Por Aldeias de Xisto

Penela_04
Uma rua em Gondramaz

Como já referi em vários posts anteriores, este ano vai ser a oportunidade de ir para fora cá dentro. No fim de semana passado os planos eram passar pelo Porto para ver a exposição de Miró em Serralves que já vos tinha sugerido aqui, e depois rumar até Bragança para passarmos uns dias imersos no Parque Natural de Montesinho, sítio onde estive há alguns anos atrás e onde desejo muito voltar.

Infelizmente uma crise muito grande de coluna há umas semanas deixou-me imprópria para consumo, caminhadas longas, e longos percursos de carro. Aliás, até bem perto do fim de semana nem sabia se conseguiria sair da cama, mas finalmente, com ajuda de muitos analgésicos lá voltei ao mundo da mobilidade e fomos até Penela, para um hotel já nosso conhecido, para uns dias de descanso à beira duma piscina rodeada por rãs verdes e momentos de zen.

No primeiro dia resolvemos ir explorar um bocadinho a região e fomos dar a uma aldeia de xisto próximo de Miranda do Corvo, mesmo no cimo duma encosta da Serra da Lousã, chamada Gondramaz. Muito diferente das aldeias que eu conheço na zona, principalmente pela cor do xisto que aqui é mais avermelhado, é uma aldeia encantadora, super arranjadinha, cheia de percursos pedestres e mesmo um centro de BTT. E, apesar de muito pequenina, tem dois turismos rurais com um ar muito interessante.

Mas nós fomos até lá para eu apanhar um bocadinho de sol e ar de montanha depois de tanto tempo fechada em casa, e ao mesmo tempo para almoçarmos num sítio catita, porque andamos sempre à cata de sítios onde se coma bem com boa vista. No final da aldeia temos o Pátio do Xisto, restaurante pequeno e com ementa exclusivamente feita de pratos do dia. É preciso ir de mente aberta para este restaurante. A senhora tem o que eu chamaria de “simpatia serrana”. Eu, que passei os verões na Serra do Açor, mesmo ali ao lado, estou perfeitamente habituada a ouvir comentários como: não queria a tua saia nem dada para ir ao mato, de pessoas da minha família, por isso os modos directos da dona do restaurante não nos chocaram minimamente, mas pude ver pelos comentários do trip advisor que algumas pessoas ficaram mais melindradas.

A chanfana foi das melhores que já comi num restaurante e sinceramente fez-me lembrar a da minha avó. A única diferença é que a caçoila não era de barro preto mas vermelho. Mas sinceramente quando me lembro ainda me cresce água na boca. A sopa era normal, e as sobremesas também não estavam mal. Com tanta medicação apenas bebi uma águinha, mas ouvi dizer que os vinhos eram bons. Sinceramente, só aconselho a quem esteja alojado na aldeia, porque a estrada sinuosa precisa dos sentidos bem alerta. E no final a conta foi muito simpática.

O resto da tarde foi passada à beira da piscina a aproveitar o sol que fez o fim de semana passado envergonhar este. Não consegui não ficar enervada por ver 2 pessoas a tarde toda a guardar 9 cadeiras de piscina, não deixando mais nenhuma vaga para as pessoas que chegavam, e para pessoas fantasma que nunca chegaram a aparecer. Sinceramente não percebo a fobia que os portugueses têm a ficar uns minutos sem cadeiras. Sempre nestas situações, ou em centros comerciais cheios, acumulam cadeiras como se fosse um bem precioso que fosse acabar a qualquer momento e que toda a humanidade dependesse disso, e eles, machos e fêmeas alfa e muito mais espertos que os outros mortais, sobrevivessem rodeados de cadeiras vazias.

Enfim, normalmente ter-me-ia sentado no chão sem problema, mas as costas não mo permitiram. Felizmente apanhamos um casal a ir embora quando saímos da piscina e pudemos sentar-nos tranquilamente sem ter de perturbar os acumuladores e tudo terminou em bem.

O resto do fim de semana foi passado em serena tranquilidade Penelense, entre piscina com relas e D. Sesnando, como quem revê velhos amigos. É sempre um prazer voltar e ser tão bem recebido.

Penela_02
Mesmo à entrada da aldeia de Gondramaz está esta casa de sonho, com um poço e tudo. 
Penela_07
As casas do largo
Penela_03
Um pouco por toda a aldeia podemos encontrar estas esculturas nas paredes das casas.
Penela_05
A vista do Pátio do Xisto
Penela_06
Chanfana… hum…
Penela_01
A piscina das relas no Duecitânia… 

Anúncios

Roma em Penela

P60810-131924

Continuando o nosso passeio pela zona centro, viémos do Luso para baixo com paragem em Penela. Viémos sempre acompanhados por um cenário dantesco de incêndios, já que tanto a zona da Mealhada como a de Castanheira de Pera estavam naquele momento a ser castigadas pelas chamas. Foi angustiante.

Em Penela descobrimos um hotel muito engraçado apesar do seu nome impronunciável. Inspirado nas ruínas romanas das zonas circundantes, toda a temática do hotel está baseada na ocupação romana (até os penteados das meninas da recepção), mas tudo com bom gosto.

O hotel é bonito, com uma piscina com relas e rãs, o que para um peixinho como eu já é uma mais valia, mas a isso ainda se aliou uma simpatia impressionante dos funcionários. A sério, nós nem sabíamos como reagir tão desabituados estamos a ser tratados assim (“vantagens” de viver em Lisboa).

Por isso foi um dia de piscinar e tentar baixar a temperatura corporal depois da experiência do Luso, e também passear na vila de Penela que eu pessoalmente achei encantadora. O Peixinho Vermelho nem tanto, mas ficou também rendido ao queijo Rabaçal gratinado com mel que comemos de entrada.

Ficámos com imensa vontade de repetir a experiência, se possível em breve.

Enfim, nem quero acreditar que estou em contagem decrescente para voltar ao trabalho…

P60810-155147
A piscina…
P60811-115012
O castelo de Penela
P60811-115048
As muralhas do castelo
P60811-122656
A linha defensiva do Mondego. A mim ainda me faltam ver alguns, e a vocês?
P60811-125731
Queijo Rabaçal gratinado com mel no D. Sesnando. Eu não tenho palavras…