Afirma Pereira

Mina_40

A mesma amiga que me apresentou o João Sem Medo, e que partilha comigo o amor pela poesia, quando viu o quanto eu gostara de Para Isabel, uma Mandala, de António Tabucchi, imediatamente fez promessa de me emprestar Afirma Pereira. E nada melhor do que ler um livro emprestado por uma alentejana que em pleno distrito de Beja. Por isso foi dos primeiros livros que li nestas férias que passei na Mina de São Domingos, mesmo na praia fluvial.

Pereira é um homem que está numa encruzilhada na sua vida, apesar de não se ter ainda apercebido. Homem de hábitos rígidos, forjados por muitos anos a fazer as mesmas coisas, Pereira é um jornalista responsável pela secção cultural do vespertino Lisboa, em plena época Salazarista. E Pereira interroga-se. Sobre a morte, a ressurreição da carne, a vida, as escolhas que fez e as que deixou de fazer. Pereira sonha, mas pouco porque isso não interessa para a história, e arrepende-se dum modo limítrofe do rumo da sua vida.

Mas Pereira cruza-se com o jovem Monteiro Rossi e isso causa um profundo impacto na sua personalidade. A partir daí ele não consegue mais olhar para o mundo com o mesmo manto de passividade, algo o impele a participar na acção, mesmo que ao de leve.

Afirma Pereira lê-se num sopro, como uma brisa quente de fim de Verão que traz consigo mudança. Foi para mim impossível não ver algo de mim naquele homem acomodado, vivendo no passado, mas onde um novo eu hegemónico vem lentamente à superfície tomar as rédeas. Eu própria sinto neste momento, em que contenho em mim a resposta para a vida, o universo e todas as coisas, que tenho um novo eu hegemónico a tentar surgir e tomar controlo da minha vida, ou se quisermos duma forma menos prosaica, sinto aos 42 anos a necessidade de me reinventar na busca incessante da felicidade. Este livro captura muito bem esse espírito.

O modo como o autor brinca com as palavras e as frases é delicioso, todo o livro está muito bem escrito e é um prazer de ler. Aconselho a todos os que gostam de boa literatura, histórias que nos mudam por dentro e que estão profundamente ancoradas na nossa história.

Goodreads Review

Anúncios

Para Isabel

Isabel

Acabei há pouco tempo de ler o livro de António Tabucchi, For Isabel, a mandala. Apesar de ser um autor bastante conhecido em Portugal, principalmente por causa de Afirma, Pereira, eu nunca tinha lido nada dele e não sabia o que esperar, para além dum livro dum autor estrangeiro passado no nosso país, que foi publicado após a sua morte.

Nesse sentido não sei sequer se o título que o Netgalley me proporcionou (mais uma vez esta fonte na origem de tantas alegrias) é ou não um típico livro deste autor, mas isso apenas me deixa com o”problema” acrescido de ter de ler outras obras para criar uma base comparativa. Parece-me um bom problema para se ter.

Este livro é tal e qual o que o nome indica, uma mandala. Isabel é uma mulher misteriosa que desapareceu antes do 25 de Abril e que o narrador procura incessantemente em círculos concêntricos, dentro e fora do seu pensamento. Não sabemos bem quem é Isabel, muito menos quem a procura, mas de algum modo isso não é relevante para a história, tanto quanto os círculos que vão sendo feitos na descoberta e que vão revelando um pouco dum país poético à beira da revolução, e a busca de alguém que perdemos e que está escondido no seu nada, que um dia se cruzará com o nosso.

Para quem for fã de histórias lineares em que tudo faça extremo sentido, este não é o livro certo. Mas para quem goste de ser conduzido por um certo realismo místico, lírico, esta pequena obra será uma companhia deliciosa.

Para mim, o único ponto fraco foi a sua tradução para inglês. Se encontrasse versão em português, leria de novo, porque é dos raros casos em que acho que a tradução era tosca. E nem me refiro ao triste bacallá, que demorei uns minutos a perceber que era o nosso fiel amigo.

Goodreads Review