Acabei de Ler – Message from the Shadows, Antonio Tabucchi

antonio tabucchi

Keep scrolling if you prefer to read in English

Como já devem ter reparado pela falta de posts, tenho andado novamente sem grande capacidade de leitura. Coisa que não se prevê que melhore nos próximos meses, mas faz-se o que se pode.

No meio de todo o marasmo chegou-me às mãos, através do Netgalley, mais uma pérola de Antonio Tabucchi, um dos meus novos autores favoritos. Tabucchi tem uma poesia muito própria na sua escrita, e para além disso tem uma profunda ligação ao nosso país, por isso cada livro é um prazer ler e desfrutar.

Este, como o nome indica, é um livro contos, ou pequenas histórias, que são como olhares furtivos a um momento especifico na vida das personagens que as compõem. Não têm uma história complexa, acção a rodos, mas têm um humor muito particular, uma visão do mundo própria, uma sensualidade suave, e muitas, muitas camadas para lá daquilo que lemos.

Tenho algumas histórias favoritas, começando logo pela primeira (The Reversal Game) que segue um grupo de amigos no Portugal pré 25 de Abril, mas também The Train That Goes to Madras, porque nos faz questionar a nossa ética e a nossa moral, e The phrase that follows this is false: the phrase that precedes this is true, porque é simplesmente estranha e bonita.

Recomendo a todos os fãs de Tabucchi, a todos os que gostam de histórias diferentes e envolventes, e a quem gosta de boa literatura em geral.

Boas Leituras

Goodreads Review

Tadeus didn’t expect much more than their complicity in staying up to the early hours: when he read poetry, he’d lose all notion of time. He said: it’s like when I write poetry, time goes fsssss, like a deflating balloon, I’m in a world with no atmosphere, a vacuum – when I read it, too – don’t you find it has the same effect?

As you might have noticed for the lack of blog posts, I have been on a reading rut lately. I don’t expect it to get better in the coming months, but I’ll do my best.

In the middle of all this boredom, Netgalley provided me with a new Antonio Tabucchi book. He is one of my new favourite authors, due not only to the connection he shares with Portugal, but also because I love his peculiar writing style.

As the name shows, this book is a collection of short stories that are like glimpses into the life of each character, a look at a specific moment in time on their lives. The story is not convoluted and complex, but is rich in peculiar sense of humour, soft sensuality, a unique world vision and many layers behind what we read.

I have a few favourite stories, starting with the first one, The Reversal Game, as it follows a group of friends in the post revolution Portugal, so it is dear to my heart. But I also love The Train That Goes to Madras, as it makes us question our own moral and ethics, and The phrase that follows this is false: the phrase that precedes this is true, because it is just weird and beautiful.

I recommend it to all Tabucchi’s fans, everyone that likes different, engaging stories and good literature fans in general.

Happy Readings!

Afirma Pereira

Mina_40

A mesma amiga que me apresentou o João Sem Medo, e que partilha comigo o amor pela poesia, quando viu o quanto eu gostara de Para Isabel, uma Mandala, de António Tabucchi, imediatamente fez promessa de me emprestar Afirma Pereira. E nada melhor do que ler um livro emprestado por uma alentejana que em pleno distrito de Beja. Por isso foi dos primeiros livros que li nestas férias que passei na Mina de São Domingos, mesmo na praia fluvial.

Pereira é um homem que está numa encruzilhada na sua vida, apesar de não se ter ainda apercebido. Homem de hábitos rígidos, forjados por muitos anos a fazer as mesmas coisas, Pereira é um jornalista responsável pela secção cultural do vespertino Lisboa, em plena época Salazarista. E Pereira interroga-se. Sobre a morte, a ressurreição da carne, a vida, as escolhas que fez e as que deixou de fazer. Pereira sonha, mas pouco porque isso não interessa para a história, e arrepende-se dum modo limítrofe do rumo da sua vida.

Mas Pereira cruza-se com o jovem Monteiro Rossi e isso causa um profundo impacto na sua personalidade. A partir daí ele não consegue mais olhar para o mundo com o mesmo manto de passividade, algo o impele a participar na acção, mesmo que ao de leve.

Afirma Pereira lê-se num sopro, como uma brisa quente de fim de Verão que traz consigo mudança. Foi para mim impossível não ver algo de mim naquele homem acomodado, vivendo no passado, mas onde um novo eu hegemónico vem lentamente à superfície tomar as rédeas. Eu própria sinto neste momento, em que contenho em mim a resposta para a vida, o universo e todas as coisas, que tenho um novo eu hegemónico a tentar surgir e tomar controlo da minha vida, ou se quisermos duma forma menos prosaica, sinto aos 42 anos a necessidade de me reinventar na busca incessante da felicidade. Este livro captura muito bem esse espírito.

O modo como o autor brinca com as palavras e as frases é delicioso, todo o livro está muito bem escrito e é um prazer de ler. Aconselho a todos os que gostam de boa literatura, histórias que nos mudam por dentro e que estão profundamente ancoradas na nossa história.

Goodreads Review

Para Isabel

Isabel

Acabei há pouco tempo de ler o livro de António Tabucchi, For Isabel, a mandala. Apesar de ser um autor bastante conhecido em Portugal, principalmente por causa de Afirma, Pereira, eu nunca tinha lido nada dele e não sabia o que esperar, para além dum livro dum autor estrangeiro passado no nosso país, que foi publicado após a sua morte.

Nesse sentido não sei sequer se o título que o Netgalley me proporcionou (mais uma vez esta fonte na origem de tantas alegrias) é ou não um típico livro deste autor, mas isso apenas me deixa com o”problema” acrescido de ter de ler outras obras para criar uma base comparativa. Parece-me um bom problema para se ter.

Este livro é tal e qual o que o nome indica, uma mandala. Isabel é uma mulher misteriosa que desapareceu antes do 25 de Abril e que o narrador procura incessantemente em círculos concêntricos, dentro e fora do seu pensamento. Não sabemos bem quem é Isabel, muito menos quem a procura, mas de algum modo isso não é relevante para a história, tanto quanto os círculos que vão sendo feitos na descoberta e que vão revelando um pouco dum país poético à beira da revolução, e a busca de alguém que perdemos e que está escondido no seu nada, que um dia se cruzará com o nosso.

Para quem for fã de histórias lineares em que tudo faça extremo sentido, este não é o livro certo. Mas para quem goste de ser conduzido por um certo realismo místico, lírico, esta pequena obra será uma companhia deliciosa.

Para mim, o único ponto fraco foi a sua tradução para inglês. Se encontrasse versão em português, leria de novo, porque é dos raros casos em que acho que a tradução era tosca. E nem me refiro ao triste bacallá, que demorei uns minutos a perceber que era o nosso fiel amigo.

Goodreads Review