Passeata na Tapada

Tapada04

Pois quem anda pelo Peixinho já percebeu que isto é tanto um blog de livros como de passeata, e foi isso que aconteceu mais uma vez este Domingo. Depois de alguns fins de semana mais caseiros por causa duma constipação/asma que teimavam em não me deixar em paz, este Domingo resolvi que, mesmo que tossisse os pulmões para fora do peito, estava na altura de caminhar na natureza.

Conseguimos um voucher do Sapo para a Tapada de Mafra, sítio onde marcamos o ponto pelo menos uma vez por ano, e que dava direito a um percurso 360º, incluindo um atelier de apicultura, uma demonstração de aves de rapina e um percurso pedestre.

A ideia inicial era fazer um percurso de 8km, mas como eu queria terminar ainda com pulmões, e eventualmente vir dormir a casa, tivemos de optar por uma solução de compromisso, e dar uma volta a pé pelos caminhos principais, menos íngremes, mas não menos interessantes. No final do passeio o podómetro do Peixinho Vermelho marcava um pouco mais de 7km, por isso parece-me missão cumprida. O meu podómetro marca 12km, mas sendo do chinês tenho as minhas dúvidas.

O melhor da Tapada, para além de ser pouco humanizada e dar para fazer uns percursos pedestres engraçados como se estivéssemos no meio do mato, é que se formos silenciosos (coisa difícil para a maioria das famílias com que nos cruzamos, facto) conseguimos ver imensa fauna, porque os senhores do parque alimentam-nos perto do caminho. Ontem vimos um gamo, veados e javalis. Os machos são muito engraçados e olham-nos duma distância considerável, a tentar perceber se vão investir ou passar ao largo. Felizmente para nós, até hoje optaram sempre pela segunda opção, e ficaram a comer alegremente, sempre de olho em nós não fosse necessário tomar medidas a qualquer momento. Era mútuo, nós também não tirámos os olhos deles e das hastes do senhor veado, que aquilo ainda tem ar de poder aleijar.

Final do passeio ainda teve direito a paragem na Malveira para comer umas trouxas do Oeste, que há que repor as calorias gastas a caminhar. A Tapada é daqueles tesouros mesmo à porta de casa, que por uns tostões nos providencia horas de contacto com a Natureza. Vale a pena.

Tapada01
Os veados no ínicio da refeição

Tapada02

Tapada03
Uma ponte para um dos caminhos secundários que não pudemos seguir
Tapada05
Calmamente a ruminar depois do almoço
Tapada06
As trouxas do Oeste. Alguém comeu duas, mas não fui eu 😉

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s