is an absolute joy to be able to travel through books. Unfortunately not all is beautiful. Some of the places the author has visited 10 years ago where already severely under threat from the logging companies and other dangers, so one tends to wonder what has become of those places now. Or that tribe that still lived according to their old ways, always fighting for their land. We can infer that should not be better, especially considering the news we keep seeing from those countries. 

Despite that, it was a real pleasure to read this book, and I cannot recommend it enough to all travel and wildlife lovers. 

Happy Reading!

Acabei de Ler – Os Cinco Relógios, Poirot #37

Poirot 37

Keep scrolling if you prefer to read in English.

Ora aqui está um Poirot que li de modo diferente. Encontrei o audiobook no Youtube, narrado por Hugh Fraser, o actor que faz de Hastings na série, e resolvi experimentar. E que experiência que foi. Maravilhoso. Foi o primeiro audiobook que eu consegui efectivamente ouvir, prestar atenção e seguir toda a história. Hugh Fraser é excelente a fazer as vozes e mesmo os sotaques dos diferentes personagens, recomendo muito.

E a história em si? Bom, Colin Lamb vai a passar na rua e cai-lhe nos braços uma jovem assustada, que acaba de encontrar um homem morto numa casa onde tinha sido chamada a fazer um trabalho de estenografia. Sheila Webb, a estenógrafa, não conhecia a vítima, e era a primeira vez que fazia um trabalho naquela morada. Colin Lamb vai ajudar a polícia a investigar o caso, já que este se cruza com o trabalho que ele estava a fazer para os serviços secretos. Resolve pedir ajuda a um antigo amigo do seu pai (fica a dúvida sobre quem será o seu pai), e nosso amigo também Hercule Poirot, que se encontra tão aborrecido que anda a ler a analisar todos os escritores de romances policiais.

Mais uma vez Poirot não aparece muito neste história, é quase um personagem secundário. Por outro lado a solução do problema é demasiado parecida com a do livro Jogo Macabro, e se foi surpreendente na altura, agora já não o foi tanto. Mais uma vez, não dos melhores da autora, o que me leva a pensar que não é como o vinho, e não melhorou com o passar do tempo.

Ainda assim recomendo, porque se quiserem ler todos os Poirots como certa gente doida que anda por aí terão que ler este, e se quiserem um bom audiobook este será também uma boa opção.

Boas Leituras!

Goodreads Review

This was a book that I read in a different way. I found the audiobook on Youtube, narrated by Hugh Fraser, our dearest Hastings from the Poirot series, and I decided to give it a go. And I am so glad that I did. The book was wonderful, his reading skills are incredible and the different voices and accents made this delicious to hear. I could actually understand and follow the story, which I’ve never been able to do before. 

And how was the story itself? We have Colin Lamb, a young man that is walking down a street when a young lady falls on his arms screaming. She had just encountered a dead man on a house where she had gone to do a typing job. Sheila Webb, the girl, did not know the man, or the person who had hired her for the job. Colin works for the secret services and decides to join this investigation, as it crosses paths with his own. Furthermore, he seeks the help from an old friend of his father (we are left guessing who that is), our own Hercule Poirot. 

Once again, Poirot is almost a side character in this book, rarely appears, even though he is the key to solve the mistery. This solution, however, was very similar to the one we just saw on Dead Man’s Folly. If it had been surprising then, now it is not so much. Again, this was not one of the best works from this author, which leads me to believe the best has passed already (maybe with the exception of the last one). 

I will still recommend it. To all of those that, like me, wish to read all the Poirot novels, but also to anyone who wishes to enjoy a great audiobook. 

Happy Reading!

Acabei de Ler – The King of Nightmare

king of Nightmare

Keep scrolling if you prefer to read in English.

Já há muito tempo que eu não lia nenhum livro do Netgalley, apesar de regularmente dar uma voltinha por lá a ver as novidades. Mas agora a maioria dos livros são inacessíveis, por isso não gosto muito de ficar entusiasmada para depois não receber nada. Mas vi este livro classificado como horror, coisa que nem costumo ler, e por algum motivo que ainda hoje me escapa, resolvi lê-lo.

Apesar de já o ter acabado há alguns dias, ainda não tinha escrito nada sobre ele, precisei de algum tempo para pensar se tinha gostado ou não. Em King of Nightmare temos dois mundos. O nosso e Via’rra, o mundo onde podemos encontrar a criadora de todas as coisas e o destruidor de todas as coisas. Um alimenta o outro, e vivemos em equilibrio. Mas algo perturbou esse balanço perfeito, com repercussões no nosso mundo e em todos os outros. Vamos ter um longo e sinuoso caminho a percorrer na tentativa de salvar o Universo.

As personagens são interessantes e bem construídas, o Rei do Pesadelos é um dos personagens mais importantes, e mais bem conseguidos, mas todos os humanos são também muito credíveis. A história é bonita e cativante, mas o ritmo do livro é um bocado lento. Tive que interromper duas vezes e intercalar com Poirots, para conseguir chegar ao fim. Mas de cada vez que interrompia a história ficava em pano de fundo na minha cabeça e tinha sempre que voltar a ela.

Não acredito que vá ser traduzido para português, mas não é daqueles que tenho mais pena. Foi uma leitura que entreteve, mas que não me deixou deslumbrada. Vamos ao próximo.

Boas Leituras!

Goodreads Review

It’s been a while since I last requested a book from Netgalley, even tough I still check it regularly to see the new releases. Unfortunately, most of the interesting titles don’t allow you to request them, only place them on a whish list, and it’s annoying to keep being turned down, so I stopped bothering. Nonetheless, saw this book there and decided to request it. Still have no clue why, as I very rarely read any horror, but I guess the tittle appealed to me. 

I finished it a few days ago, but I needed some time to decide whether I liked it or not. In this book we are shown 2 worlds. Ours and Via’rra, where we can find the creator of all things, and the destroyer of all things. One feeds the other, and balance is maintained in the Universe. But a past event has strained this delicate balance and all worlds are being impacted, including ours. This is what brings the King of Nightmare to Earth, to try and find the missing piece and restore all things. 

The chatacters are nice and the story is well built. The King of Nightmare is the most important piece in the story and is a really cool character, but all humans are also interesting and engaging. It is a pretty story, but very slow paced and I had to read 2 Poirot’s in between to try and build momentum again. However the story did not let go of me, and stayed in the back of my mind until I finished the book. 

I don’t think it will be translated into Portuguese, so we will have to read the original version, which is not a bad thing. And now, on to the next.

Happy Reading!

Acabei de Ler – Na Terra Somos Brevemente Magníficos

on earth we're briefly gorgeous

Keep scrolling if you prefer to read in English.

Mal acabei de ler The Curious Incident of the Dog in the Nightime, resolvi continuar a usar o mesmo método e procurar um livro no Kindle que me chamasse a atenção. E já há imenso tempo que andava a pensar pegar neste On Earth We Are Briefly Gorgeous. Este título é maravilhoso, sem explicar absolutamente nada sobre o que vamos ler. E assim lá fui eu em mais um blind date.

Publicado em 2019, este é o primeiro romance de Ocean Vuong, um poeta americano de origem vietnamita, detentor de inúmeros prémios de poesia, cujos livros terei de ir investigar. Tenho a sensação que será um romance semi biográfico, ou pelo menos largamente inspirado na sua vida, apesar de desejar que não. Porque a vida de Little Dog não foi fácil. Neto duma sobrevivente da guerra do Vietname e dum soldado americano, filho duma mulher abusada, muda-se para os Estados Unidos com a família na infância, que não é fácil.

Este livro é uma carta de um jovem à sua mãe, onde ficamos a conhecer a sua vida, a sua história, as dificuldades de lidar com uma mãe abusiva e uma avó doente, sendo imigrante vietnamita nos Estados Unidos. Um livro violento psicologicamente, com algumas cenas um bocadinho gráficas e difíceis de digerir, mas um hino à beleza. A beleza da vida, que é fugaz, a beleza da natureza, da passagem do tempo, da condição humana. Foi um livro que me tocou bastante, e que demorei a conseguir escrever esta opinião, porque ficou aqui na cabeça a maturar.

Aconselho a todos os que gostam de livros com histórias fortes, linguagem poética, e não se impressionam com facilidade.

Boas Leituras!

Goodreads Review

Once I finished reading The Curious Incident of the Dog in the Nightime I decided I would keep on choosing books by the appeal of their titles. And that’s how I decided to finally pick up this On Earth We Are briefly Gorgeous, after some time of meaning to read it. There I was again, starting a blind date with a book.

Published in 2019, this is Ocean Vuong’s first novel. He is an asian american poetry writer (born in Vietnam), and has won numerous awards with his poetry. I will have to check out his books. I have the feeling that this is a semi biographic novel, even tough I sincerely hope it is not. Little Dog (the main carachter) did not have an easy life. His grandmother is a Vietnam war survivor, his grandfather is an american soldier, and his mother suffered abuse and went on to abuse him as well. He has moved with his family from Saigon to the US in his early days.

This book is a love letter from a son to his mother, and in it we get to know his life, his story and the struggles of dealing with an abusive mother and a sick grandmother, while being a vietnamese immigrant in the USA at the same time. It is a violent book with some graphic descriptions that are hard to digest, but it is also a eulogy to beauty, the passage of time and the human condition. It was a touching book and it took me a while to review it, because I was still processing it. 

I recommend it to everyone who likes strong, poetic stories and are not easily impressed with raw images. 

Happy Reading!