Colecção Livros B Renascida

livros b

Lembro-me de ser mais miúda e ainda não ter o gosto literário muito amadurecido, e virem-me parar às mãos uns livros de capa preta e letras prateadas com toques de fantástico pelo meio. Um dos volumes que tive foi um de contos de Arthur Conan Doyle, aos quais não dei o devido valor e acabei por perder esses livros na espuma dos dias.

Agora, que já leio coisas diferentes e mais abrangentes, tenho pena de já não os ter para lhes dar uma nova oportunidade. Estes livros eram editados pela entretanto desaparecida Editorial Estampa, e foram no total 55 volumes, editados entre 1970 e 1991.

Ora aparentemente não sou a única a ter saudades desta colecção, porque a E-primatur, editora já nossa conhecida por ter reeditado o livro de Vilhena em edição fac-simile, resolveu retomar a colecção e continuá-la.

Assim, já saiu o volume 56 (na foto), e há pelo menos mais 3 na calha, de nomes que vão de Dumas a Chesterton. Deixo-vos aqui um artigo que fala sobre isso, e não se esqueçam de visitar a página da editora, onde se perfilam os novos projectos que eles planeiam desenvolver e onde temos a oportunidade de praticar mecenato.

Boas Leituras!

Uma Nova Livraria

Trezor
Foto daqui

Pode sempre parecer estranho nos dias que correm uma nova livraria que abre, quando a tendência é vê-las a fechar e cada vez mais as pessoas que lêem são uma raridade. No entanto ainda vamos tendo algumas boas surpresas, como nos dá conta esta entrevista do Público.

Se razões nos faltassem para (mais) uma visita ao Porto, agora temos mais um motivo para dar lá um saltinho, conhecer a Trezor, escolher um livro, folheá-lo e discuti-lo enquanto bebemos uma cerveja. Tudo isto sem recorrer ao telemóvel, claro, esse grande inimigo da leitura. Se forem até lá antes de mim, digam-me o que acharam.

Boas leituras!

 

 

 

 

O que aí vem de novidades

A vegetariana

O Observador na sua newsletter diária enviou-me hoje uma lista muito pormenorizada das novidades que posso esperar das nossas editoras para esta reentré. Achei interessante e estava bem estruturado, e assim deu para ter uma ideia do que se vai passar nos próximos tempos.

Uma das coisas que registei com agrado é que a vencedora do International Man Booker vai ser editada pela D. Quixote agora em Setembro (na foto). Eu terminei neste momento a versão em inglês e a gostei muito (critica em breve), por isso fiquei contente por saber que está a chegar a versão em português.

Também vi por lá outros dos nomeados deste ano, o que quer dizer que o nosso mercado está atento e em movimento. Outra coisa que me agradou foi ver muita poesia na calha. Nunca há demasiada poesia, e diz que vem lá um novo livro da Adília Lopes.

Nem os livros infantis escaparam desta mostra de edições, que vai até Novembro. É só espreitar.